fundo parallax

Radicalidade para mim, misericórdia para o irmão

E12T03 – As etapas da destruição da Cristandade medieval
19 de março de 2018
E13T03 – Namoro não é passatempo, mas o tempo da concórdia
26 de março de 2018
 


Radicalidade para mim, misericórdia para o irmão

Nosso seráfico pai, Francisco de Assis tinha todo um cuidado especial com aqueles irmãos doentes no espírito, ou seja, aqueles que caíam em tentações. Ao invés de corrigi-los asperamente tinha com eles muita paciência para que não se perdessem. Todos somos chamados à santidade, mas todos temos nossas limitações. Radicalidade para mim, misericórdia para o irmão. Comigo mesmo devo ser duro, devo ser rígido, devo usar a vara para me autocorrigir.

Devo castigar meu corpo com severos jejuns por ter caído em tentações, mas com o irmão devo usar de misericórdia. Isso não significa ser conivente com o pecado dele, mas saber que cada pessoa tem um ritmo e que se eu for duro demais ao corrigir posso afastá-lo de uma vez dos caminhos do Senhor. A correção fraterna é necessária.

Quando vemos que um irmão está se desviando, devemos corrigir sim, mas com amor, com caridade. Era assim que agia São Francisco. Ele dizia que isso era próprio do superior, que é um pai e não um tirano, evitar as ocasiões de erros e não permitir que viesse a cair aquele que, uma vez no chão, teria dificuldade para se levantar.

Infelizmente em muitos grupos, movimentos e pastorais de nossa Igreja a coisa não funciona assim, qualquer deslize que uma pessoa dá somos os primeiros a apontar o dedo, jogar na cara, e publicar aos quatro cantos do mundo o pecado da pessoa. Parece até que, na verdade, as pessoas estão ali só esperando um simples deslize. Ah, esse acha que é santo, quero ver quando ele cair, todo mundo vai saber quem ele é. Parece que torcem para que você caia, torcem para que você peque, torcem para que você sucumba às tentações ao invés de rezarem por você para que se fortaleça e seja santo.

Tomas de Celano diz que decaímos muito, ou seja, que não conseguimos seguir o exemplo de São Francisco. Ele afirma que não só deixamos de levantar ou de segurar os que estão fracos mas, às vezes, até os empurramos para caírem.

Sabemos que às vezes, alguns irmãos que cometem sempre os mesmos erros, caem sempre nas mesmas tentações, precisam de uma correção mais firme, pois a vontade própria estão profundamente arraigadas e precisam de fogo e não de pomadas. Mas Deus é misericordioso e quer que sejamos misericordiosos também, portanto eu repito: Radicalidade para mim, misericórdia para o irmão.

Que assim seja.

Amém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *