fundo parallax

Viver em comunidade

E16T03 – Pornografia: Um novo tipo de droga
16 de abril de 2018
E17T03 – Por que Nossa Senhora escolheu Portugal?
23 de abril de 2018
 


Viver em comunidade

Anacoreta é um monge cristão ou eremita que vive em retiro, solitariamente, especialmente nos primeiros tempos do cristianismo. Entende-se por eremita, o indivíduo que, por penitência, vive em lugar deserto, isolado, ermo. Na história da Igreja, muitos religiosos optaram por este estilo de vida, inclusive franciscanos. Mas viver isolado, em um eremitério, viver vida de anacoreta, não significa viver sem regras, muito pelo contrário, tem que ter disciplina e seguir a regra de vida escrita por seu fundador, porém muitos dos que optam por este tipo de vida acham que podem cada um viver do seu modo e que por ser uma vida contemplativa não precisam trabalhar. Nosso seráfico Pai, Francisco de Assis chamava a atenção dos frades eremitas e os corrigia com energia para que não transformassem o lugar da contemplação em lugar de ociosidade, fazendo do modo de vida eremítico, inventado para aperfeiçoar as almas, um lugar de seus maus desejos.

São Francisco aconselhava todos a serem caridosos, e também mandava que demonstrassem afabilidade e um tratamento familiar. Ele costumava dizer: “Quero que meus frades mostrem que são filhos da mesma mãe. Que cada um dê com liberalidade ao outro o hábito, o cordão, qualquer coisa que ele pedir. Ponham em comum os livros e tudo que possam desejar, insistindo até com os outros a que tomem o que precisam”. Ou seja, ele não queria que cada um vivesse como se fosse uma ilha no eremitério, mas sim uma comunidade de irmãos onde uns precisam dos outros, uns ajudam os outros e ninguém tem nada de próprio, tudo é da comunidade, tudo está a serviço de todos. E era sempre o primeiro a fazer tudo isso, para que também nessas coisas não viesse a dizer o que já não tivesse sido realizado nele mesmo por Cristo.

Oxalá nós conseguíssemos colocar em prática os ensinamentos e as vontades que Cristo realizou em Francisco também nos nossos dias. Não somente nos eremitérios, nos mosteiros, nos conventos, mas em nossa sociedade, no nosso dia a dia. E não pense que estou sendo utópico ou que estou fazendo apologia ao socialismo ou comunismo, de jeito nenhum! Sou a favor da meritocracia e do direito a propriedade privada que cada um conquistou de acordo com suas capacidades e talentos que Deus lhes proporcionou, mas estou falando em caridade. Em usar os bens que Deus nos deu para ajudarmos o próximo, não sermos egoístas, se temos coisas, então podemos colocar estas coisas a serviço dos outros, podemos ajudar o outro como numa grande comunidade em que todos são irmãos e colocam tudo em comum até mesmo insistindo para que o outro tome aquilo que lhe será útil sem pensar sempre em lucro, sem pensar sempre em tirar vantagem, sem pensar sempre no jeitinho brasileiro de se dar bem, mas visar o bem comum, o bem de toda a sociedade e não apenas do seu próprio umbigo.

Que assim seja.

Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *