fundo parallax

Que seu alto ofício seja mais uma carga que um cargo

Os detratores tem veneno na língua e envenenam os outros
7 de maio de 2018
E20T03 – Marxismo Cultural: uma breve visão histórica
14 de maio de 2018
 


Que seu alto ofício seja mais uma carga que um cargo

Às vezes vivemos a vida como se não houvesse amanhã. Não nos preocupamos com o futuro. Gastamos todo o nosso salário em festas e bebidas e só depois de velhos é que vamos nos dar conta que está na hora de sair da casa dos pais e não temos para onde ir. Desperdiçamos tempo e dinheiro com bobagens quando poderíamos ter economizado para comprar um terreno e construir uma casa, ou até mesmo comprar um apartamento destes financiados em trinta anos. Às vezes usamos os recursos da natureza como se ao morrermos o planeta também fosse deixar de existir. Usamos egoisticamente sem nos preocuparmos com que planeta deixaremos para os nossos filhos e netos. Desperdiçamos a água, poluímos, não reciclamos o lixo e etc. Às vezes levamos uma vida leviana, promíscua, desonesta, em pecado, como se o nosso tempo na terra totalizasse nossa vida. Esquecemos que temos uma alma que é imortal e que tudo o que fizermos de errado aqui teremos que pagar na vida eterna. Quando iniciamos uma obra, temos que preparar as pessoas para darem continuidade a ela se não quisermos que a obra simplesmente acabe. Você não vai durar para sempre, tem que ter um sucessor. A mesma coisa se você tem uma empresa.

Francisco de Assis nunca quis fundar uma ordem e acabou fundando três. Ele só queria viver a radicalidade do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo em pobreza, castidade e obediência, mas o Senhor lhe deu irmãos e as ordens foram surgindo. Os frades menores, as clarissas e os franciscanos seculares, todas elas com muitas ramificações, sendo que hoje existem milhares de seguidores de São Francisco no mundo inteiro. Já são muitos franciscanos que foram canonizados pela Igreja e muitos que assumiram importantes cargos chegando até mesmo a ser Papa. Francisco parecia não se preocupar com um sucessor, com quem iria ser o ministro geral da Ordem depois dele. Não que ele fizesse pouco caso disso, mas pela sua confiança no Senhor, sabia que Deus iria se encarregar de cuidar de sua Ordem. Jesus escolheu Pedro como podemos conferir no Evangelho escrito por Mateus, capítulo dezesseis, versículo dezoito: “Tu és Pedro e sobre essa pedra edificarei a minha Igreja”. E o confirmou: “Apascenta as minhas ovelhas” como podemos conferir no Evangelho escrito por João, capítulo vinte e um, versículo dezessete. Não que Pedro fosse capacitado para isso ou fosse o mais santo entre os apóstolos, mas o mais dócil ao Espírito Santo para se deixar guiar por Ele. Francisco quando questionado por um frade que sempre se interessava muito pelas coisas de Deus, levado por sua devoção para com a Ordem, a respeito de quem o sucederia, respondeu que ninguém era apto para tal feito. O frade pediu ao santo: “Pai, tu vais passar, e a família que te seguiu vai ser deixada no vale de lágrimas. Indica alguém que conheças na Ordem, em quem teu espírito possa descansar e a quem possas confiar com segurança a responsabilidade do serviço geral da Ordem”.

São Francisco respondeu, entremeando suas palavras de suspiros: “Filho, não vejo ninguém que seja suficientemente capaz de ser o comandante de um exército tão numeroso, pastor de um rebanho tão grande”. Mas o santo tentou descrever como ele imaginava que deveria ser o pastor que iria guiar a ordem e na sua descrição vemos que de fato não havia ninguém capacitado para tanto, porém percebemos também a confiança do pobrezinho de Assis na misericórdia de Deus que jamais abandonaria a Ordem. Nossas fraternidades têm um ministro local, depois temos o ministro regional e o ministro nacional. Por fim temos o ministro geral. Acredito que todos deveriam saber como Francisco imaginava que deveria ser o ministro para assim concluir por si só se são bons ministros, se correspondem com aquilo que o Santo de Deus queria ou não. Entre outras características que podem ser encontradas nas fontes franciscanas, São Francisco diz que o ministro deveria ser um homem de vida austeríssima, amigo do esforço pela oração, que não olhasse as coisas pelo ângulo sórdido do favoritismo, que detestasse o dinheiro, que consolasse os aflitos e que jamais maculasse a beleza austera da justiça pelo desejo de preservar a própria honra, e que visse em seu alto ofício mais uma carga que um cargo.

Que assim seja,

Amém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *