fundo parallax

Precisamos entender a diferença entre a pobreza de São Francisco e a maldita teologia da libertação

Quem puser os olhos no céu não poderá deixar de ver as coisas celestiais
3 de fevereiro de 2017
Não duvidemos do perdão solenemente pronunciado sobre nossos erros
4 de fevereiro de 2017
 


Precisamos entender a diferença entre a pobreza de São Francisco e a maldita teologia da libertação

Francisco de Assis era apaixonado pela pobreza ao ponto de viver um radicalismo que não permitia que os frades tivessem nada de próprio nem mesmo casa. Hoje os frades menores ainda fazem voto de pobreza por incrível que pareça. Mas em contraste com isso, a ordem dos frades menores é uma das ordens religiosas mais ricas do mundo. É uma das ordens que mais tem posses, que mais tem bens. Sabemos que os frades não tem nada de próprio ou ao menos não deveriam ter, mas a ordem tem. E Francisco não queria isso. Francisco não queria que a ordem tivesse nada.

Aliás, ele nem queria fundar uma ordem. Francisco queria que os frades morassem na casa dos outros como peregrinos que são acolhidos. No dia 6 de julho de 2013, o papa Francisco esteve reunido com seminaristas, noviços e noviças na sala Paulo VI, no Vaticano e disse a eles: “Fico doente quando vejo um padre ou uma irmã com um carro do último modelo. Não pode ser. O carro é necessário, mas arranjem um carro humilde. E se gostam dos carros bons, pensem em quantas crianças morrem de fome.” Que belíssimas palavras do papa Francisco.

O cardeal Bergoglio, escolheu para si como papa, o nome “Francisco”. O nome de nosso seráfico Pai, Francisco de Assis. Ele escolheu este nome, justamente em homenagem a Francisco de Assis. Mas não é uma simples homenagem. Isso vai revelando aos poucos, a personalidade do papa. Tanto que nós vamos percebendo cada dia mais, o quanto o papa Francisco tem se mostrado amigo dos pobres. Uma pessoa de grande humildade. Muitas pessoas chegam a pensar que ele é franciscano. E outro dia eu até li uma crítica ao papa na internet feita por um pastor adventista que dizia: “O papa sendo franciscano, blá, blá, blá…” Balela! O papa não é franciscano meu amigo. Antes de você escrever qualquer coisa sobre o cardeal Bergoglio, agora papa Francisco, estude a vida dele. Não pode sair escrevendo assim qualquer coisa, não é mesmo? E o papa não é franciscano, ele é jesuíta.

Mas ser franciscano, não é apenas professar em uma ordem assim como o Rodrigo e a Carol fizeram na ordem franciscana secular. Mas ser franciscano é abraçar o ideal de vida de Francisco de Assis. É algo do coração. Há muitos franciscanos e franciscanas até mesmo fora da igreja Católica. Como também há muitos homens e mulheres que se autodenominam franciscanos porque pertencem a uma ordem ou congregação de carisma franciscano, mas que na verdade são pessoas orgulhosas, arrogantes e amantes do luxo e da boa vida.

Outro dia um senhor que eu conheço e que é franciscano, disse que exige ser chamado de frade. Dizia ele: “Eu sou frei. Frei fulano de tal.” Olha aqui, para o senhor ser chamado de frei, em primeiro lugar aja como um frade. Aja como um frade franciscano. Seja mais humilde, desça do pedestal. Às vezes me pego a pensar em o que Francisco de Assis lá nos céus acha disso tudo. Será que ele está muito decepcionado com a ordem que ele fundou? Será que ele se arrependeu de ter fundado? Será que ele intercede pelos frades pedindo a Jesus misericórdia porque eles não sabem o que fazem? E quanto ao Leonardo Boff? A vergonha da ordem franciscana no Brasil! Que se acha um deus não é mesmo? Claro, agora não é mais franciscano, mas o que ele já envergonhou a ordem, não é brincadeira. Ele se acha um grande teólogo. Quando na verdade ele mesmo se autoexcomungou e de sua boca só sai lixo. Imundice que não serve para nada. Mas que mesmo assim, com a sua heresia da libertação conseguiu contaminar toda uma geração de padres e bispos. Escreveu dezenas de livros sem nenhum fundamento católico, alimentando assim este erro grave chamado teologia da libertação, que precisa com urgência ser corrigido.

Além das três ordens fundadas por nosso seráfico pai, Francisco, surgiram também muitas congregações e comunidades de inspiração franciscana. Mas algumas delas simplesmente idolatram Leonardo Boff e sua teologia que de teológica não tem nada. Além de distorcerem o evangelho de Cristo. Distorcerem tudo o que Jesus ensinou a respeito dos pobres. Dizem-se franciscanos, mas passam longe dos ensinamentos de Francisco de Assis sobre a verdadeira pobreza. E ainda mesclam suas heresias com a teologia liberal onde Jesus não fez milagre nenhum, não multiplicou pães, não andou sobre as águas, não transformou água em vinho, não curou ninguém, não fez nada que a ciência não possa explicar.

Vivem totalmente longe da transcendência, vivem apenas a imanência, só o que é desta vida, só o que é palpável, só o que se pode ver, se pode tocar. Voltemos às origens! Voltemos ao evangelho de Cristo! Vamos estudar as fontes franciscanas e viver tudo aquilo que Francisco de Assis nos ensinou. Meu irmão, minha irmã, está na hora de subir nos telhados e começar a jogar as telhas lá de cima como fez nosso seráfico pai, se quisermos ambicionar a mais alta glória, pois sem amar a santa pobreza e desposá-la com um amor eterno, ela que era tão estimada pelo filho de Deus, e a ela dedicar-se de todo coração, não poderemos nos dizer franciscanos e nem mesmo cristãos.

Que assim seja. Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *