fundo parallax

Quando alguém ia falar com Padre Pio para agradecer-lhe, ele sempre respondia: “Agradeçamos a Jesus”.

O mínimo que deveria fazer uma pessoa que recebeu uma cura é viver uma vida reta, justa e santa
23 de janeiro de 2017
E01T01 – Estupro Coletivo
23 de janeiro de 2017
 


Quando alguém ia falar com Padre Pio para agradecer-lhe, ele sempre respondia: “Agradeçamos a Jesus”

Hoje vimos a simplicidade e humildade de padre Pio. Típicas de um verdadeiro filho de Francisco de Assis. Não me agradeça. Agradeça a Deus. Ou melhor, vamos juntos agradecer a Ele. Por isso quando alguém ia falar com Padre Pio para agradecer-lhe, ele sempre respondia: “Agradeçamos a Jesus”.

E sabemos como padre Pio era um homem generoso, como ele fazia o bem para as pessoas, mas não buscava para si a vanglória. Era um homem que tinha dons extraordinários e os colocava a serviço da comunidade de fé. Um homem que muitas vezes socorreu famílias necessitadas financeiramente levando para elas alimento necessário para o corpo.

E mesmo assim, padre Pio nunca permitiu que as pessoas o fizessem santo, o homenageassem ou coisa parecida. “Agradeçamos a Jesus” – Diz padre Pio. Na verdade eu acredito que nós todos deveríamos ser assim. Nada do que fazemos é por nossos próprios méritos e se fazemos algo pelo bem do próximo isso não é nada além do que nossa obrigação.

Conheço muitas pessoas que gostam de aplausos, de elogios, que querem sempre ser o centro das atenções. Mas Jesus mesmo disse: “Quem quiser ser o maior entre vós, seja aquele que vos serve, e quem quiser ser o primeiro entre vós, seja vosso escravo”. Essa é a nossa missão: Servir. Colocarmos-nos a serviço. Não temos títulos na Igreja. Não é porque sou o ministro em minha fraternidade franciscana ou membro do conselho que sou maior ou melhor do que os outros irmãos, pelo contrário, sou o menor entre os menores.

Muita gente acha que tem um cargo, uma função de respeito na Igreja. Porque é catequista, ou da pastoral tal ou movimento tal, ou ainda por que canta nas missas, ou faz uma leitura, ou porque é Ministro Extraordinário da Sagrada Comunhão e ao vestir o jalequinho branco, pensa que é superior aos outros. Quanta bobagem! Meu irmão, minha irmã, se você está na Igreja para aparecer, para ser aplaudido, para ser elogiado, faça um favor pra você mesmo e saia. Primeiro aprenda o que é servir. Aprenda o que é ser o último, ser humilde, pra depois fazer comunhão com os irmãos.

Infelizmente, quantos irmãos eu já conheci que por não conseguirem nenhum cargo num conselho local ou regional, simplesmente abandonaram suas fraternidades. Ou pior, quando um irmão é eleito para uma coordenação o outro fica revoltado e diz: “O que? Este daí vai ser meu coordenador? Nem morto!” E abandona o grupo. Sem falsa humildade eu preciso deixar registrado aqui que não gosto de elogios. E não é por ser Franciscano, mas nunca gostei. Desde criança. Fico constrangido. Aplausos então nem pensar. Quando eu digo alguma coisa numa palestra ou pregação e as pessoas começam a aplaudir eu tenho vontade de sumir, de cavar um buraco e me esconder. Mas entendo que os elogios e aplausos não são para mim, e sim para o Senhor Jesus.

Na Igreja Santa Inês, em Balneário Camboriú eu costumava fazer a segunda leitura na missa do segundo sábado, que é de responsabilidade litúrgica da Ordem Franciscana Secular. Acontece que depois da missa, sempre muitos fiéis vinham falar comigo. Elogiar a leitura, dar parabéns. Eu ficava muito sem graça. E as pessoas queriam falar, queriamm comentar, conversar e eu notava que às vezes ia se formando uma pequena fila de pessoas ali. Eu procurava dar atenção a todos, ser simpático, pois sinto que as pessoas tem sede de Deus e percebo como Deus usa pobres miseráveis pecadores para tocar o coração de seus filhos.

E sei que tudo é para honra e glória do Senhor e não para minha vanglória. Sou servo. Estou a serviço. Sou arauto do grande Rei como diria nosso Seráfico e Humilde Pai Francisco de Assis. E que possamos nos espelhar em Francisco como fez padre Pio para que sempre que formos elogiados, ou sempre que alguém vier nos agradecer por qualquer coisa que tenhamos feito, possamos dizer: “Agradeçamos a Jesus”.

Que assim seja. Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *