fundo parallax

Você deve ter sempre prudência e amor.

E25T02 – As feminazis e os dominicanos
20 de junho de 2017
Francisco teve a graça de receber os estigmas.
20 de junho de 2017
 


Você deve ter sempre prudência e amor. A prudência tem olhos; o amor tem pernas. O amor, como tem pernas, gostaria de correr a Deus. Mas seu impulso de deslanchar na direção dEle é cego e, algumas vezes, pode tropeçar se não for guiado pela prudência, que tem olhos.

Devemos ser guiados pela prudência. Por mais que estejamos cheios de amor, por mais que tenhamos só boas intenções, devemos ser prudentes. Precisamos reconhecer a hora e o lugar certos para fazermos ou dizermos as coisas. Hoje em dia, nós usamos muito as chamadas redes sociais na internet. Essas redes nos conectam a muitas pessoas, mas às vezes acabamos vendo coisas que não gostaríamos. As pessoas publicam nestas redes sociais coisas muito desagradáveis. Devemos entender que publicar é tornar público, é mostrar para todo mundo. Vamos começar falando sobre fotografias.

Tem que gente que fotografa tudo e publica tudo na internet. Tem coisas que não dizem respeito a ninguém a não ser a você mesmo. Tem certos tipos de fotos que não devem ser publicadas, pois expõem demais a pessoa. Há muitas fotos que eu não gostaria de ver. Fotos que me ofendem, fotos de pessoas mal vestidas, mostrando demais o corpo, fotos de beijos explícitos, e por aí vai. Compartilhar piadas de mau gosto é também outra coisa muito comum. Piadas que ofendem a fé das pessoas, vídeos indecentes e convites desagradáveis. Sempre antes de publicar algo ou compartilhar algo que alguém publicou eu penso duas vezes. Tá certo, eu achei legal, mas será que vale a pena compartilhar isso com os meus mais de dois mil amigos nesta rede social? Será que o conteúdo não é ofensivo? Às vezes vejo por exemplo, católicos compartilhando mensagens espíritas, principalmente do famoso charlatão Chico Xavier. Nestas horas tenho uma vontade imensa de comentar, de escrever algo a respeito, mas me contenho. Uso da prudência. Por mais que meu coração esteja cheio de amor, o amor é as pernas, disse padre Pio, mas precisa ser guiado pelos olhos que é a prudência.

Outro dia ao publicar uma foto minha na santa Missa, comungando, recebendo o corpo de nosso Senhor de joelhos, poucos segundos depois alguém fez um comentário ofensivo. Bem pra quem não sabe, eu queria dizer que sites de relacionamento como o facebook tem a opção de você não seguir a pessoa. Ela não deixa de estar em sua lista de amigos, mas você simplesmente não vê nada do que ela publica. Por esse motivo, entre todos os meus amigos na rede, só sigo alguns, uma minoria, pois sei que publicam coisas sérias, coisas interessantes. Quem publica coisas desagradáveis eu não sigo, e por isso, nem fico sabendo que foi publicado. Mas voltando ao comentário ofensivo que fizeram em minha foto, logicamente que eu apaguei. Isso não significa que não aceito críticas ou que só quero elogios, mas acredito que não sou obrigado a manter um comentário desrespeitoso em minha linha do tempo. É o mesmo que se alguém pichar um palavrão no muro da minha casa. Eu li, eu entendi o recado, mas agora vou repintar o muro. Porém para não parecer grosseria da minha parte, chamei a pessoa “in Box” como se diz, ou seja, para uma conversa particular para assim dialogarmos e para que eu pudesse entender melhor o motivo da agressão e da indignação por parte do irmão que foi tão inconveniente com seu comentário. Afinal, trata-se de um irmão da igreja católica. Filho de uma comunidade que deveria transfigurar o Cristo e não semear a discórdia, mas ao invés disso, ele começou a me agredir usando palavras que não condizem a um cristão. Ele disse que eu estava envergonhando São Francisco com minhas atitudes, que eu era filho do maligno, me chamou de fariseu, de hipócrita, e disse que meu programa de rádio é uma bosta. Depois disso me excluiu. Não sei quais as razões deste irmão para me agredir assim, mas sei que faltou prudência. Eu mal postei a foto e ele já inflamado de um ódio que desconheço as origens, fez um comentário maldoso e ao ser chamado para conversar, sem ter argumentos, apenas me xingou e me julgou como se fosse ele o juiz universal, o dono da verdade absoluta. É disso que padre Pio está falando hoje. Por mais que tenhamos razões, por mais que no fundo estejamos defendendo uma causa, algo que acreditamos profundamente. Por mais que tenhamos amor nesta causa, não podemos jamais nos esquecer de ter prudência. E o que e respondi a ele? Obrigado pelos elogios, Deus te abençoe imensamente. Continue em sua linda caminhada de fidelidade a Deus e a Igreja. Conte comigo sempre que precisar. Paz e bem!

Que assim seja. Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *