A depressão é o mal deste século

14

Os médicos a definem a depressão como uma doença psiquiátrica, crônica e recorrente, que produz uma alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima e culpa, assim como a distúrbios do sono e do apetite. Sabemos que é doença, sabemos que é coisa séria, que não é frescura das pessoas, mas também sabemos que tem cura e que pode e deve ser combatida. Mas é necessário procurar ajuda. A impressão que se tem é que algumas pessoas que sofrem com depressão gostam daquela condição, gostam de ficar se sentindo os coitadinho, justamente porque não procuram ajuda, não fazem nada para tentar sair daquela situação, mas é claro que não. Ninguém gosta de estar doente. É que às vezes é realmente difícil conseguir forças para pedir socorro, para buscar ajuda profissional, para fazer o tratamento adequado e se curar.

É como quando vemos alguém muito gordo que continua comendo exageradamente. Pensamos: será que esta pessoa gosta de ser obesa? Claro que não. E aqui não estamos falando de estética, mas de saúde. Estar em boa forma é importante para o nosso bem estar. A qualquer momento a pessoa obesa pode começar uma reeducação alimentar e buscando ajuda profissional, emagrecer. Mas por que não o faz? Vai sempre deixando pra amanhã, deixando pra depois e nunca toma a decisão de se ajudar. Assim também com a pessoa depressiva que ao invés de pensar em buscar ajuda, só pensa em morrer.

Nosso seráfico Pai, Francisco de Assis nos fala sobre como evitar a depressão, como evitar cair na tristeza e diz ainda que a maior alegria do diabo é quando pode roubar ao servo de Deus o gozo do espírito. Somos servos de Deus e o somos com muita alegria. Ninguém pode se dizer católico e ficar triste pelos cantos. O cristianismo é a religião das pessoas alegres, felizes, que dão a sua vida pelo evangelho e o fazem com um sorriso no rosto. Religião daqueles que sofrem o martírio, felizes da vida por estarem indo ao encontro do Mestre. Os demônios não conseguem fazer mal ao servidor de Cristo quando o vêem transbordante de santa alegria. Por isso São Francisco tratava de viver sempre no júbilo do coração, conservando a unção do espírito e o óleo da alegria. Evitava com muito cuidado a horrível doença da tristeza, a tal ponto que, era só sentir fraquejar um pouco, ele já corria a rezar. Aí está a forma de evitar a tristeza que pode levar à depressão e a morte: A oração. Rezar sempre. Rezar ao sentir qualquer sinal de tristeza.

Claro que a tristeza é típica do ser humano. Nos aborrecemos com as coisas quando elas não saem de acordo com o que havíamos planejado ou quando criamos expectativas que não são correspondidas. Sentir tristeza por um momento é natural. Cultivar a tristeza, não. É como quando no trânsito por um momento sentimos raiva do motorista que cortou a nossa frente. Sentir raiva é natural, mas odiar não o é. Não podemos cultivar a tristeza. Não podemos alimentar a tristeza, pois vira doença. Devemos combater e rezar. E rezar com perseverança, confiança, calma e serenidade. Quando o servo de Deus se sente perturbado por qualquer motivo, como pode acontecer, deve levantar-se quanto antes para rezar, e ficar firme diante do Pai supremo até que lhe devolva sua alegria salutar. Porque, se demorar muito na tristeza, fará desenvolver-se esse mal babilônico que, se não for lavado pelas lágrimas, acabará deixando no coração uma ferrugem permanente.

Que assim seja.

Amém.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.