Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Cardeal Sarah: Vítimas do COVID-19 têm ‘direito inalienável’ aos sacramentos.

343

(LifeSiteNews. Traduzido por Petter Martins) Um importante cardeal do Vaticano declarou que o coronavírus, “um vírus microscópico, trouxe este mundo de joelhos“, um mundo que estava “bêbado de auto-satisfação porque acreditava ser invulnerável“.

De acordo com o cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino, a atual pandemia do COVID-19 é uma “parábola” que deve levar a humanidade a refletir sobre sua dependência de Deus, sobre suas prioridades errôneas e ajudá-la a descobrir os verdadeiros valores de confiar-se a Deus , voltando à oração e redescobrindo a importância dos laços nacionais e familiares.

Numa época em que tantos estão morrendo sozinhos sem a presença reconfortante de entes queridos e a assistência dos Últimos Ritos, o cardeal Sarah insistiu que “ninguém tem o direito de privar uma pessoa doente ou moribunda da assistência espiritual de um padre. É um direito absoluto e inalienável.

O cardeal Sarah conversou longamente com Charlotte d’Ornellas, do semanário conservador francês Valeurs actuelles, tirando lições humanas, políticas e religiosas de uma epidemia que, segundo ele, “dispersou a fumaça da ilusão“.

Em particular, o Cardeal se opôs ao materialismo dos tempos pré-epidêmicos, quando nos disseram: “Você pode consumir sem limites“, ao colapso da situação atual. “As bolsas estão caindo. As falências estão por toda parte”, observou ele, também observando que os sonhos do homem de “transumanismo” e “humanidade aumentada” que “as biotecnologias tornariam invencíveis e imortais” foram frustrados pelo coronavírus.

O chamado homem todo-poderoso aparece em sua dura realidade. De repente, ele está nu. Sua fraqueza e vulnerabilidade são flagrantes. Estar confinado em nossos lares, espero, permitirá que voltemos mais uma vez às coisas essenciais, para redescobrir a importância de nosso relacionamento com Deus e, portanto, a centralidade da oração na existência humana. E, na consciência de nossa fragilidade, confiar-nos a Deus e à sua misericórdia paterna

Cardeal Sarah

Segundo Sarah, a experiência da epidemia e do confinamento mostrará que o homem moderno não pode ser “radicalmente independente” nem se recusar a ser “parte de uma rede de dependência, herança e filiação“.

Quando tudo desmorona, apenas os laços de casamento, família e amizade permanecem. Redescobrimos que, como membros de uma nação, estamos vinculados por laços invisíveis, mas reais. Acima de tudo, redescobrimos que somos dependentes de Deus”, ele insistiu.

O autor de O poder do silêncio comentou a “onda de silêncio que varreu a Europa“, acrescentando: “Muitos se viram sozinhos, em silêncio, em apartamentos que se tornaram eremitérios ou células monásticas“.

Que paradoxo! Foi preciso um vírus para nos silenciar. (…) A questão da vida eterna não pode deixar de surgir quando nos dizem todos os dias um grande número de contágios e mortes.

Cardeal Sarah

O cardeal Sarah sugeriu que usássemos solidão e confinamento para “ousar orar“. “E se ousássemos transformar nossa família e nosso lar em uma igreja doméstica?” ele perguntou. “Uma igreja é um lugar sagrado que nos lembra que, em uma casa de oração, tudo deve ser vivido na busca de direcionar tudo e toda escolha para a Glória de Deus.”

A morte é realmente o fim de tudo?” o cardeal perguntou. Na França, uma nação mais profundamente secularizada que os Estados Unidos, essa pergunta é particularmente relevante.

Ele também deu a resposta: “Ou não é uma passagem realmente dolorosa, mas que leva à vida? É por isso que o Cristo ressuscitado é a nossa grande esperança.(…) Não estamos como Jó na Bíblia? Esvaziado de tudo, de mãos vazias, com um coração ansioso: O que nos resta? A raiva contra Deus é absurda. Ficamos com adoração, confiança e contemplação do mistério.

O cardeal Sarah acrescentou que o mundo agora “espera uma palavra forte da Igreja“. “Se recusarmos a acreditar que somos fruto de uma vontade amorosa do Deus Todo-Poderoso, tudo isso é muito difícil, e não faz sentido. Como podemos viver em um mundo onde um vírus ataca aleatoriamente e mata pessoas inocentes? Há apenas uma resposta: a certeza de que Deus é amor e que ele não é indiferente ao nosso sofrimento. Nossa vulnerabilidade abre nosso coração para Deus e inclina Deus a ter piedade de nós. Acredito que é hora de ousar essas palavras de fé.

Questionado sobre o que os sacerdotes deveriam fazer nessa situação, o cardeal respondeu:

O papa foi muito claro. Os sacerdotes devem fazer todo o possível para permanecer perto dos fiéis. Eles devem fazer tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar os moribundos, sem complicar a tarefa dos cuidadores e das autoridades civis. Mas ninguém tem o direito de privar uma pessoa doente ou moribunda da assistência espiritual de um padre. É um direito absoluto e inalienável. Na Itália, o clero já pagou um preço muito alto. Setenta e cinco padres morreram ajudando os doentes.

Mas também acredito que muitos padres estão redescobrindo sua vocação à oração e à intercessão em nome de todo o povo. O sacerdote é obrigado a permanecer constantemente diante de Deus para adorar, glorificar e servi-lo. Assim, em países confinados, os padres encontram-se na situação inaugurada por Bento XVI. Eles aprendem a passar seus dias em oração, solidão e silêncio, oferecidos para a salvação da humanidade. 

Se eles não conseguem segurar fisicamente a mão de cada pessoa que está morrendo como gostariam, descobrem que, em adoração, podem interceder por cada uma.

Cardeal Sarah

O cardeal destacou que os padres orando sozinhos e celebrando a missa em solidão descobrem que “eles não são principalmente líderes de reuniões ou comunidades, mas homens de Deus, homens de oração, adoradores da majestade de Deus e contemplativos. Eles então medem a imensa grandeza do sacrifício eucarístico, que não precisa de um grande público para produzir seus frutos. Durante a missa, o padre toca o mundo inteiro”, lembrou.

O cardeal Sarah também trouxe conselhos para os fiéis, especialmente para as famílias que passam experimentar “a comunhão dos santos” nesses tempos. Antes de tudo, devem “orar” e se concentrar em Deus: “É importante redescobrir quão precioso pode ser o hábito de ler a Palavra de Deus, recitar o Rosário na família e dedicar tempo a Deus, numa atitude de doação, escuta e adoração silenciosa.”

É hora de redescobrir a oração em família. Está na hora dos pais aprenderem a abençoar seus filhos. Os cristãos, privados da Eucaristia, percebem quanto a comunhão era uma graça para eles. Encorajo-os a praticar a adoração em seus lares, pois não há vida cristã sem vida sacramental. No meio de nossas cidades e aldeias, o Senhor permanece presente. Às vezes, também se pede heroísmo aos cristãos: quando os hospitais pedem voluntários ou quando pessoas isoladas ou sem-teto precisam ser cuidadas.

Cardeal Sarah

O cardeal Sarah disse que muitas pessoas têm dito a ele que “nada será mais o mesmo” quando isso acabar. Ele acrescentou: “Mas tenho medo de que tudo recomece como antes, porque enquanto o homem não se voltar a Deus de todo o coração, sua marcha em direção ao abismo é inevitável. De qualquer forma, podemos ver como o consumismo globalizado isolou os indivíduos e os reduziu ao status de consumidores deixados na selva do mercado e das finanças. A globalização, que eles nos disseram que seria alegre, acabou sendo uma ilusão. Em tempos difíceis, nações e famílias permanecem juntas.

O cardeal também disse que a atual crise mostra que “uma sociedade não pode ser fundada em laços econômicos“. “Estamos despertando novamente a consciência de ser uma nação, com suas fronteiras, que podemos abrir ou fechar para a defesa, proteção e segurança de nosso povo. No alicerce da vida da cidade estão os laços que nos precedem: os da família e a solidariedade nacional. É lindo vê-los ressurgir hoje. É lindo ver os jovens cuidando dos idosos. Alguns meses atrás, houve boatos de eutanásia e algumas pessoas queriam se livrar dos muito doentes e deficientes. Hoje, as nações estão se mobilizando para proteger os idosos.

Infelizmente, isso é uma ilusão, pelo menos na França, onde pacientes com mais de 70 anos não estão recebendo tratamento para problemas relacionados ao coronavírus e correm o risco de receber altas doses dos chamados analgésicos e relaxantes “paliativos” que podem precipitar a morte . Em lares para idosos dependentes, não é dado tratamento para problemas respiratórios relacionados ao COVID-19 e não são permitidas visitas, criando um grande sofrimento para aqueles que não conseguem entender o porquê.

Ele concluiu sua entrevista com uma menção de todo o pessoal médico que é nosso “herói do dia a dia“. “De repente, ousa-se torcer por quem serve os mais fracos. Nosso tempo tinha sede de heróis e santos, mas o ocultava e tinha vergonha disso”, observou.

Seremos capazes de manter essa escala de valores?” ele perguntou. “Seremos capazes de reconstruir nossas cidades com algo que não seja crescimento, consumo e corrida por dinheiro? Acredito que seremos culpados se, ao final desta crise, recorrermos aos mesmos erros. Essa crise mostra que a questão de Deus não é apenas uma questão de convicções privadas, mas também uma questão de fundamento de nossa civilização

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.