Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Jan (John) Hus

28

(New Advent. Traduzido por: Gabriel Gomes) Nascido em Husinetz, sul da Boêmia, 1369; morto em Constança em 6 de julho, 1415.

Ainda em tenra idade foi para Praga onde sustentou-se cantando e servindo nas igrejas. Sua conduta era exemplar e sua devoção nos estudos memorável. Em 1393 ele recebeu o título de Bacharel em Artes da Universidade de Praga e em 1396 o título de Mestre. Foi ordenado sacerdote em 1400 e tornou-se o reitor da universidade. Por volta do mesmo tempo ele foi apontado como pregador na capela recém-erigida de Belém. Hus foi um forte partidário do lado Tchecos, e, por conseguinte, dos Realistas, e ele foi muito influenciado pelos escritos de Wyclif. Apesar de 45 das proposições deste último terem sido rejeitadas pela autoridade eclesial em 1403, Hus traduziu para o Tcheco o “Trialogus” de Wyclif e ajudou na circulação da obra. Do púlpito ele censurava a moral do clero, do episcopado, e do papado, tomando, assim, um parte ativa no movimento da reforma. O Arcebispo Zbynek (Sbinco) não só foi leniente com Hus, mas o favoreceu com uma indicação para ser o pregador no sínodo bienal. Por outro lado, Inocêncio VII ordenou ao arcebispo (24 de junho de 1905) que tomasse medidas contra os ensinamentos heréticos de Wyclif, especialmente a doutrina da empanação da Eucaristia. O arcebispo obedeceu emitindo um decreto sinodal contra esses erros – ao mesmo tempo, ele proibiu qualquer ataque posterior ao clero. No ano seguinte (1406), um documento portando o selo da Universidade de Oxford e elogiando Wyclif foi trazido por dois estudantes boêmios a Praga; Hus leu-o em triunfo do púlpito. Em 1408, Sbinco recebeu uma carta de Gregório XII afirmando que a Santa Sé havia sido informada da disseminação da heresia wyclifita e, especialmente, da simpatia do rei Venceslau pelos sectários. Isso incitou o rei a medidas de acusação e fez a universidade se livrar da suspeita de heresia. No sínodo de junho, foi ordenado que todos os escritos de Wyclif fossem entregues à chancelaria arquidiocesana para correção. Hus obedeceu à ordem, declarando que condenava quaisquer erros que esses escritos contivessem.

Por volta do mesmo tempo, um novo conflito eclodiu nas linhas nacionais. O rei concordou com o plano de “neutralidade” proposto pelos cardeais separatistas no Conselho de Pisa e se esforçou para que fosse reconhecido pela universidade. Os tchecos acataram os desejos dele, mas as outras três “nações” recusaram. O rei então decretou (18 de janeiro de 1409) que nas congregações universitárias os tchecos deveriam ter três votos, e as outras “nações” deveriam ter apenas um voto entre eles. Em consequência, os mestres e estudantes alemães em grande número (5.000 a 20.000) deixaram Praga e foram para Leipzig, Erfurt e outras universidades do Norte. O rei proibiu, então, a comunicação com Gregório XII e procedeu contra os do clero que desrespeitaram a sua proibição. Em consequência, o arcebispo colocou Praga e arredores sob interdição, uma medida que custou a muitos clérigos leais sua posição e propriedade. Hus, que havia se tornado mais uma vez reitor da universidade, foi chamado a prestar contas pelo arcebispo por suas tendências wyclifitas e foi relatado a Roma e com o resultado de  que Alexandre V, em uma bula de 20 de dezembro de 1409, ordenou ao arcebispo que proibisse qualquer pregação exceto em igrejas catedrais, colegiadas, paroquiais e claustrais, e para garantir que os escritos de Wyclif fossem retirados de circulação. Seguindo a Bula, o arcebispo no sínodo de junho de 1410, ordenou que os escritos de Wyclif fossem queimados e restringiu a pregação às igrejas mencionadas acima. Contra essas medidas Hus declama do púlpito e, com seus simpatizantes na universidade, envia um protesto a João XXIII. O arcebispo, em 16 de julho de 1410, excomungou Hus e seus seguidores. Seguro da proteção real, Hus continuou a agitação em favor de Wyclif, mas no final de agosto ele foi convocado a comparecer pessoalmente perante o papa. Ele implorou ao papa que dispensasse a visita pessoal e enviou representantes em seu lugar para defender sua causa. Em fevereiro de 1411, a sentença de excomunhão foi pronunciada contra ele e publicada em 15 de março em todas as igrejas de Praga. Isso levou a novas dificuldades entre o rei e o arcebispo, em consequência das quais este último deixou Praga para se refugiar com o rei húngaro Sigismundo. Mas ele morreu na viagem, 23 de setembro.

Enquanto isso, Hus defendia abertamente Wyclif, posição que manteve especialmente contra John Stokes, um licenciado de Cambridge, que viera a Praga e declarara que Wyclif era considerado herege na Inglaterra. Com não menos veemência, Hus atacou as Bulas (9 de setembro e 2 de dezembro de 1411), nas quais João XXIII proclamou indulgências a todos os que forneceriam fundos para a cruzada contra Ladislau de Nápoles. Tanto Hus quanto Jerônimo de Praga levantaram a universidade e a população contra a comissão papal que fora enviada para anunciar as indulgências, e seus membros, em consequência, foram tratados com todo tipo de indignidade. O relato dessas ações levou as autoridades romanas a tomar medidas mais enérgicas. Não apenas a excomunhão anterior contra Hus foi reiterada, mas sua residência foi colocada sob interdição. Finalmente, o papa ordenou que Hus fosse preso e a capela de Belém destruída. A ordem não foi obedecida, mas no final de 1412 Hus deixou Praga e se refugiou em Austi, no sul. Aqui ele escreveu sua obra principal, “De ecclesia”. Como o rei não tomou nenhuma providência para cumprir o edito papal, Hus voltou novamente a Praga no final de abril de 1414 e afixou nas paredes da capela de Belém seu tratado “De sex erroribus”. Disto e do “De ecclesia” Gerson extraiu uma série de proposições que ele apresentou ao Arcebispo Konrad von Vechta (ex-Bispo de Olmütz) com uma advertência contra seu caráter herético. Em novembro, após a reunião do Concílio de Constança, Hus, instado pelo rei Sigismundo, decidiu comparecer perante aquele corpo e prestar contas de sua doutrina. Em Constança, ele foi julgado, condenado e queimado na fogueira em 6 de julho de 1415. O mesmo destino se abateu sobre Jerônimo de Praga em 30 de maio de 1416.


  • APA citation. Wilhelm, J. (1910). Jan Hus. In The Catholic Encyclopedia. New York: Robert Appleton Company. Retrieved July 6, 2021 from New Advent: http://www.newadvent.org/cathen/07584b.htm
  • MLA citation. Wilhelm, Joseph. “Jan Hus.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 7. New York: Robert Appleton Company, 1910. 6 Jul. 2021 <http://www.newadvent.org/cathen/07584b.htm>.
  • Transcription. This article was transcribed for New Advent by Tomas Hancil.
  • Ecclesiastical approbation. Nihil Obstat. June 1, 1910. Remy Lafort, S.T.D., Censor. Imprimatur. +John Cardinal Farley, Archbishop of New York.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.