parallax background

“Os santos tem sempre razão! É inútil discutir com eles”

10 de dezembro de 2018
E49T03 – O Império Romano e a expansão do Cristianismo
3 de dezembro de 2018
Inocêncio III aprova a regra de vida Franciscana
10 de dezembro de 2018

“Os santos tem sempre razão! É inútil discutir com eles” Padre Pio

Os santos não nasceram santos, foram homens e mulheres iguais a cada um de nós. Não tinham superpoderes, mas a medida em que foram abrindo seus corações para Deus, a medida em que se fizeram dóceis ao Espírito Santo, foram santificando-se e Deus foi os cumulando de graças e dons extraordinários. Os santos foram pessoas comuns que nasceram de um pai e uma mãe e que sentiam medo, frio, dor, tinham fome, sede, mas que em um determinado momento da vida descobriram que Deus é o maior tesouro e que nada faz sentido fora dEle.

Portanto podemos dizer que a vida do santo está dividida em três partes. A vida profana, a vida de santidade e a vida eterna onde hoje estão intercedendo por nós. A vida profana foi aquele período antes de sua conversão. Santo Agostinho, por exemplo, andava com prostitutas, outros santos, não tinham uma vida pecaminosa antes da conversão, mas tinham outros objetivos na vida que não buscar a Deus. A vida de santidade não é um período mágico em que de repente, a pessoa se converteu e agora ela não comete mais nenhum erro, nenhum pecado e vive como um anjinho voando por aí, mas sim uma busca pela santidade.

Um caminhar incansável, uma verdadeira batalha em que a cada dia sobe-se um degrau em direção ao reino dos céus. Quando padre Pio diz que os santos tem sempre razão e que é inútil discutir com eles, logo percebemos que ele não está falando da vida profana. Na vida profana, os santos nem sempre tinham razão. E alguns casos até podemos dizer que sempre estavam errados. Mas, então de qual etapa da vida dos santos, padre Pio está falando? Podemos dizer que das duas últimas. A vida de santidade e a vida na eternidade. Na vida de santidade, os santos deixaram muitos escritos e hoje podemos consultá-los e saber o que pensavam e conhecer seus ensinamentos. Alguns santos são até chamados de doutores da Igreja por causa de seus ensinamentos. Então, quando há uma discussão teológica, recorremos sempre aos ensinamentos dos santos. Quando temos dúvidas sobre a correta interpretação de um determinado trecho bíblico, recorremos aos ensinamentos dos santos. E eles estão sempre certos, não adianta discutir com eles.

Analisando por um lado mais místico, os santos hoje estão nos céus, junto de Deus, portanto como discutiríamos com eles? Através das nossas orações. Se os santos ouvem nossas orações e as levam para Deus, podem também falar conosco diretamente aos nossos corações. E não adianta pedir pra santo Antônio pra casar com um moço rico e bonito, se o santo sabe que isso não é o melhor pra você. O santo conhece a vontade de Deus, pois está junto de Deus, diferentemente de nós que estamos neste vale de lágrimas. Então, não adianta pedir coisas aos santos, quando você mesmo, no fundo do seu coração já sabe que está errado em pedir tal coisa, já sabe que não é isso que Deus quer para a sua vida.

Portanto, sejamos dóceis ao Espírito Santo de Deus e ouçamos a voz dos santos, misticamente ou através de seus escritos e ensinamentos. Não discutamos com eles, mas nos espelhemos na vida deles e os imitemos para progredirmos em nossa vida espiritual e caminharmos em direção à santidade, rumo aos céus, pois afinal de contas, os santos estão sempre certos, diz padre Pio.

Que assim seja.

Amém

Os Cooperadores
Os Cooperadores
Apologética Católica pela Hermenêutica da Continuidade. Apostolado pertencente ao Centro de Estudos São Francisco de Sales, de Itajaí/SC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *