São Francisco de Assis, patrono da ecologia?

152

Ao redor do mundo nosso Seráfico Pai Francisco de Assis é conhecido como patrono da ecologia, não só por andar cantando os louvores do Senhor pelos caminhos, nos bosques e florestas, mas também por seu apreço aos animaizinhos. O que talvez não saibam nossos amados irmãos defensores da natureza é que Francisco era muito mais do que isso. São Francisco amou. E como diz o evangelho escrito por São João, no versículo primeiro do capítulo 13: “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.” Jesus amou os seus e os amou até o fim. Francisco amou todas as criaturas de Deus e as amou até o fim. Não de forma panteísta. Acreditar que tudo é Deus, uma folha, um grilo, uma nuvem, o fogo, a água e etc. É um erro gravíssimo. E logicamente não era assim que nosso Angélico Pai via as coisas. Mas Francisco aprendeu a louvar o Criador através das criaturas e dar a cada uma delas a sua devida importância na criação. Às vezes as crianças nos questionam: Pra que servem as moscas? Pra que servem os pernilongos? Pra que servem as aranhas? Não tem a compreensão de que cada criatura de Deus tem uma função específica na natureza e que se uma determinada espécie fosse eliminada poderia causar um desequilíbrio ecológico enorme.

Nas narrativas do grande biógrafo de Francisco de Assis, Tomás de Celano, não vemos um Francisco apaixonado pela natureza e bitolado andando pelas matas acariciando os bichinhos e sim um Francisco apaixonado por Nosso Senhor Jesus Cristo e obediente a Deus em tudo. Francisco chamava todas as criaturas de Deus de irmãos e não as louvava, muito menos as adorava, terrível heresia de ecologinóides. Louvava sim, a Deus, adorava sim o Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E isso podemos perceber claramente no Cântico do irmão sol. Onde o pobrezinho de Assis vai dizer: Louvado seja meu Senhor por todas as tuas criaturas. Pelo irmão sol, pela irmã lua, pela irmã água, pelo irmão vento, pelo irmão fogo e assim por diante. Louvado seja Deus e não as criaturas.

#DicaCooperadores São Francisco de Assis, por G. K. Chesterton

E podemos observar também que os animais confiavam nele, se aconchegavam nele, o respeitavam, o admiravam e o obedeciam. O obedeciam por que Francisco era a criatura mais obediente da face da terra. E por ser um doutor em obediência mereceu receber de Deus o privilégio de ser também obedecido pelas outras criaturas até mesmo pelo feroz lobo em Gúbio. Quanto mais pelas criaturas pacíficas como os pássaros e os peixes. Ao chamar a atenção dos pássaros e pedir pra que eles silenciem, não é porque quer a atenção para si mesmo, mas porque quer pregar a palavra de Deus.

E nosso seráfico Pai tinha tanto zelo pelas coisas de Deus que exortava todas as criaturas a louvarem o Senhor. Como um irmão mais velho que já aprendeu como o Pai deve ser honrado e respeitado, Francisco ensinava as criaturas todas a louvarem a Deus como vemos no exemplo em que ele fala com os pássaros: “Deus lhes deu um bom lugar entre as suas criaturas e lhes permitiu morar na limpidez do ar, pois embora vocês não semeiem nem colham, não precisam se preocupar porque Ele protege e guarda vocês”

No cântico do profeta Daniel podemos observar algo parecido quando diz: Obras do Senhor, bendizei o Senhor, louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim. E o cântico segue exortando os céus, os anjos, as águas, a lua e o sol, as chuvas e orvalhos, os montes e colinas, as feras e os rebanhos e por fim também os filhos de Israel a louvarem o Senhor. O salmista já dizia: Aplauda o mar com todo ser que nele vive, o mundo inteiro e toda gente! As montanhas e os rios batam palmas e exultem de alegria. Na presença do Senhor, pois ele vem, vem julgar a terra inteira.

E nós, que de criaturas passamos ao status de filhos, nós que somos para Deus mais importantes do que os anjos. As vezes temos a ousadia de dizer que não temos tempo pra louvar a Deus. Que não temos tempo pra ir a Santa Missa, louvar, bendizer, adorar Seu Santo nome, comer de Sua Carne e beber do Seu Sangue.

É hora de despertar. Olhemos para Francisco, o poverello de Assis e encontremos nele o exemplo e a força para louvar a Deus com todas as suas criaturas.

Que assim seja.

Amém.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.