Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Vaticano envia pesquisa extraordinária aos bispos do mundo inteiro

1.387

(The Catholic World Report. Traduzido por Petter Martins) O cardeal Dom Luis Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, escreveu aos presidentes das conferências dos bispos pedindo-lhes que distribuíssem um questionário aos bispos sobre a carta apostólica de 2007 Summorum pontificum, sobre a Forma Extraordinária do Rito Romano.

A Congregação para a Doutrina da Fé pediu aos bispos do mundo inteiro que relatassem como o documento papal que reconhece o direito de todos os padres de celebrar missa usando o Missal Romano de 1962 está sendo aplicado em suas dioceses.

O cardeal Luis Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), escreveu aos presidentes das conferências episcopais em uma carta de 7 de março, pedindo-lhes que distribuíssem um questionário de nove pontos aos bispos sobre a carta apostólica de 2007, Summorum pontificum.

O questionário foi distribuído aos bispos dos EUA em 27 de abril, disse à CNA um porta-voz da conferência dos bispos.

A Conferência Episcopal da Inglaterra e do País de Gales confirmou o recebimento do questionário em 27 de abril e está se preparando para distribuí-lo aos bispos.

Em uma carta de 2007, dirigida aos bispos do mundo inteiro, o Papa Bento XVI explicou que o Summorum Pontificum permitia aos padres oferecer missa de acordo com o Missal de 1962 como uma “Forma Extraordinária” do Rito Romano. O Missal publicado por Paulo VI continuaria sendo a “Forma Ordinária” do Rito, disse ele.

A pesquisa do CDF enviada este ano inclui perguntas como: “Na sua opinião, existem aspectos positivos ou negativos do uso da forma extraordinária?” e “Como o motu proprio Summorum pontificum influenciou a vida dos seminários (o seminário da diocese) e de outras casas de formação?”

O questionário também pergunta se a forma extraordinária responde “a uma verdadeira necessidade pastoral” ou é “promovida por um único sacerdote”.

Pede-se aos bispos que digam se usam pessoalmente o Missal de 1962 e que conselhos ofereceriam sobre a forma extraordinária.

O documento também perguntou se “em sua diocese, a forma ordinária teria adotado elementos da forma extraordinária”.

Em sua carta de apresentação, publicada pela primeira vez pelo site Rorate Caeli, juntamente com a pesquisa, o cardeal Ladaria escreveu: “Treze anos após a publicação do motu proprio Summorum Pontificum, publicado pelo papa Bento XVI, o Papa Francisco deseja ser informado sobre a aplicação atual do documento mencionado”. Ladaria pediu aos bispos que enviassem suas respostas até 31 de julho de 2020.

A pesquisa não é a primeira solicitação da Santa Sé para obter informações sobre a forma extraordinária. Em sua carta de 2007, Bento XVI pediu aos bispos que “enviassem à Santa Sé um relato de suas experiências, três anos após a entrada em vigor deste motu proprio”, em 2010.

A Pontifícia Comissão Ecclesia Dei emitiu posteriormente a instrução Universae Ecclesiae de 2011 , esclarecendo aspectos do Summorum Pontificum.

Joseph Shaw, presidente da Latin Mass Society (Sociedade da Massa Latina) da Inglaterra e do País de Gales, disse à CNA que, em sua opinião, os resultados da pesquisa apontarão um lugar positivo para a forma extraordinária na vida da Igreja.

Em uma declaração, Shaw disse: “Supondo que o CDF receba respostas razoavelmente completas, a comparação de relatórios feitos em 2010 e 2020 mostrará não apenas um crescimento constante no número de celebrações, mas uma integração crescente e serena da forma extraordinária na vida da Igreja, algo atribuível em grande parte à atitude dos próprios bispos.

O que a geração mais velha de bispos mais hostis acreditava é que, com alguns padres e pessoas desanimadas, eles perderiam o interesse, mas isso não aconteceu”, acrescentou.

Pelo contrário, seus sucessores têm quase sempre uma mente mais aberta e, com o passar do tempo, fica mais claro para os padres e leigos mais jovens como os velhos argumentos contra a Forma Extraordinária eram frequentemente baseados numa erudição errada e mal-entendidos teológicos, e que, como o Papa Bento XVI observou, a antiga tradição litúrgica latina continua valendo para as novas gerações”, afirmou Shaw.

Em março, o CDF anunciou que havia emitido dois decretos dando novos prefácios eucarísticos e providenciando a celebração opcional dos santos mais recentemente nomeados na forma extraordinária. O decreto Quo magis forneceu sete novos prefácios eucarísticos para a Forma Extraordinária da Missa, que podem ser usados ​​para ocasiões particulares, como missas votivas ou dias de festa dos santos.

O segundo decreto, Cum sanctissima , estabeleceu uma provisão para a celebração das festas de terceira classe dos santos canonizados após julho de 1960, cujos memoriais foram estabelecidos após o missal romano de 1962.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.