Gollum, o Espelho do Homem

473

(Pe. Dwaight Longenecker. Traduzido por Petter Martins) A primeira metade do meu novo livro Immortal Combat: Confronting the Heart of Darkness explora o que queremos dizer com “o pecado do mundo”. Não são apenas as coisas impertinentes que fazemos mas é uma falha mais profunda… como a Falha de San Andreas (EUA) em comparação com uma rachadura na calçada. Como em San Andreas, a fenda na humanidade é muito funda. Além disso, é oculta, imprevisível e mortal.

No livro, explico como Gollum é distorcido pelo pecado do mundo, e como ele mesmo é a primeira pessoa que acredita nesta mentira distorcida.

Gollum nos mostra o entendimento católico do problema da humanidade com o pecado. A representação do filme de Peter Jackson revela fielmente a profunda compreensão de Tolkien da teia emaranhada em que a humanidade se meteu.

Primeiro observe que Gollum foi distorcido e deformado horrivelmente pelo pecado. Smeagol foi bom uma vez — assim como os outros hobbits felizes — e em todas as cenas do filme de Jackson há um cintilar da bondade de Gollum. Ele nunca é totalmente devorado pelo mal. Mesmo quando ele mergulha nos fogos da Montanha da Perdição, ainda existe um desejo que não está totalmente corrompido.

Não há “depravação total” aqui. A bondade de Gollum é terrivelmente distorcida. A luz está sombreada, mas não extinta. Em minha jornada para a fé católica, a compreensão católica do pecado original foi um grande alívio. Eu fui criado em uma espécie de calvinismo padrão. A Depravação Total foi uma das doutrinas que estavam na base da forma de evangelismo que me ensinaram. Percebo que há explicações da doutrina da Depravação Total que são mais sutis, mas o que ouvi foi: “Você está morto em suas transgressões e pecados. Não há um justo sequer. A tua justiça é como trapos imundos. Você não pode agradar a Deus. Você é totalmente e totalmente depravado. Você é uma pilha de esterco que precisa de neve para cobri-lo.” A conclusão que tirei foi que eu era inútil, e sob julgamento por algo que não tinha escolha, e era impotente para fazer qualquer coisa.

A visão católica do pecado original é que somos criados à imagem de Deus e, embora tenhamos nascido em pecado, a imagem de Deus é ferida, mas não totalmente destruída. Achei essa visão não apenas refrescantemente compassiva, mas também mais fiel ao que percebi ao meu redor. Chesterton diz algo assim em algum lugar: “Às vezes, as coisas são exatamente como parecem. Não há conspiração, conhecimento secreto ou entendimento esotérico.”

Ninguém que eu conheço acorda de manhã e diz: “Agora, deixe-me ver o que posso fazer hoje que é totalmente cruel, perverso e horrível“. A maioria das pessoas percebe seus desejos como bons (mesmo que não sejam bons) e isso significa que eles querem perseguir o bem.

A experiência indica que a maioria das pessoas não é total e totalmente depravada. Eles querem bondade. Eles querem Deus (se soubessem disso) Eles querem Amor, Vida e todas as coisas boas. Ah, sim, continuamos conseguindo o que queremos de maneiras erradas, e muitas vezes nos contentamos com o mero “bom” e com preguiça de buscar “o melhor”. Somos pecadores, com certeza, mas, como Gollum, sempre há um vislumbre de bondade dentro de nós. É isso que Deus vê, e é o que Ele redime, e é o que Ele resgata. Essa é a pequena brasa que ele deseja soprar suavemente com o sopro do Espírito Santo.

Além disso, o ponto de vista católico diz: “Você pode ser amaldiçoado pelo pecado, mas com a graça de Deus, você pode fazer algo a respeito disso. Suas ações são importantes. Suas decisões são importantes. O bem que você faz e o mal que você rejeita importam! Você é responsável. Com a ajuda de Deus, você pode fazer algo sobre o estado de sua alma.”

É por isso que Frodo continua tendo compaixão por Gollum. Ele vê o que Gollum era e o que ainda pode ser. Frodo conhece o terrível poder de corrupção do anel. Ele viu como isso fez de Bilbo um monstro. Ele vê como o anel transformou Smeagol, e ele sente como ele próprio está sendo transformado em um monstro, mas esse conhecimento gera compaixão, não julgamento em seu coração. Ele olha para Gollum com piedade e não com acusação.

É o mesmo conosco. Brilha dentro de nós, ainda que retorcida e deforma, a Imagem de Deus, e Cristo, como Frodo, conhece o fardo que carregamos, e não vê como somos deformados, mas como éramos belos e como ainda podemos ser mais belos.

Ele nos olha com piedade, não com acusação. Louvemos a Deus.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.