Santo Agostinho sobre a Graça e a Predestinação

216

(Por pe. William Most, com o título original: “St. Augustine on Grace and Predestination”. Traduzido por Petter Martins.) Santo Agostinho é chamado, com razão, o Doutor da Graça, por sua grande obra contra os pelagianos, que praticamente negavam a necessidade de graça para a salvação. Agostinho mostrou muito bem nossa total dependência de Deus. Os Padres Orientais não negaram isso, mas não o desenvolveram tão bem.

I. Sobre a interação humana com a Graça: Toda boa obra, mesmo a boa vontade, é a obra de Deus:

“Pois Deus não apenas nos deu nossa capacidade e a ajuda, mas Ele até opera [provoca] o querer e agir em nós; não que não queiramos ou que não ajamos, mas que sem a Sua ajuda não desejamos nem o fazemos nada de bom.” — “Non solum enim Deus posse nostrum donavit atque adiuvat, sed etiam ‘velle et operari operatur in nobis’ non quia nos non volumus, aut nos non agimus, sed quia sine ipsius adiutorio nec volumus aliquid boni nec agimus.”

De gratia Christi 25, 26:

“É certo que faremos quando quisermos; mas Ele faz com que queiramos o bem […] É certo que agimos quando agimos, mas Ele faz com que ajamos, fornecendo poderes mais eficazes à vontade.” — “Certum est nos velle cum volumus; sed ille facit ut velimus bonum… . Certum est nos facere cum facimus, sed ille facit ut faciamus, praebendo vires efficacissimas voluntati.”

De gratia et libero arbitrio 16, 32

“Se então seus méritos são dons de Deus, Deus não coroa os seus méritos como seus méritos, mas como Seus dons.” — “Si ergo Dei dona sunt merita tua, non Deus coronat merita tua tamquam merita tua, sed tamquam dona sua.”

Ibid. 6. 15

“Qual é então o mérito do homem diante da graça pelo qual ele deve receber a graça, uma vez que somente a graça produz todo nosso bom mérito, e quando Deus coroa nossos méritos, Ele coroa nada mais do que Seus próprios dons?” — “Quod est ergo meritum hominis ante gratiam, quo merito percipiat gratiam, cum omne bonum meritum nostrum non in nobis faciat nisi gratia et cum Deus coronat merita nostra, nihil aliud coronet quam munera sua?”

Ep. 154, 5. 16

Por outro lado, na interação da graça com a nossa liberdade, algo lhe falta. Sua teoria é a delectatio victrix: se Deus me mostrar mais prazer em algo bom do que no mal, escolherei o bem. Assim, um burro pobre pode morrer de fome, se colocado a uma distância igual entre dois fardos de feno.

Mas falando sério: seu deleite está na categoria de causa final. Ele não fala de causa eficiente, que certamente é necessária, e que II Coríntios 3, 5 e Filipenses 2, 13 realmente exigem.

II. Sobre predestinação:

A predestinação é um arranjo da Providência para ver alguém se tornar membro pleno da Igreja ou ir para o céu. Todos os primeiros escritores, orientais e ocidentais, tendiam a reduzir os dois. A Escritura fala sempre e somente da predestinação para ser membro pleno da Igreja. Apenas duas passagens, Romanos 8, 9 e o capítulo 1 de Efésios. Em Romanos, todos os capítulos 8, 9, 10, 11 mencionam a predestinação e eles são membros da Igreja. Efésios 1 também. É claro que existem coisas que são implicações relativas à predestinação para o céu.

Pergunta básica: Deus decide predestinar para o céu observando antes os méritos ou deméritos de um homem ou não? Todos no passado deram como certo que se Ele decide predestinar para o céu sem observar os méritos, Ele faz o mesmo com a reprovação para o inferno. Ou então Ele decide ambos conhecendo os méritos e deméritos dos homens de antemão.

Ambas as visões geram consequências impossíveis. Agostinho quer as duas coisas: a predestinação para o céu e a reprovação para o inferno sem que Deus observe os méritos (e deméritos) dos homens. Os orientais, por sua vez, rejeitam a reprovação sem a observação dos deméritos.

Os Padres orientais, absolutamente todos eles, e também ocidentais antes de Agostinho, e mesmo depois dele, viram que não há reprovação, nem mesmo negativa, exceto em consideração de deméritos. Agostinho não viu isso, e a infeliz teoria da massa damnata, que dizia que toda a raça humana pelo pecado original tornou-se uma massa damnata et damnabilis: Deus poderia lançar toda a raça condenada no inferno apenas pelo pecado original, sem esperar por nenhum pecado pessoal.

Deus queria mostrar misericórdia e justiça. Para mostrar misericórdia, Ele escolheu uma pequena porcentagem para resgatar; o resto Ele desertou e assim eles iriam para o inferno.

Ele pensou que Deus escolheu aqueles para resgatar cegamente, sem qualquer consideração de como eles viviam. Ele os escolheu não porque tivesse algum amor por eles, mas apenas para marcar um ponto. Agostinho não viu, mas isso foi uma negação do amor de Deus. Pois amar é desejar o bem para o outro pelo bem do outro. Se eu desejo o bem para o outro não por causa desse outro, mas para algum propósito externo meu, não estou amando essa pessoa, mas usando-a.

Então, nessa teoria, Deus realmente não ama ninguém, Ele apenas usa os poucos para Seus próprios propósitos, não para o bem deles. Portanto, como veremos adiante, ele explicitamente negou várias vezes que “Deus quer que todos sejam salvos” (1 Tm 2, 4). Ele até disse, como logo veremos abaixo, que não significa nada para Deus que a maioria das pessoas estejam condenados, sem chance alguma de salvação.

É claro que Agostinho não percebeu esse fato, ou certamente teria se afastado de sua teoria. Na verdade, como veremos mais adiante, em cerca de seis lugares ele insinua o oposto dessa teoria, quando seu senso da bondade de Deus tomou conta de seu pensamento.

Além disso, ele chegou a essa teoria a partir de uma coleção de razões, principalmente, o fato de que ele não entendeu a passagem de Romanos 8, 29 até o capítulo 11. Ele pensou que tudo se referia à predestinação para o céu ou inferno. (Portanto, dentro dessa estrutura, ele pensou que as palavras de Romanos 9, 13, “Eu amei Jacó e odiei Esaú” significavam que Deus realmente odiava Esaú. E mesmo sem olhar para a vida de Esaú queria condená-lo). Na verdade, São Paulo não fala de tal coisa, mas apenas da predestinação para a plena adesão à Igreja. (Vamos; explique abaixo por que usamos essa palavra “plena”). Por alegoria — sem qualquer suporte no texto ou contexto, ele pensou que na imagem do oleiro em Romanos 9, 19-24, o pedaço de barro na mesa do oleiro significava toda a raça humana, transformada em uma massa damnata et damnabilis pelo pecado original.

São Próspero da Aquitânia costuma ser chamado de grande defensor de Agostinho. Mas ele claramente contradisse Agostinho na massa damnata, três vezes. Por exemplo, em suas Responsiones ad capitula obiectionum Gallorum 3: “[…] por esta razão eles não foram predestinados porque foram previstos como resultado de uma transgressão voluntária […] Pois eles não foram abandonados por Deus para que eles desertaram de Deus; mas eles desertaram e foram abandonados […]”

Como Santo Agostinho chegou a tal posição?

I. Predispondo os Fatores:

A. Tendência a interpretações alegóricas: Ele aprendeu pela primeira vez uma solução para as objeções maniqueístas contra o Antigo Testamento de Santo Ambrósio: (Conf. 6, 4, 6): “Alegremente eu costumava ouvir Ambrósio dizer em seus sermões ao povo, como se ele fosse ensinando com a maior diligência uma regra: ‘A letra mata, mas o espírito vivifica’, quando ele abriu em um sentido espiritual […] aquelas coisas que, tomadas literalmente, pareciam a cada perversidade.” Na verdade, as palavras são de 2 Coríntios 3, 6. Significava que o antigo regime da lei mata espiritualmente, o novo regime do espírito dá vida. (São Paulo quis dizer isso apenas em uma perspectiva focada ou artificial: cf. W. Most, The Thought of St. Paul nesta passagem). Tanto Santo Ambrósio quanto Santo Agostinho estavam completamente errados em sua compreensão dessa linhagem de São Paulo.

B. Sua visão sobre a vontade salvífica: Ele estava predisposto a negar que ela é universal, ou seja, Deus realmente não quer que todos sejam salvos:

  1. Na ordem natural: ele confundiu a linha entre coisas comuns e milagrosas (Sobre o Evangelho de João 6, 1): “Porque […] Seus milagres, pelos quais Ele governa o mundo inteiro […] tornaram-se lugar-comum pela experiência constante […] Ele reservou para Si mesmo certas coisas que realizaria em momentos oportunos, além do curso e ordem normais da natureza, para que aqueles para quem as coisas cotidianas se tornaram comuns pudessem se surpreender ao ver não coisas maiores, mas incomuns.
  2. Na ordem sobrenatural: Houve uma falha semelhante em ver claramente a linha (Sermão 141, 1, 1): “[…] quem ousaria dizer que faltava a Deus uma maneira de chamar, na qual até mesmo Esaú aplicaria sua mente à fé e uniria sua vontade [àquilo] na qual Jacó foi justificado?” I. 5. , Esaú foi reprovado, Deus poderia ter usado meios que teriam salvado Esaú, Ele não o fez. Portanto, Ele não quis a salvação de Esaú! Deus queria condená-lo, e o fez sem sequer olhar para as futuras faltas de Esaú! Agostinho falhou em entender Romanos 9, 13, que estava citando Malaquias. O padrão semítico significava: Ele ama mais um, menos o outro. Além disso, amor aqui significa uma decisão de se tornar um membro pleno da Igreja. Portanto, o erro cometido por Agostinho foi terrível!
  3. Seus comentários reais sobre a vontade salvífica de Deus: (1) Enchiridion 103: “Quando ouvimos e lemos nas Sagradas Escrituras que Ele deseja que todos os homens sejam salvos […] devemos […] então entender [isso] […] como se fosse dito que nenhum homem é salvo exceto aquele que Ele quer [ser salvo][…] Ou certamente foi dito assim […] não que não haja homem a quem Ele não queira salvar, Ele que não quis realizar as maravilhas dos milagres entre aqueles a quem Ele diz que teriam feito penitência se Ele os tivesse feito: mas em de tal forma que entendemos ‘todos os homens’ como significando toda a raça humana, distribuída em várias categorias: reis, cidadãos comuns, nobres, homens comuns, nobres, humildes, eruditos, incultos… .”

“E o que está escrito, está escrito: que ‘Ele deseja que todos os homens sejam salvos’. Mas que nem todos sejam salvos, pode ser entendido de muitas maneiras, das quais mencionamos algumas em outras obras, mas darei uma aqui. É dito de tal maneira […] que todos os predestinados são significados: pois toda a raça humana está neles.”

De correptione et gratia 14. 44

“Que ‘Deus deseja que todos os homens sejam salvos’ pode ser entendido também desta forma: que Ele nos faz desejar [que todos os homens sejam salvos]”

De correptione et gratia 15, 47

“[…] e assim o que é dito, ‘Deus deseja que todos os homens sejam salvos’, embora Ele não queira que todos sejam salvos, é dito por esta razão: que todos os que são salvos, não o são, exceto por Sua vontade.”

Epístola 217, 6, 19

É tragicamente óbvio que Agostinho negou completamente o sentido claro das Escrituras aqui. Além disso, visto que amar é desejar o bem para o outro pelo bem do outro, então quando Deus diz que deseja que todos sejam salvos, isso significa que Ele ama a todos. Agostinho estava negando o amor de Deus, sem perceber, é claro.

II. Primeira ou explícita teoria de Agostinho sobre a predestinação: Massa damnata 

Como dissemos acima, a partir de uma interpretação alegórica de Romanos 9, principalmente dos versículos 19-24, Agostinho disse que toda a raça é como uma massa de barro de oleiro pelo pecado original — todos poderiam ser enviados para o inferno apenas pelo fato do pecado original (crianças que morrem sem batismo são condenadas). Primeiro, não havia e não há suporte para tal interpretação alegórica. Mais importante, ele estava tristemente errado. O pecado original por si só não merece o inferno. Santo Tomás de Aquino sabia disso quando ensinava (De malo 5. 3. ad 4) que os bebês que morrem sem batismo não sofrem nenhuma dor, até mesmo têm felicidade natural. Mais importante: Pio IX em Quanto conficiamur moerore (DS 2866): “Deus… em Sua suprema bondade e clemência, de modo algum permite que alguém seja punido com penas eternas que não tenha culpa de falta voluntária.” Portanto, o pecado original por si só não traz o inferno.

Textos explícitos:

“Portanto, todos os homens são […] uma massa condenada [massa damnata] de pecado, que tem uma dívida de punição com a justiça divina e suprema. Quer [a dívida] seja cobrada, quer seja perdoada, não há injustiça.”

Ad Simplicianum 1, 2, 16

“[…] toda a massa condenada da raça humana jazia em males, ou mesmo rolava neles, e foi precipitada de males em males […].”

Enchiridion 27

“Portanto, há uma massa condenada de toda a raça humana […] de modo que ninguém seria libertado deste castigo justo e devido, exceto por misericórdia e graça indevida; e assim a raça humana é dividida [em duas partes] para que em alguns possa ser mostrado o que a graça misericordiosa pode fazer, em outros, o que a vingança justa pode fazer[…]. Nele [castigo] há muito mais do que na [misericórdia] para que assim se mostre o que é devido a todos.”

Cidade de Deus 21, 12

Ele disse que os réprobos são tão mais numerosos do que os salvos que “por um número incomparável eles são mais numerosos do que aqueles a quem Ele se dignou predestinar como filhos da promessa para a glória de Seu reino; de modo que pelo próprio número daqueles rejeitados , pode ser demonstrado que o número, por maior que seja, dos condenados com justiça não tem importância para um Deus justo […]” O que implica que Deus não deseja que todos sejam salvos: daí a negação explícita de Agostinho, várias vezes, das palavras de 1 Tim 2, 4. Por isso também, como dissemos acima, Deus não ama realmente ninguém: Ele apenas usa alguns para mostrar misericórdia.

Epístola 190. 3. 12

Exclusão de méritos previstos:

“Vamos, então, entender o chamado pelo qual os eleitos são feitos [eleitos]: [eles são] não [pessoas] que são escolhidas porque acreditaram, mas [são pessoas] que são escolhidas para que possam acreditar. Pois até o próprio Senhor deixou isso [chamado] suficientemente claro quando disse: ‘Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós'”.

Sobre a predestinação dos santos 17

COMENTÁRIO: No contexto, Cristo estava dizendo aos apóstolos que Ele os havia escolhido, não que eles O haviam escolhido. Portanto, o texto não tem absolutamente nada a ver com predestinação para o céu ou para o inferno. O erro, tão comum, está em ignorar o contexto do texto.

“[…] Esta é a verdade inabalável da predestinação e da graça. Pois o que mais isso significa, que o Apóstolo diz, ‘Como Ele nos escolheu Nele antes da fundação do mundo.'”

Sobre a predestinação dos santos 17

COMENTÁRIO: No contexto, São Paulo estava falando de predestinação para ser membro pleno da Igreja, não de predestinação para o céu.

“Pois certamente se foi dito [que eles foram escolhidos] porque Deus previu que eles acreditariam, [e] não porque Ele mesmo os faria crentes — o Filho fala contra esse tipo de presciência, dizendo: ‘Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós’. Assim, eles foram escolhidos antes da fundação do mundo por aquela predestinação pela qual Deus previu Seus próprios atos futuros: eles são escolhidos fora do mundo por aquela vocação pela qual Deus cumpriu o que havia predestinado, ‘Porque aqueles que Ele predestinou, eles também Ele chamou […]'”

Sobre a predestinação dos santos 17

COMENTÁRIO: No contexto, todos os capítulos 8, 9, 10 e 11 de Romanos falam apenas de predestinação para membresia plena na Igreja, não de predestinação para o céu.

“Portanto, Deus escolheu os fiéis, não porque já eram [fiéis], mas para que fossem [fiéis]. Assim, ao escolher, Ele os torna ricos na fé, assim como [ele os torna] herdeiros do reino.”

Sobre a predestinação dos santos 17

COMENTÁRIO: Infelizmente, Agostinho toma cada parte da Escritura usada acima fora do contexto, de modo que os textos não provam nada do que ele tem em mente.

“Pois somente a graça distingue os remidos dos perdidos, a quem uma causa comum desde [seu] começo uniu em uma massa de perdição…” COMENTÁRIO: Se a graça, a decisão cega de Deus, por si só é decisiva, chegamos à massa damnata descrito acima. Deve haver, e há, outro fator decidindo quem é salvo ou perdido. Explicaremos isso abaixo.

Enchiridion 99

“Além disso, é maravilhoso em que precipícios eles se lançam, com medo das redes da verdade, quando são pressionados por essas dificuldades. ‘Foi por esta razão’, dizem eles, ‘que Ele odiou aqueles que ainda não nasceram [Esaú] e amou o outro [Jacó] porque previu suas obras futuras.’ Quem não se surpreenderia que esse pensamento tão agudo pudesse faltar ao Apóstolo? … . Este, então, era o lugar para ele dizer o que estes pensam: ‘Pois Deus previu suas obras futuras’, quando disse que ‘o maior serviria ao menor’. ‘ Mas o Apóstolo não disse isso, mas, em vez disso, para que ninguém ouse vangloriar-se dos méritos de suas obras, ele queria que o que dissesse pudesse ensinar a graça e a glória de Deus.”

Epístola 194, 8, 35

COMENTÁRIO: Agostinho está certo ao dizer não é a previsão de méritos que é decisiva — mas ele não viu que a previsão de deméritos poderia ser o fator decisivo. Como conciliar esses dois pontos mostraremos a seguir.

III. Segundo, ou teoria implícita:

Um bom teólogo sabe que os mistérios ocorrem na teologia. Assim, se a partir de diferentes pontos da revelação, ele parece encontrar respostas opostas, e se uma nova verificação não revela um erro de sua parte, ele se sentirá obrigado a segurar as duas pontas da corrente sem saber como elas podem se encaixar (como quando sabemos que há três Pessoas divinas em um só Deus). Assim, Agostinho poderia sustentar, embora apenas implicitamente, uma segunda teoria que contradissesse a primeira. Os elementos dela são estes:

  1. De cima, retemos: (1) A predestinação não depende de méritos. (2) Somos totalmente dependentes de Deus.
  2. Rejeitamos a massa damnata e, em vez disso, substituímos: Deus não reprova exceto depois e por causa de graves deméritos previstos. Todos os Padres Orientais e todos os Padres Ocidentais antes e depois de Agostinho mantiveram esta verdade. Esta posição é compatível com a posição de que a predestinação vem independentemente dos méritos previstos, embora Agostinho não tivesse visto como.

Precisamos ver que na decisão de Deus há três estágios ou momentos lógicos: Primeiro, Deus deseja sincera e veementemente que todos sejam salvos; Em segundo lugar, Ele prevê que alguns resistirão gravemente à graça: por conta dessa resistência e por causa dela, Ele reprova; Em terceiro lugar, Ele decreta salvar os outros, não por méritos (que ainda não estão previstos logicamente — só se se observa a resistência — os méritos vêm depois da ausência de resistência), mas porque Ele sempre quis isso (vontade salvífica) e estes não bloqueiam Sua vontade.

A implicação de Agostinho sobre a reprovação é encontrada em: por exemplo, De diversis quaest. 83, 68, 5: De correptione et gratia 13, 42; De peccatorum meritis et remissione 2, 17, 26; De actis cum Felice Manichaeo 2, 8, que examinaremos agora:

O Problema de uma Segunda Teoria da Predestinação em St. Agostinho

Um teólogo que segue um método teológico preciso primeiro estudará, sob a orientação dos ensinamentos oficiais, todas as passagens da revelação que tenham relação direta ou indireta com seu problema. Ele tentará descobrir a resposta, tanto quanto possível, a partir de cada ponto de partida separadamente. Uma boa comparação seria esta: ele é como um homem parado na borda de um círculo. De cada um dos dois ou mais pontos da borda, ele tenta traçar uma linha que atingirá o centro, a resposta certa. Se ele fez bem o seu trabalho, todas as linhas se concentrarão no centro.

Suponha que ele descubra que duas (ou mais) linhas não se encontram no centro? Ele deve primeiro verificar novamente seu trabalho. Mas então, se elas ainda não se encontrarem, ele não deve forçar nada, mas deve apenas admitir que existem mistérios na teologia e, portanto, deve manter ambas as verdades, ambas as linhas.

Agostinho parece ter feito isso, sem perceber, em seu estudo da graça. Ele chegou, claramente, à teoria errônea da massa damnata de sua má interpretação de Romanos 9. Mas algumas passagens em suas obras parecem implicar que ele sentiu, sem estar totalmente ciente disso, uma segunda linha. Aqui estão as passagens.

“Pois nem todos os que foram chamados quiseram vir àquela ceia, que como diz o Senhor no Evangelho, estava preparada, nem os que vieram poderiam vir se não tivessem sido chamados. E assim também aqueles que vieram não deveriam atribuí-lo a si mesmos; pois eles vieram sendo chamados e aqueles que não quiseram vir atribuíram [isso] a ninguém além de si mesmos, pois, para que eles pudessem vir, eles foram chamados de livre arbítrio.”

Em 88 perguntas diferentes 68, 5

COMENTÁRIO: Compare seu Enchiridion 99: “… somente a graça distingue os remidos dos não-remidos, a quem uma causa comum desde [seu] começo juntou em uma massa de perdição…” [Escrito em 388-98 d.C.] Ao dizer que aqueles que não vieram devem atribuí-lo apenas a si mesmos, ele está se posicionando em oposição a massa damnata, onde a primeira razão para eles não virem não é sua própria vontade, mas a deserção de Deus deles.

“Aqueles, então, que não pertencem a esse número mais certo e mais feliz [dos predestinados] são julgados com mais justiça de acordo com seus méritos. Pois eles estão sob o pecado que contraíram originalmente por geração […] Ou recebem a graça de Deus, mas são temporários e não perseveram: desertam e são abandonados. Pois foram deixados ir por sua livre vontade, não recebendo o dom da perseverança, por um justo e oculto juízo de Deus.”

Sobre correção e graça 13, 42 — 426 d.C.

COMENTÁRIO: Na segunda parte deste texto, ele fala daqueles que foram perdoados do pecado original – portanto, o pecado original não pode ser motivo de reprovação neles. Agostinho dá a razão: “Eles foram deixados ir em seu livre arbítrio por um justo julgamento de Deus. Eles desertam e são abandonados.” Mas na massa damnata a razão seria que Deus primeiro os abandonou, e então eles O abandonaram. Tampouco alguma debilidade remanescente do original pode explicar o que ele diz: essa debilidade está em TODOS os batizados. Portanto, a razão aqui pela qual eles não perseveram é seu próprio livre arbítrio, não a deserção de Deus dentro da massa damnata.

“Os homens não estão dispostos a fazer o que é certo ou porque o fato de que é certo está oculto para eles, ou porque não os agrada. É pela graça de Deus, que ajuda as vontades do homem, que o que estava oculto se torna conhecido, e o que não agradava se torna doce. A razão pela qual eles não são ajudados [pela graça] está em si mesmos, não em Deus, se eles são predestinados à condenação por causa da maldade de seu orgulho, ou se devem ser julgados e corrigidos, ao contrário da maldade de seu orgulho. se eles são filhos da misericórdia.”

Sobre os méritos e a remissão dos pecados 2, 17, 26 — 411 d.C.

COMENTÁRIO: “A razão pela qual eles não são ajudados [pela graça] está neles mesmos, não em Deus.” Ora, se a razão fundamental fosse a deserção de Deus, como na massa damnata, Agostinho teria dito o contrário. Mas ele disse que “a razão pela qual eles não são ajudados está neles mesmos, não em Deus”..

“Felix disse: Você chama Maniqueu de cruel por dizer essas coisas. O que dizer então sobre o que Cristo disse: Ide para o fogo eterno? Agostinho disse: Ele disse isso aos pecadores. Félix disse: Esses pecadores, por que não foram purificados? Agostinho disse: Porque eles não quiseram [isso]. Felix disse: Porque eles não quiseram — você disse isso? Agostinho disse: Sim, eu disse: Porque eles não quiseram.”

O debate com Félix, o Maniqueano 2, 8 — 398 d.C.

COMENTÁRIO: Ele diz que a causa pela qual eles não foram purificados é “porque eles não quiseram”. Se ele realmente quisesse dizer que a primeira coisa era uma deserção de Deus, como em massa damnata, então Félix teria vencido o debate, pois os homens seriam condenados sem nenhuma oportunidade. E Deus seria como o Deus dos maniqueus, que desertou para preparar o caminho para uma vitória que nunca veio.

“‘Eles não foram capazes de acreditar’, já que o profeta Isaías o predisse; e o profeta previu isso, porque Deus havia previsto que isso aconteceria. Mas se me perguntam por que não puderam, respondo rapidamente: Porque não quiseram: Pois Deus previu a má vontade deles, e Aquele de quem as coisas futuras não podem ser escondidas anunciou isso de antemão por meio do profeta. Mas, você diz, o profeta fala de outra causa, não da vontade deles. De que causa o profeta fala? Porque ‘Deus lhes deu um espírito de remorso, olhos para que não vissem e ouvidos para que não ouvissem, cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração’. Eu respondo que a vontade deles mereceu até isso.”

Tratados sobre o Evangelho de São João 53, 6 — 413-18 d.C.

COMENTÁRIO: Ele diz que a causa é a má vontade deles. E então, vendo alguém dizer que aquela má vontade veio da deserção divina, ele acrescenta: “Eu respondo que a má vontade deles mereceu até isso.” Ele poderia querer dizer que eles o merecem pelo pecado original? Então, por que tal processo de palavras, objeções e soluções — seria um engano para seus leitores. — Então, novamente, Agostinho está dizendo que a primeira causa pela qual alguns são reprovados é encontrada na vontade dos homens, não em Deus.

“O Deus misericordioso, querendo livrar os homens, se eles não são inimigos Dele e não resistem à misericórdia de seu Criador, enviou Seu Filho unigênito.”

Ao instruir o ignorante 52 — 399 d.C.

COMENTÁRIO: Novamente, Agostinho ensina que a distinção entre aqueles libertos e os não libertos depende da resistência ou falta dela por parte dos homens.

Objeção: Será que Agostinho mudou de ideia durante um período de tempo? Não, pois os textos que acabamos de citar provêm de todos os âmbitos de sua atividade literária. As datas prováveis são as seguintes:

  • De diversis quaest — Entre 388 e 398
  • De actis cum Felice — 398
  • De peccatorum meritis — 411
  • Trato em Ioannem — Entre 413 e 418
  • De correptione et gratia — 426

Essas datas cobrem toda a extensão da carreira de escritor de Agostinho. Portanto, não há chance de dizer que ele simplesmente mudou sua visão de cedo para tarde. Em vez disso, quando estava desprevenido, quando assumiu seu senso do que é certo, ele insinuou o que é realmente verdadeiro em si mesmo.

III. Uma teoria mais recente usando alguns dos dados acima de Agostinho:

A segunda série de textos mostra que ele admite um poder do homem do lado negativo, o que é decisivo (embora no #1 acima ele exclua o poder do lado positivo).

Portanto, embora ele exclua qualquer poder positivo para o bem da capacidade do homem, e exclua qualquer presciência de méritos da parte de Deus como uma razão para a predestinação, ainda assim ele admite um poder negativo no homem de rejeitar ou não rejeitar.

Qual é o resultado: a predestinação deve ser sem méritos. Mas a reprovação, mesmo negativa, é o resultado de deméritos.

Santo Agostinho então parece ter querido, mesmo que apenas implicitamente, ter essa combinação. Ele não sabia, é claro, como era possível sustentar ambas as coisas, a saber, reprovação dependendo de deméritos e predestinação não dependendo de méritos.

No entanto, podemos fornecer a solução que falta. Há três passos lógicos nas decisões de Deus:

  1. Ele deseja que todos os homens sejam salvos. Agostinho negou isso, mas a Escritura ensina isso, então sustentamos e devemos mantê-lo. Além disso, como desejar a salvação é desejar o bem para o outro, e como o amor consiste em desejar o bem para o outro pelo bem do outro, negar esse primeiro passo seria negar o amor de Deus. O que seria uma blasfêmia. Essa vontade da parte de Deus é extremamente forte, medida por quão longe Ele foi para tornar possível nossa felicidade eterna: a terrível morte de Seu Filho, e Seu compromisso com a aliança pelo preço infinito da redenção para oferecer perdão e graça infinitamente, que é, sem limite, exceto aquele limite estabelecido pela rejeição do homem a ele.
  2. Ele olha — não à frente, pois não há tempo para Deus — para ver quem resiste à Sua graça grave e persistentemente, tão persistentemente que joga fora a única coisa que poderia salvá-lo. Então, infelizmente, Deus decreta deixá-lo ir — reprovação negativa. Esta é a opinião unânime de todos os padres orientais e ocidentais, exceto Santo Agostinho.
  3. Todos os que não foram descartados no passo dois estão positivamente predestinados. Mas não por méritos. Esta é a grande contribuição de Santo Agostinho. Os méritos ainda não foram considerados. Em vez disso, Deus os predestina para o céu porque é isso que Ele quer fazer no passo 1 e ninguém o está impedindo disso.

Apêndice: Destino de Bebês Não Batizados

[Depois de citar Mateus 25 sobre o juízo final] “Em um lugar Ele nomeia o reino; em outro lugar, condenação com o diabo. Não há lugar no meio onde você possa colocar os bebês. Haverá julgamento para os vivos e para os mortos: uns à direita, outros à esquerda: não sei de mais nada”

Sermão 294. 3

“O mais brando de todos será o castigo daqueles que não contraíram senão o pecado original.”

Enchiridion 93

“Mas quando chegamos ao castigo de bebês, acredite, estou em uma situação muito difícil, nem encontro o que poderia responder.”

Epístola 166. 6. 16

Outros:

a) Concordando com Agostinho:

São Fulgêncio, De fide ad Petrum 27. 68

São Gregório Magno, Moralia 9. 21. 32 – No entanto, isso foi escrito como uma pessoa privada, não como Papa.

b) Discordando dele:

São Gregório de Nazianzeno, Orações 40. 23: “Penso que… estes nem são glorificados, nem são punidos pelo Justo Juiz, pois por um lado não foram selados [batizados] mas por outro lado não são maus, mais sofreram uma perda do que um castigo.”

São Gregório de Nissa, Sobre as crianças levadas prematuramente — Pensa-se que aqueles que morrem sem o batismo são aqueles que teriam se perdido pelo pecado se tivessem vivido uma vida plena.

Santo Tomás de Aquino, De malo q. 5. a. 3. ad 4: “As crianças estão perpetuamente separadas de Deus, quanto à perda da glória, que não conhecem, mas não quanto à participação nos bens naturais, que conhecem […] o que eles têm por natureza, eles possuem sem dor.”

Magistério:

1) O Concílio de Florença em 1439, em DS 1306 ensinou: “As almas daqueles que partirem em pecado mortal atual ou apenas em pecado original, vão imediatamente para o reino dos mortos, para serem punidas com penas diferentes”.

COMENTÁRIO: Sobre as duas palavras sublinhadas: “reino dos mortos” é do latim infernus que nem sempre significa o inferno dos condenados. No Credo lemos que Cristo desceu aos infernos. A palavra “punida” tem a raiz do latim poena, que não precisa significar a imposição de dor positiva, mas apenas a perda de algo. Portanto, isso significaria que as crianças que realmente morrem em pecado original recebem a perda da visão de Deus. Isso ignora a questão de saber se Deus, de alguma forma, pode ou não conceder graça a eles, mesmo sem um sacramento. Ele certamente pode fazer isso se assim o desejar. Santo Tomás, em III. 68. 2. c. diz o óbvio, que as mãos de Deus não estão atadas pelos Sacramentos.

2) O Concílio de Pistoia: Um concílio local; tentou ensinar que a ideia de um limbo para crianças não batizadas era uma fábula pelagiana. Pio VI em 1794, no DS 2626 condenou aquele ensinamento [de Pistoia].

3) Pio IX em Quanto conficiamur moerore de 10 de agosto de 1863 (D 2866) disse: “Deus […] em sua suprema bondade e clemência, de modo algum permite que seja punido com penas eternas quem não tem culpa de culpa voluntária”. COMENTÁRIO: Bebês não têm culpa voluntária. Portanto, nenhum inferno para os bebês.

Leonard Feeney (reimpresso em Thomas M. Sennott, They Fought the Good Fight pp. 305-06) citou este texto de Pio IX e disse: “Dizer que Deus nunca permitiria que alguém fosse punido eternamente, a menos que incorresse na culpa de o pecado voluntário é nada menos que o pelagianismo… Se Deus não pode punir eternamente um ser humano que não incorreu na culpa do pecado voluntário, como então, por exemplo, Ele pode punir eternamente bebês que morrem sem batismo?” Feeney chama Pio IX de herege!

4) Catecismo da Igreja Católica: No §1261, depois de explicar cuidadosamente que aqueles que sem culpa não encontram a Igreja, ainda podem ser salvos, cita as palavras de Cristo (Mc 10,14) “Deixai vir a mim os pequeninos, e não os impeçais”, acrescentou: “[isso] nos permite ter esperança de que existe um caminho de salvação para as crianças que morrem sem o batismo.”

ObjeçãoO concílio local de Cartago, em 418, ensinou no Cânon 3 (DS 224): “Alguém diz que […] partiu desta vida sem Batismo […] que seja anátema.” COMENTÁRIO: Este era apenas um concílio local. Alguns de seus cânones foram aprovados pelo Papa Zósimo, e assim ganharam autoridade de ensino universal. Mas a nota nesta seção, logo à frente do DS 222 (DB 101), diz que este texto do DS 224 não foi aprovado, mas sim o texto do DS 225, também chamado de Cânon 3, que não faz menção a crianças. Ele apenas ensina que a graça da justificação conta não apenas para a remissão dos pecados já cometidos, mas também para ajudar a não cometê-los [novamente].

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.