Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Eu sou católico porque a Bíblia me diz para ser

116

(Por Peter Kreeft. Traduzido por Gabriel Gomes)  Todos os cristãos confiam na Bíblia, incluindo (especialmente) o Novo Testamento. Mas a Bíblia me leva à Igreja.

Isso acontece de duas maneiras. Primeiro, a Bíblia me diz que Cristo estabeleceu uma Igreja e deu a ela a Sua autoridade para ensinar em Seu nome.

Então, a Bíblia me envia adiante para a Igreja, de Cristo para Sua Igreja como Sua invenção. A Bíblia também me envia de volta à Igreja, pois a Igreja é a sua causa.

É um fato histórico que foi a Igreja (os apóstolos) que escreveu o Novo Testamento. Foi também a Igreja que definiu seu conteúdo, seu cânone – que nos disse quais livros faziam e quais livros não pertenciam ao cânone sagrado, os livros que foram divinamente inspirados e religiosamente infalíveis e autoritativos. De que outra forma qualquer cristão pode saber que o Evangelho de Tomé e o Evangelho de Judas não fazem parte da Bíblia, parte da infalível revelação divina, e que Tiago, Judas e Apocalipse são? Há uma e apenas uma resposta clara para essa pergunta: pela autoridade da Igreja.

Em outras palavras, a Igreja foi tanto a causa eficiente (o autor) quanto a causa formal (o definidor) do Novo Testamento. Esses são dados históricos. Que essa seja a premissa 1.

Mas nenhum efeito pode ser maior do que sua causa (que é logicamente evidente e indubitável), e o infalível é maior que o falível; portanto, o infalível não pode ser causado pelo falível. Isso é também logicamente evidente. Que essa seja a premissa 2.

Ou a Igreja é falível ou infalível. Isso também é logicamente evidente. Que essa seja a premissa 3.

Portanto, se o Novo Testamento é infalível, a Igreja deve ser infalível, e se a Igreja não é infalível, então o Novo Testamento também não o é. Logicamente, essas são as duas únicas possibilidades, a menos que neguemos os dados históricos (premissa 1) ou uma das suposições evidentes (2 ou3).

Repasse de novo. Se a Igreja é falível, como dizem os protestantes, ela não pode produzir um efeito infalível na Bíblia. E, portanto, se a Igreja é falível, então o Novo Testamento também é falível, como sua causa. Por outro lado, se o Novo Testamento é infalível, tanto como protestantes quanto os católicos dizem, então, a Igreja, que foi sua causa, também deve ser infalível. Só se ela for infalível ela pode produzir um efeito infalível.

Assim, vemos na história o que esperaríamos logicamente: que a maioria dos protestantes das “principais” denominações eventualmente abandonaram a alegação de infalibilidade para o Novo Testamento e abraçaram a teologia modernista ou liberal, pois essa é a conclusão lógica da negação do infalibilidade da Igreja. Mas nunca a Igreja Católica fez isso.

Então, se eu quero ser um cristão ortodoxo e acreditar que a Bíblia é infalível, eu tenho que ser um Católico e crer que a Igreja também tem esse dom divino. Igreja e Escritura andam juntas, como corpo e alma.

Provavelmente ofendi os cristãos modernistas ou liberais no que disse acima sobre a Bíblia. Agora provavelmente vou ofender os cristãos fundamentalistas com o que direi a seguir sobre a Bíblia. Por mim tudo bem. Jesus também ofendeu extremos opostos, partes opostas – os fariseus e os saduceus.

O fundamentalismo nega a natureza humana da Bíblia e o modernismo nega sua natureza divina, assim como o docetismo nega a natureza humana de Cristo e o arianismo nega sua natureza divina. Esse paralelo é mais do que uma coincidência, pois tanto a Bíblia quanto Cristo são chamados de “a Palavra de Deus”.

Aqui está minha ofensa aos fundamentalistas. A Bíblia é infalível em seus ensinamentos religiosos (e que incluem moralidade, que é uma parte essencial da religião para judeus e cristãos), mas não em sua gramática, ciência ou matemática. Deus não nos deu a Bíblia para nos ensinar gramática ou ciência ou matemática. A infalibilidade da Bíblia não se estende a essas coisas. É simplesmente um fato que existem algumas contradições e erros gramaticais, científicos e matemáticos na Bíblia.

Agora, aqui está o ponto, o paralelo entre a Bíblia e a Igreja. A Igreja também é falível em tudo, exceto em seus dogmas religiosos autoritativos. A Igreja ensinou algumas coisas muito estúpidas, como geocentrismo, e fez algumas coisas muito ruins, como a Inquisição, mas não infalivelmente, não com autoridade, não como magistério ou mestrareligioso. Papas cometeram erros, mas não ex cathedra.

Então, mais uma vez, a Bíblia e a Igreja estão juntas. Eles estão no mesmo barco. Cada uma envia você para a outra. Se você quer uma, precisa da outra. Não é sola scriptura.

Mesmo depois que percebi a lógica desse argumento, ainda era difícil para mim superar qualquer uma das minhas crenças protestantes (1) de que a Igreja era falível e (2) de que a Bíblia não era. Mas eu sabia, por razão, que teria de abandonar uma delas. Então, o que era mais certo para mim: que a Igreja era infalível ou que a Bíblia não era?

Minha fé era mais fundamentalmente anticatólica ou pró-Bíblia? Assim que uma pergunta apareceu desse modo, a resposta foi clara. Quando minha fé e minha razão se casaram, produziram um Bebê católico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.