Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

As genealogias de Cristo

160

(Por Jimmy Akin, Catholic Answers. Tradução: Petter Martins) A diferença mais óbvia entre as duas genealogias é que a de Mateus começa com Abraão e avança para Cristo, enquanto a de Lucas começa com Cristo e remonta a Adão.

A próxima diferença óbvia é que ambas as genealogias traçam a linhagem de Jesus até Davi, mas através de filhos diferentes. Mateus tem Cristo descendo de Davi através de Salomão, enquanto Lucas o tem descendo de Davi através de Natã. Isso não é estranho. Davi teve mais de um filho, e um indivíduo posterior pode ser descendente de mais de um deles.

Surge a pergunta, quando as duas linhas se encontraram novamente? A linha de Salomão corre paralela à linha de Nathan até o tempo de Salatiel, quando eles se cruzam. Em Mateus, Salatiel é descrito como o filho de Jeconias, e em Lucas seu pai é dito ser Neri. Como ele pode ter dois pais?

Depois de Salatiel, ambas as genealogias afirmam que Cristo descendia do filho de Salatiel, Zorobabel, que foi governador de Israel após o exílio babilônico. Então eles divergem novamente. Mateus traça a linhagem de Cristo através do filho de Zorobabel, Abiud, enquanto Lucas traça através de um filho diferente, Rhesa. Novamente, isso não é estranho. Zorobabel simplesmente teve mais de um filho, e Cristo era descendente de ambos.

As duas linhas convergem mais uma vez no pai adotivo de Jesus, José. Em Mateus, diz-se que José é filho de Jacó, da linhagem Abiud, enquanto em Lucas diz-se que José é filho de Heli, da linhagem Rhesa. Então, por que se diz que José tem dois pais?

Alguns tentaram responder a isso dizendo que Lucas não dá a linhagem de Jesus através de José, mas através de Maria. Isso não é suportado pelo texto. Lucas afirma que José era filho de Heli, não que Maria era filha de Heli. De qualquer forma, isso não explica os dois pais de Salatiel.

Para explicar essa questão, é preciso saber algo sobre como funcionam as genealogias judaicas antigas. A adoção, seja de uma criança ou de um adulto, era comum e afetava a linha genealógica a que se atribuía. Por exemplo, o fiel espião Calebe era biologicamente filho de um não-judeu chamado Jefoné (Números 32, 12), mas foi adotado na tribo de Judá e atribuído à linhagem de Hezrom (I Crônicas 2, 18).

A adoção pode ocorrer postumamente. O exemplo mais marcante é o que se conhece como casamento levirato (do latim levir = cunhado). Se um homem morresse sem filhos, era dever de seu irmão casar-se com a viúva e gerar um filho em nome de seu irmão. Este filho então seria postumamente “adotado” pelo morto e contado como seu filho na genealogia da família.

A adoção é a explicação mais provável dos dois pais de Salatiel. Jeremias havia profetizado que os descendentes (biológicos) de Jeconias nunca se sentariam no trono de Judá (Jr 22, 30). Assim, a sucessão legal passou para a linha de Natã e Salatiel. Embora biologicamente filho de Neri, Salatiel foi considerado filho de Jeconias para fins da linhagem real. Parece que Salatiel morreu sem filhos e que seu irmão Pedaías cumpriu as obrigações de um irmão e gerou Zorobabel (1 Crônicas 3, 17-19 com Esdras 3, 2, etc.).

Isso resolve o primeiro caso de dois pais. Mas e o pai adotivo de Jesus, José? Aqui temos informações mais diretas. O historiador do século II Júlio Africano, natural de Israel, registra informações dadas pela família remanescente de Cristo em seus dias. De acordo com a genealogia da família, o avô de José, Matthan (mencionado em Mateus), casou-se com uma mulher chamada Estha, que lhe deu um filho chamado Jacó. Depois que Matthan morreu, Estha casou-se com seu parente Melchi (mencionado em Lucas) e deu-lhe um filho chamado Heli (casar parentes era comum entre os judeus neste momento). Jacob e Heli eram, portanto, meio-irmãos. Heli morreu sem filhos, então Jacó se casou com sua viúva e gerou José, que era biologicamente filho de Jacó, mas legalmente filho de Heli (Eusébio, História Eclesiástica 1:6:7).

Existem outras maneiras de reconciliar as genealogias. O problema não é encontrar uma maneira de reconciliá-los, mas – dada a flexibilidade das antigas genealogias hebraicas – descobrir qual é o caminho correto. Mais interessante é porque as genealogias são diferentes. Mateus enfatiza Cristo como o sucessor de Davi e segue a linha dos reis. Lucas enfatiza Cristo como o Filho de Deus e traça a linha de volta para “Adão, o filho de Deus” (Lucas 3, 38).

1 comentário
  1. Gabriel Santos da Rocha Diz

    estou conhecendo agora este trabalho maravilhoso de vcs

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.