Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Livros que quase entraram na Bíblia

287

(Por Jimmy Akin, Catholic Answers. Tradução: Petter Martins) Levou mais de mil anos para que os livros da Bíblia fossem escritos. Depois, levou vários séculos para a Igreja determinar quais dos livros escritos eram Escrituras e quais não eram.

Deus não deu simplesmente à Igreja uma revelação dizendo: “Os seguintes livros e somente os seguintes livros são Escrituras”. Em vez disso, o Espírito Santo guiou a Igreja enquanto conduzia um processo de discernimento. Isso significa que não encontramos um acordo universal inicial sobre os livros das Escrituras. Encontramos clérigos com opiniões diferentes.

Sempre houve um amplo consenso sobre os livros centrais da Bíblia. Todos os cristãos ortodoxos reconheceram obras como os cinco livros de Moisés no Antigo Testamento ou os quatro Evangelhos no Novo Testamento. Também havia amplo acordo sobre os profetas e as cartas de Paulo.

Mas houve debate sobre outros livros. Certos clérigos questionaram ou se opuseram a livros que acabaram sendo incluídos. Alguns tinham reservas sobre sete livros do Antigo Testamento – 1-2 Macabeus, Tobias, Judite, Baruque, Siraque e Sabedoria. Outros tinham reservas sobre sete livros do Novo Testamento — Hebreus, Tiago, 2 Pedro, 2-3 João, Judas e Apocalipse.

Tudo isso acabou sendo incluído na Bíblia, mas havia livros que alguns clérigos primitivos consideravam como Escritura, mas que não encontravam lugar no cânon. Vamos dar uma olhada nesses livros que “quase” entraram na Bíblia. Temos que colocar aspas em “quase” porque o Espírito Santo estava no comando do processo, e Deus sempre sabia quais livros ele havia inspirado e quais não. Mas, no nível humano, houve incerteza sobre o status de certos livros por algum tempo.

O critério de discernimento

O critério que a Igreja primitiva usava para determinar o status de um livro era se ele havia sido transmitido pelos apóstolos como autoritário.

Claro, se um livro foi escrito por um apóstolo, era autoritário. Mas a autoria apostólica não era necessária. Os apóstolos também consideravam os livros do Antigo Testamento como autoritários, então eles contavam como Escritura. Até mesmo certos livros do Novo Testamento que foram escritos por associados dos apóstolos – como Marcos e Lucas – eram considerados de autoridade e assim encontraram um lugar nas Escrituras.

O fato de os apóstolos não terem que escrever um livro levou a diferenças de opinião na Igreja primitiva. Quão distante dos apóstolos um livro tinha que estar antes de não contar como Escritura? Se era um livro ortodoxo escrito na Era Apostólica, isso implicava em consentimento apostólico? Se foi pensado para ser escrito por alguém que conhecia os apóstolos – embora não um companheiro de viagem como Marcos ou Lucas – isso foi suficiente?

Os livros heréticos que foram escritos depois do primeiro século podiam ser reconhecidos como falsos por causa da falsa doutrina que continham. No entanto, os primeiros livros ortodoxos eram outra questão.

O fato de alguns serem considerados Escrituras pelos cristãos ortodoxos ilustra o importante papel que a Igreja desempenhou, sob a orientação do Espírito Santo, na determinação do que pertence à Bíblia. (Para mais informações, veja meu livro A Bíblia é um livro católico.) O que eram esses livros?

A Didaquê

O que é: Um manual da Igreja dando instruções básicas sobre moralidade, sacramentos, oração, oficiais da igreja e profecia.

Quando foi escrito: O Didaquê provavelmente apareceu em mais de uma edição, mas o mais antigo foi claramente escrito quando havia apóstolos e profetas viajantes, porque o documento inclui instruções sobre como diferenciar os verdadeiros dos falsos. Esta edição, portanto, pertence à era apostólica.

Quem pensou que fosse a Escritura: Embora este trabalho fosse popular na Igreja primitiva, a evidência para as pessoas pensarem que era a Escritura é mais fraca do que para alguns outros trabalhos que consideraremos. Clemente de Alexandria (c. 150-c. 215) citou-o e pode tê-lo considerado Escritura (Stromateis 1:20:100:4). Nos anos 300, Pseudo-Cipriano se refere a ela como “Escritura” (De Centesima 14). E no final dos anos 300, o Livro Siríaco dos Passos, ou Liber Graduum, refere-se a ele usando a citação bíblica “está escrito” (7:20).

Por que eles pensaram que era Escritura: A primeira edição desta obra data da Era Apostólica, e o Didache (grego, “ensino”) muitas vezes circulava sob os títulos “O Ensino dos Doze Apóstolos” ou “O Ensino dos Apóstolos”. ”

Por que não está na Bíblia: Muitos na Igreja primitiva duvidavam de sua autoria apostólica. Os títulos sob os quais circulou indicam que é um bom resumo do ensino dos apóstolos, não que tenha sido escrito por eles.

O que dizia: O Didache toca em muitos assuntos relacionados com a moralidade cristã e a disciplina da Igreja. Ele contém uma passagem notável discutindo as formas (plural) em que o batismo foi realizado no primeiro século.

Agora a respeito do batismo, batize assim: Depois de ter revisto todas essas coisas, batize “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” em água corrente. Mas se você não tem água corrente, então batize em alguma outra água; e se não puder batizar em água fria, faça-o em água morna. Mas se você não tiver nenhum, então derrame água na cabeça três vezes “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

(7, 1-3)

1 Clemente

O que é: Uma carta escrita pelo Papa São Clemente I à igreja de Corinto.

Quando foi escrito: Muitos estudiosos pensam que foi escrito na década de 90 d.C., mas um exame cuidadoso do texto sugere que foi escrito na primeira metade de 70 d.C., após o desastroso “ano dos quatro imperadores” em 69, mas antes da destruição do templo em agosto de 70.

Quem pensou que era Escritura: Aparentemente, algumas pessoas. Eusébio observa que esta carta foi “lida publicamente para benefício comum, na maioria das igrejas” (História da Igreja 3:16), e por causa de sua origem primitiva “é provável que isso também tenha sido numerado com os outros escritos dos apóstolos” (3:38). No início dos anos 400, foi incluído no Codex Alexandrinus, uma importante cópia da Bíblia.

Porque eles pensavam que era Escritura: Clemente era um homem que viveu na era apostólica e que aparentemente conhecia e era aprovado pelos apóstolos Pedro e Paulo. Ele era frequentemente considerado o Clemente que Paulo menciona em Filipenses 4:3 (História da Igreja 3:15), e as primeiras tradições indicam que ele foi ordenado pelo menos ao sacerdócio por São Pedro. Alguns até sustentavam que ele era o sucessor imediato de Pedro como papa. São Jerônimo observa que “a maior parte dos latinos pensa que Clemente foi o segundo depois do apóstolo” (Vidas de Homens Ilustres 15:1).

A carta tem grande mérito literário e é frequentemente comparada em estilo ao livro de Hebreus. De fato, no início dos anos 200, Orígenes conhecia uma tradição que sustentava que Clemente era o autor de Hebreus (História da Igreja 6:25:14), o que seria outra razão para pensar que a carta poderia ser Escritura.

Por que não está na Bíblia: Apesar de seus méritos consideráveis, seu longo uso nas igrejas e a conexão de Clemente com os apóstolos, poucos clérigos chegaram a considerá-lo como Escritura. Assim, na lista de livros aprovados, contestados e rejeitados que Eusébio fez no início dos anos 300, ele não mencionou “1 Clemente”.

O que dizia: Clemente escreveu porque os coríntios apelaram à Igreja de Roma para resolver uma disputa em sua comunidade. Uma facção havia expulsado os líderes devidamente ordenados da igreja, e Clement argumentou que eles precisavam ser reintegrados. Isso aparentemente aconteceu, porque a carta de Clemente foi guardada e lida em Corinto por muitos anos.

O livro contém vários pontos de interesse, incluindo a mais antiga referência sobrevivente aos martírios dos Santos. Pedro e Paulo:

Houve Pedro que, por causa do ciúme injusto, suportou não uma ou duas, mas muitas provações, e assim, tendo dado seu testemunho, foi para o lugar de glória que lhe foi designado. Por causa do ciúme e da contenda, Paulo, pelo seu exemplo, indicou o caminho para o prêmio da perseverança paciente. Depois de sete vezes acorrentado, levado ao exílio, apedrejado e pregado no Oriente e no Ocidente, ele conquistou a glória genuína por sua fé, tendo ensinado a justiça a todo o mundo e alcançado o limites mais distantes do Oeste. Finalmente, quando ele deu seu testemunho diante dos governantes, ele deixou o mundo e foi para o lugar santo, tornando-se um exemplo notável de perseverança paciente.

(5: 4-7)

A Carta de Barnabé

O que é: Um documento antigo que oferece uma interpretação espiritual da lei e dos costumes judaicos e como eles são cumpridos em Cristo e na Igreja.

Quando foi escrito: Pouco depois da destruição do templo de Jerusalém (cap. 16), talvez por volta de 75 d.C.

Quem pensou que era Escritura: Por volta de 200, Clemente de Alexandria considerou isso Escritura (História da Igreja 6:14). Nos anos 300, também foi incluído na importante Bíblia conhecida como Codex Sinaiticus.

Por que eles pensaram que era Escritura: Barnabé era um companheiro dos apóstolos (Atos 4:36), incluindo Paulo, e Lucas até descreve Barnabé como um apóstolo (Atos 14:14).

Além disso, por volta de 200 d.C., Tertuliano registrou uma tradição de que o livro de Hebreus foi escrito por Barnabé (Sobre a modéstia 20), o que forneceria uma razão adicional para pensar que a “Carta de Barnabé” poderia ser a Escritura.

Por que não está na Bíblia: Barnabé foi um apóstolo de menor categoria. Além disso, a carta não alega ter sido escrita por ele (seu nome é encontrado apenas no título), o que pode ter gerado dúvidas sobre sua autoria. Eusébio lista esta carta entre os livros “rejeitados” pela maioria dos cristãos ortodoxos em seus dias como Escritura (História da Igreja 3:25). São Jerônimo aparentemente pensou que foi escrito por Barnabé, mas, no entanto, não era Escritura (Vidas de Homens Ilustres 6). Os estudiosos de hoje geralmente não pensam que foi escrito pelo Barnabé bíblico.

O que dizia: Há muitas coisas fascinantes nesta carta, mas estou pessoalmente feliz por não estar nas Escrituras. Ao alegorizar vários mandamentos do Antigo Testamento, o autor faz várias declarações cientificamente imprecisas que eu não gostaria de ter que explicar como apologista. Considerar:

“Você não deve comer a lebre.” Por quê? Não se torne, [Moisés] quer dizer, alguém que corrompe os meninos, ou mesmo se assemelhe a essas pessoas, porque a lebre cresce outra abertura a cada ano e, portanto, tem tantos orifícios quantos anos.

Novamente, “Nem você deve comer a hiena”. Não se torne, ele quer dizer, um adúltero ou sedutor, nem mesmo se assemelhe a essas pessoas. Por quê? Porque esse animal muda de natureza de ano para ano e se torna macho uma vez e fêmea outra.

Mas ele também odiava a doninha, e com razão. Não se torne, ele quer dizer, como aqueles homens que, ouvimos, com intenção imoral fazem coisas com a boca que são proibidas, nem se associe com aquelas mulheres imorais que fazem coisas com a boca que são proibidas. Pois este animal concebe pela boca.

(10: 6-8)

O Pastor de Hermas

O que é: Uma coleção de visões de um homem simples e sincero chamado Hermas que era um ex-escravo que vivia em Roma.

Quando foi escrito: Embora às vezes erroneamente datado de meados do século II, Hermas viveu durante o tempo do Papa São Clemente I (“O Pastor”, Visão 2:4 [8:3]). Ele começou a receber as visões talvez por volta de 80 d.C..

Quem pensou que era Escritura: Por volta de 175 d.C., Santo Irineu de Lyon a descreveu como “Escritura” (Contra as Heresias 4:20:2). Mais ou menos na mesma época, Clemente de Alexandria usou repetidamente a obra e disse que foi escrita “por inspiração divina” (Stromateis 1:29:181:1). No início dos anos 200, Orígenes também se referiu a ela como Escritura, embora dissesse que “não era reconhecida por todos como divina” (Comentário sobre Mateus 14:21). Nos anos 300, foi incluído no Codex Sinaiticus.

Por que eles pensaram que era Escritura: É uma obra de profecia que data do primeiro século. Além disso, muitos na época acreditavam que Hermas era o homem a quem Paulo cumprimenta em Romanos 16:14.

Por que não está na Bíblia: Quase todos os autores da Igreja primitiva que mencionaram “O Pastor” tinham uma boa opinião sobre ele e o consideravam valioso para leitura particular, mesmo aqueles que não o consideravam como Escritura. Por fim, este último veio a ser a maioria, e Eusébio o lista entre os livros “rejeitados” pela maioria dos cristãos ortodoxos em seus dias como Escritura (História da Igreja 3:25).

O que dizia: “O Pastor” é surpreendentemente longo para um livro deste período. Suas visões tratam da virtude, do perdão e da necessidade de arrependimento. Um tema central do livro é que o arrependimento e o perdão são possíveis para os cristãos que pecaram. Uma figura importante nas visões é um anjo que aparece a Hermas vestido como um pastor e assim dá ao livro seu título. Ele é identificado como “o anjo do arrependimento” (Visão 5 [25:7]).

Depois de ter orado em minha casa e sentado na minha cama, veio um homem de aparência gloriosa, vestido como um pastor, com uma pele branca enrolada em volta dele e com uma bolsa nos ombros e um cajado na mão. Ele me cumprimentou, e eu o cumprimentei de volta. Ele imediatamente se sentou ao meu lado e me disse: “Fui enviado pelo santíssimo anjo para viver com você o resto dos dias de sua vida”.

(Visão 5 [25:1-2])

O Apocalipse de Pedro

O que é: Uma série de revelações supostamente dadas por Cristo a São Pedro.

Quando foi escrito: Provavelmente entre 132-135 d.C., durante a rebelião sob o líder judeu Simon bar-Kokhba, que provavelmente é o falso Cristo discutido em 2:7-9 do “Apocalipse”.

Quem pensou que fosse Escritura: Por volta de 200, Clemente de Alexandria se referiu ao “Apocalipse de Pedro” como Escritura (Eclogae Propheticae 41) e o atribui a Pedro (48-49). O Fragmento Muratoriano, um trabalho antigo datado entre o final do segundo e o quarto século, aceita os Apocalipses de João (ou seja, o livro do Apocalipse) e Pedro como Escritura, mas reconhece que “alguns de nós não estão querendo que este último seja ler na igreja.” Outros clérigos primitivos também o apoiaram.

Por que eles pensaram que era Escritura: É um trabalho inicial que afirma preservar as palavras de São Pedro.

Por que não está na Bíblia: Muitos reconheceram que não era realmente de Pedro – que a tradição que apoiava sua autoria apostólica não era forte o suficiente. Assim, no início dos anos 300, Eusébio o incluiu entre os livros “rejeitados” pela maioria dos cristãos ortodoxos de seu tempo como Escritura (História da Igreja 3:25).

O que dizia: O livro contém profecias sobre Israel, bem como descrições do inferno e do céu. Suas descrições dos castigos dos condenados são particularmente vívidas, mas o livro também contém uma descrição das bênçãos dos justos. Conclui com um relato da ascensão de Cristo:

Uma grande nuvem muito branca veio acima de nós e pegou nosso Senhor, Moisés e Elias. Eu tremi e fiquei apavorado. Vimos como este céu se abriu e homens com corpos físicos vieram para receber nosso Senhor, Moisés e Elias. Eles foram para o segundo céu. Cumpriu-se a palavra da Escritura: “Esta geração o espera; procura a face do Deus de Jacó”.

Houve grande admiração e espanto no céu. Os anjos se reuniram para cumprir a palavra das Escrituras: “Abri as portas, ó príncipes”. Então este céu, aquele que havia sido aberto, foi fechado.

Oramos e, ao descermos da montanha, louvamos a Deus que escreveu os nomes dos justos no livro da vida no céu.

(17:2-7)

Como a Bíblia se uniu

Muitos na comunidade protestante acham difícil imaginar a Igreja existindo por séculos sem uma lista fechada e fixa dos livros da Bíblia. Isso se deve ao princípio protestante da sola scriptura – a ideia de que a doutrina cristã deve ser determinada “somente pelas Escrituras”. Se você usa sola scriptura, então há uma necessidade urgente de conhecer os limites precisos do cânone.

Se você não tem certeza sobre o status de um livro, você não sabe se ele tem autoridade para doutrina ou não. Você pode errar em qualquer um dos extremos: ignore as declarações que Deus pretendia ser autoritária ou trate algo como autoritário quando não é.

Mas a Igreja primitiva não empregou sola scriptura. Em vez disso, os cristãos usaram os mesmos princípios para formular doutrinas que foram usadas desde a Era Apostólica: Sim, as Escrituras tinham autoridade, mas também era a Tradição que Cristo e os apóstolos haviam transmitido – e pode-se confiar no Magistério divinamente guiado da Igreja para resolver os casos de litígio. Portanto, os cristãos pré-Reforma não sentiam urgência em conhecer o status exato dos livros menores.

No início dos anos 300, o bispo Eusébio de Cesaréia escreveu sua famosa História da Igreja na qual descreveu o estado de pontos de vista em seus dias (História da Igreja 3:25:1-6 com 3:3:5-6). Ele dividiu os livros em várias categorias: aqueles que os cristãos ortodoxos aceitaram, contestaram ou rejeitaram.

Mais tarde naquele século, as fronteiras do cânone eram mais firmes. Em 382, ​​o Papa Dâmaso I realizou um concílio em Roma que ensinou essencialmente o mesmo cânon que os católicos têm hoje. O Papa Inocêncio I afirmou esta lista em 405 d.C., e foi endossada por vários concílios locais, incluindo Hipona em 393 e Cartago em 397 e 419. O cânon tradicional continuou a ser afirmado ao longo da história, como no Concílio de Florença em 1442.

Quando os reformadores protestantes iniciaram uma grande controvérsia sobre a autoridade de certos livros, a necessidade de definir o cânon tornou-se mais urgente, e em 1546 o Concílio de Trento definiu infalivelmente quais livros a Igreja considera sagrados e canônicos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.