citadelofporn.com
bestporn4you.com innocent schoolgirl gets rammed.
www.sexshmex.com sweet chick gets her mouth stuffed with a giant male rod.

O desenvolvimento de um dogma

163

O livro de Hebreus começa com a afirmação de que Deus se comunicou com nossos antepassados de muitas maneiras através dos profetas. Isso foi feito de maneira fragmentada, usando várias figuras e símbolos. Os ensinamentos religiosos não foram entregues ao homem de forma completa e indexada, como se fosse uma obra teológica. Pelo contrário, eles tiveram que ser vividos e refletidos na vida litúrgica da igreja antes de serem compilados pelos Padres e pelos concílios ecumênicos. Foi assim que a Igreja adquiriu uma compreensão cada vez mais profunda do depósito da fé que foi entregue “uma vez por todas” por Cristo e pelos apóstolos (ver Judas 3).

Os protestantes, especialmente os fundamentalistas e evangélicos, concordam com esse ponto de vista. Eles reconhecem que houve um desenvolvimento real na doutrina ao longo do tempo. Houve uma mensagem inicial, muito nebulosa na Queda, e depois uma explicação progressivamente mais completa dos ensinamentos de Deus enquanto Israel era preparado para o Messias, até que os apóstolos fossem instruídos pelo próprio Messias. Jesus disse aos apóstolos que, no Antigo Testamento, “muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes e não viram, e ouvir o que ouvis e não ouviram” (Mateus 13, 17).

Mantenha-se firme no que foi ensinado

Embora a revelação pública tenha cessado após a morte do último apóstolo sobrevivente, João, por volta de 100 d.C., os cristãos acreditam que isso não significa que não haja progresso na compreensão do que foi confiado à Igreja. Cristo cumpriu a lei do Antigo Testamento (Mateus 5, 17) e é o mestre supremo da humanidade: “Um só mestre tens, o Messias” (Mateus 23, 10). Os apóstolos reconheceram que sua tarefa era transmitir, intacta, a fé que lhes foi dada pelo Mestre: “[E] o que você ouviu de mim diante de muitas testemunhas, confie a homens fiéis que também possam ensinar a outros” (2 Tim. 2, 2); “Mas, quanto a você, continue naquilo que aprendeu e tem acreditado firmemente, sabendo de quem o aprendeu” (2 Timóteo 3, 14).

Em resumo, embora a doutrina tenha sido entregue de uma vez por todas, isso não significa que a compreensão da doutrina não possa evoluir ao longo do tempo. A Igreja continua a refletir sobre a mensagem que lhe foi confiada e aprofundar sua compreensão da verdade revelada.

Vaticano II sobre o Desenvolvimento da Fé

É fundamental compreender que a Igreja não pode e nem deve mudar as doutrinas que Deus lhe concedeu, nem inventar novas para acrescentá-las ao depósito da fé que foi entregue aos santos uma vez por todas. Novas crenças não são criadas, mas sim esclarecidos os equívocos e mal-entendidos em relação ao depósito da fé.

O Vaticano II explica: “A tradição que vem dos apóstolos se desenvolve na Igreja com a ajuda do Espírito Santo. Pois há um crescimento na compreensão das realidades e palavras que foram transmitidas. Isso acontece através da contemplação e do estudo dos fiéis, que guardam essas verdades em seus corações, através de uma compreensão profunda das realidades espirituais que experimentam, e através da pregação daqueles que, através da sucessão episcopal, receberam o dom seguro da verdade. À medida que os séculos passam, a Igreja continua a avançar em direção à plenitude da verdade divina, até que as palavras de Deus alcancem sua realização completa nela” (Dei Verbum 8).

Ao lermos as Escrituras, encontramos doutrinas que já conhecemos, pois já fomos instruídos na fé antes de pegarmos o texto sagrado. Isso é um processo necessário, como as Escrituras indicam. Pedro explicou: “Há algumas coisas difíceis de entender nas cartas de Paulo, que os ignorantes e instáveis torcem para sua própria destruição, assim como fazem com as outras escrituras” (2 Pedro 3, 16). Aqueles que são ignorantes da doutrina cristã ortodoxa porque nunca a aprenderam, ou que são instáveis em sua adesão à doutrina ortodoxa que aprenderam, podem distorcer os escritos de Paulo e o restante das Escrituras para sua própria destruição. Portanto, é importante que leiamos as Escrituras dentro do contexto da tradição constante da Igreja, transmitida pelos apóstolos na Igreja Católica.

Às vezes, quando lemos as Escrituras em busca de ensinamentos autênticos dos apóstolos, podemos esquecer que algumas doutrinas centrais, como a Trindade e a união hipostática, não eram compreendidas tão claramente nos primeiros dias da Igreja como são agora. Um exemplo disso é a divindade do Espírito Santo, que pode não ter sido tão claramente presente nas Escrituras para os pagãos antigos ou para não-cristãos de hoje. No entanto, com a ajuda da tradição apostólica e da autoridade de ensino da Igreja guiada pelo Espírito Santo, podemos compreender esses ensinamentos mais profundamente e discernir erros como a heresia do monotelismo.

O monotelismo afirmava que Cristo tinha apenas uma vontade divina, mas não uma vontade humana. Esse erro surgiu porque as pessoas ainda não haviam compreendido claramente que Cristo, sendo totalmente Deus e totalmente homem, deve ter duas vontades, uma divina e outra humana. Embora esse ensinamento tenha sido compreendido há eras, a questão nunca havia sido levantada antes.

Outro exemplo é a doutrina da transubstanciação, que sempre foi acreditada pela Igreja, mas cujo significado exato foi compreendido com mais clareza ao longo do tempo. A Eucaristia é prometida por Jesus no sexto capítulo do Evangelho de João, e os relatos da Última Ceia deixam claro que o pão e o vinho são transformados no corpo e sangue reais de Cristo. Embora a Bíblia deixe claro que essa mudança acontece, não explica como isso acontece.

Em suma, ao ler as Escrituras, é importante lembrar que alguns ensinamentos podem não ter sido tão claramente compreendidos nos primeiros dias da Igreja como são agora, e é graças à tradição apostólica e à autoridade de ensino da Igreja guiada pelo Espírito Santo que podemos compreender esses ensinamentos mais profundamente.

O termo técnico teológico “transubstanciação” foi formalmente adotado pela Igreja Católica durante o IV Concílio de Latrão em 1215. Embora não fosse uma nova doutrina, a Igreja definiu, de forma precisa, o que sempre ensinou sobre o assunto para excluir explicações incorretas propostas ao longo dos anos. Devido à reflexão sobre o significado da Presença Real de Cristo na Eucaristia e as implicações dessa doutrina, surgiram disputas que exigiam uma definição formal da Igreja.

Essa necessidade de discernimento claro indica a importância da infalibilidade e inspiração. O papa e os bispos (quando ensinam em união com ele) possuem o carisma da infalibilidade ao definir questões de fé ou moral. No entanto, a infalibilidade funciona apenas negativamente, impedindo-os de ensinar falsidades, mas não forçando-os ou instruindo-os a ensinar verdades. Eles não são inspirados da mesma forma que os autores das Escrituras ou profetas.

Para fazer uma nova definição ou esclarecer uma confusão dogmática, eles devem usar a razão humana e estudar profundamente as Escrituras. Eles não têm acesso a atalhos proféticos e devem mergulhar no estudo das palavras que Deus já nos deu. Eles aprendem as coisas da mesma forma que nós e não podem ensinar o que não sabem.

Em resumo, a transubstanciação não é uma nova doutrina, mas uma definição precisa do que sempre foi ensinado pela Igreja Católica. A infalibilidade dos líderes da Igreja funciona negativamente para evitar ensinamentos falsos, e eles devem usar a razão humana e o estudo das Escrituras para esclarecer questões dogmáticas.

Ideias pagãs?

Os fundamentalistas argumentam que o que os católicos chamam de “desenvolvimento” na verdade é um acúmulo de crenças e ritos pagãos ao longo dos séculos. Eles afirmam que a Igreja Católica não refinou o depósito original da fé, mas sim adicionou a ele elementos externos. Na busca por aumentar o número de membros, especialmente nos primeiros séculos, a Igreja admitiu a entrada de quase todos, adotando formas pagãs para encorajar os pagãos a se converterem. Cada vez que a Igreja fez isso, argumentam os fundamentalistas, ela se afastou do verdadeiro cristianismo.

Por exemplo, o Natal é uma festa que os fundamentalistas estritos não observam, não apenas porque o nome “Missa de Cristo” é inescapável. Alguns desaprovam porque não há prova de que Cristo nasceu em 25 de dezembro, enquanto outros argumentam que ele não poderia ter nascido no inverno porque os pastores não colocariam suas ovelhas nos campos durante essa estação. Essas considerações, no entanto, são secundárias em relação às verdadeiras razões pelas quais muitos fundamentalistas se opõem à celebração do Natal.

A principal razão é que a festa do Natal foi estabelecida pela Igreja Católica, o que para eles é ruim o suficiente. Além disso, a Igreja forneceu a celebração do nascimento de Cristo como uma alternativa à celebração de um feriado pagão ocorrendo ao mesmo tempo. Para os fundamentalistas, isso é um exemplo de como a Igreja Católica se afastou do verdadeiro cristianismo ao adotar práticas pagãs.

Embora os fundamentalistas possam objetar, há uma base bíblica para essa prática. Na Festa Judaica dos Tabernáculos, que substituiu uma antiga festa cananita, e no Natal, que coincidiu com a celebração do Sol Invictus pelos não-cristãos, vemos o princípio de oferecer uma alternativa saudável a uma celebração popular, mas prejudicial. Essa abordagem é adotada pelas igrejas protestantes que substituem a comemoração do Halloween por celebrações como o “Dia da Reforma” ou o “festival da colheita”. É importante notar que o Natal tem suas raízes na oposição ao paganismo, e aqueles que acusam a Igreja Católica de ter “origens pagãs” estão equivocados.

Paulo e a Tradição Apostólica

A rejeição da tradição apostólica pelos fundamentalistas é mais preocupante do que sua oposição ao desenvolvimento das tradições humanas, como a celebração do nascimento de Cristo. Enquanto as tradições humanas podem ser boas ou más, elas não têm a importância da tradição apostólica, que transmite a revelação de Deus e é essencial para o correto desenvolvimento da doutrina.

Os católicos reconhecem que a revelação pública terminou com a morte do último apóstolo. No entanto, a parte não escrita da revelação – o ensinamento oral inspirado dos apóstolos (1 Tessalonicenses 2, 13) e suas interpretações obrigatórias das Escrituras do Antigo Testamento que formam a base da Tradição sagrada – é aceita pelos católicos. Eles seguem o mandamento de Paulo em 2 Tessalonicenses 2, 15 e 1 Coríntios 11, 2 para “permanecer firmes e manter as tradições que foram ensinadas por nós, seja por palavra, seja por carta”.


Conteúdo inspirado nos Tracts disponibilizados em catholic.com.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

cock sucking aino on cam.https://onlyragazze.com sesso videos sexual healing with two catholic nuns.