Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Os Pilares da Descrença: Sartre

158

(Por Peter Kreeft — Integrated Catholic Life. Traduzido por Gabriel Gomes) Jean-Paul Sartre pode ser o ateu mais famoso do século XX. Como tal, ele se qualifica para a pequena lista de “pilares da incredulidade” de qualquer pessoa.

No entanto, ele pode ter feito mais para levar aqueles que gostam de ficar em cima do muro à fé do que a maioria dos apologistas cristãos. Pois Sartre fez do ateísmo uma experiência tão exigente, quase insuportável, que poucos podem suportá-la.

Os ateus confortáveis ​​que o leem tornam-se ateus desconfortáveis, e o ateísmo desconfortável é um passo gigantesco para mais próximo de Deus. Em suas próprias palavras, “o existencialismo nada mais é do que uma tentativa de extrair todas as consequências de uma posição ateísta coerente”. Por isso devemos ser gratos a ele.

Ele chamou sua filosofia de “existencialismo” por causa da tese que diz que “a existência precede a essência”. O que isso significa concretamente é que “o homem nada mais é do que aquilo faz de si mesmo”. Já que não há Deus para projetar o homem, o homem não tem projeto, nenhuma essência. Sua essência ou natureza não vem de Deus como Criador, mas de sua própria livre escolha.

Há um insight profundo aqui, embora seja imediatamente subvertido. O insight é o fato de que o homem, por meio de suas escolhas livres, determina quem ele será. Deus realmente cria o que todos os homens são. Mas o indivíduo molda sua própria individualidade única. Deus faz o nosso quê, mas nós fazemos o nosso quem. Deus nos dá a dignidade de estarmos presentes em nossa própria criação, ou co-criação; Ele nos associa a Si mesmo na tarefa de co-criar a nós mesmos. Ele cria apenas a matéria-prima objetiva, por meio da hereditariedade e do ambiente. Eu a moldo na forma final de mim mesmo por meio de minhas escolhas livres.

Infelizmente, Sartre afirma que isso refuta Deus, pois se Deus existisse, o homem seria reduzido a um mero artefato Dele e, portanto, não seria livre. Ele constantemente argumenta que a liberdade e dignidade humanas exigem o ateísmo. Sua atitude é como a de um cowboy em um faroeste, dizendo a Deus como diz ao cowboy inimigo: “Esta cidade não é grande o suficiente para nós dois. Um de nós tem que sair. ”

Destarte, a preocupação legítima de Sartre com a liberdade humana e sua visão de como ela torna as pessoas fundamentalmente diferentes de meras coisas, o leva ao ateísmo porque (1) ele confunde liberdade com independência, e porque (2) o único Deus que ele pode conceber é aquele que tira a liberdade humana em vez de criá-la e mantê-la – uma espécie de fascista cósmico. Além disso, (3) Sartre comete o erro adolescente de igualar liberdade a rebelião. Ele diz que a liberdade é apenas “a liberdade de dizer não”.

Mas esta não é a única liberdade. Também existe a liberdade de dizer sim. Sartre cria que comprometemos nossa liberdade quando dizemos sim, quando optamos por afirmar os valores que nos foram ensinados por nossos pais, nossa sociedade ou nossa Igreja. Portanto, o que Sartre quer dizer com liberdade é muito próximo do que os beatniks [1]dos anos 50 e os hippies dos anos 60 chamavam de “fazer suas próprias coisas” e o que a geração Me [2] dos anos 70 chamava de “cuidar do primeiro lugar.”

Outro conceito que Sartre leva a sério, mas usa mal, é a ideia de responsabilidade. Ele pensava que a crença em Deus comprometeria necessariamente a responsabilidade humana, pois então culparíamos a Deus e não a nós mesmos por aquilo que somos. Mas isso simplesmente não é assim. Meu Pai celestial, assim como meu pai terreno, não é responsável por minhas escolhas ou pelo caráter que formo por meio dessas escolhas; EU sou. E a existência de minha responsabilidade não refuta a existência de meu Pai celestial mais do que refuta a existência de meu pai terreno.

Sartre tem uma grande consciência do mal e da perversidade humana. Ele diz: “Aprendemos a levar o Mal a sério… O Mal não é uma aparência… Saber suas causas não o desfaz. O mal não pode ser redimido.”

No entanto, ele também diz que, uma vez que não existe Deus e, portanto, criamos nossos próprios valores e leis, realmente não há mal: “Escolher ser isto ou aquilo é afirmar ao mesmo tempo o valor daquilo que escolhemos, porque nunca podemos escolher o mal. ” Assim, Sartre dá realidade demais ao mal (“O mal não pode ser redimido”) e de menos (“Nunca podemos escolher o mal”).

O ateísmo de Sartre não diz apenas que Deus não existe, mas que Deus é impossível. Ele pelo menos presta alguma homenagem à noção bíblica de Deus como “Eu Sou”, chamando-a de a ideia mais contraditória já imaginada, “a síntese impossível” de ser-para-si (personalidade subjetiva, o “eu”) com o ser-em-si (perfeição eterna e objetiva, o “Sou”).

Deus significa a pessoa perfeita, e isso é para Sartre uma contradição de termos. Coisas ou ideias perfeitas, como Justiça ou Verdade, são possíveis; e pessoas imperfeitas, como Zeus ou Apolo, são possíveis. Mas a pessoa perfeita é impossível. Zeus é possível, mas não é real. Deus é único entre os deuses: não apenas irreal, mas impossível.

Já que Deus é impossível e como Deus é amor, o amor é impossível. A coisa mais chocante em Sartre é provavelmente sua negação da possibilidade de um amor genuíno e altruísta. No lugar de Deus, a maioria dos ateus substitui o amor humano como aquilo em que acreditam. Mas Sartre argumenta que isso é impossível. Por quê?

Porque se Deus não existe, cada indivíduo é Deus. Mas só pode haver um Deus, um absoluto. Assim, todos os relacionamentos interpessoais são fundamentalmente relacionamentos de rivalidade. Aqui, Sartre ecoa Maquiavel. Cada um de nós necessariamente representa Deus para os outros; cada um de nós, como autor da peça de sua própria vida, necessariamente reduz os outros a personagens de seu drama.

Há uma palavrinha que as pessoas comuns pensam que denota algo real e que os amantes pensam que denota algo mágico. Sartre achava que isso denota algo impossível e ilusório. É a palavra “nós”. Não pode haver nenhum “sujeito-nós”, nenhuma comunidade, nenhum amor que esquece a si mesmo se cada um de nós está sempre tentando ser Deus, o um único sujeito-eu.

A peça mais famosa de Sartre, “No Exit”, coloca três mortos em uma sala e os vê fazerem o inferno uns pelos outros simplesmente brincando de Deus um para o outro – não no sentido de exercer poder externo um sobre o outro, mas simplesmente por se conhecerem como objetos. A lição chocante da peça é que “o inferno são as outras pessoas”.

É preciso ter uma mente profunda para dizer algo tão profundamente falso quanto isso. Na verdade, o inferno é precisamente a ausência de outras pessoas, humanas e divinas. O inferno é solidão total. O céu são as outras pessoas, porque o céu é onde Deus está, e Deus é a Trindade. Deus é amor, Deus é “outras pessoas”.

A honestidade obstinada de Sartre o torna quase atraente, apesar de suas conclusões repulsivas como a falta de sentido da vida, a arbitrariedade dos valores e a impossibilidade do amor. Mas sua honestidade, por mais profunda que tenha se alojado em seu caráter, tornou-se trivial e sem sentido por causa dessa negação de Deus e, portanto, da Verdade objetiva. Se não há mente divina, não há verdade, exceto a verdade que cada um de nós faz de si mesmo. Portanto, se não há nada para ser honesto, exceto eu, que significado tem a honestidade?

No entanto, não podemos deixar de dar um veredicto ambíguo sobre Sartre e nos sentirmos gratificados por sua repulsa – pois isso decorre de sua consistência. Ele nos mostra a verdadeira face do ateísmo: absurdidade (essa é a palavra abstrata) e náusea (essa é a imagem concreta que ele usa, e o título de seu primeiro e maior romance).

“Náusea” é a história de um homem que, após uma árdua busca, encontra a terrível verdade de que a vida não tem sentido, que é simplesmente um excesso nauseante, como vômito ou excremento. (Sartre tende deliberadamente para imagens obscenas porque sente que a própria vida é obscena.)

Não podemos deixar de concordar com William Barrett quando ele diz que “para aqueles que estão dispostos a usar esta [náusea] como desculpa para jogar fora toda a filosofia sartriana, podemos apontar que é melhor encontrar a própria existência com nojo do que nunca encontrá-la.”

Em outras palavras, a importância de Sartre é como a do Eclesiastes: ele faz a maior de todas as perguntas, com coragem e firmeza, e podemos admirá-lo por isso. Infelizmente, ele também dá a pior resposta possível, como fez o Eclesiastes: “Vaidade da vaidade, tudo é vaidade”.

Só podemos ter pena dele por isso, e com ele de muitos outros ateus que estão lúcidos o suficiente para ver como ele viu que “sem Deus todas as coisas são permitidas” – mas nada tem significado.

Esta é a Parte 6 de uma série de 6 partes, The Pillars of Unbelief, do Dr. Kreeft.


[1] Movimento de contracultura 

[2] Geração “Eu”. Termo usado para referir-se aos Baby Boomers da década de 70, conhecida pelo aumento do narcisismo. Este termo também é utilizado para os Millennials. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.