Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Os Pilares da Descrença: Nietzsche

288

(Por Peter Kreeft — Integrated Catholic Life. Traduzido por Gabriel Gomes) Friedrich Nietzsche chamou a si mesmo de “o Anticristo” e escreveu um livro com esse título. Ele defendeu o ateísmo da seguinte maneira: “Eu agora contestarei a existência de todos os deuses. Se existissem deuses, como poderia suportar não ser um deus? Consequentemente, não existem deuses”.

Ele desprezou a razão assim como a fé, muitas vezes se contradisse deliberadamente, disse que “um escárnio é infinitamente mais nobre que um silogismo” e collegamento web apelou para a paixão, a retórica e até o ódio deliberado em vez da razão.

Ele via o amor como “o maior perigo” e a moralidade como a pior fraqueza da humanidade. Ele morreu louco, em um asilo, de sífilis – assinando suas últimas cartas como “O Crucificado”. Ele era adorado pelos nazistas como seu filósofo semioficial.

No entanto, ele é admirado como profundo e sábio por muitas das maiores mentes de nosso século. Como isso pode acontecer?

Existem três escolas de pensamento sobre Nietzsche. Mais popular entre os acadêmicos é a escola dos “gentis nietzscheanos”, que afirmam que Nietzsche era, na verdade, uma ovelha disfarçada de lobo; que seus ataques não deveriam ser interpretados literalmente e que ele era realmente um aliado, não um inimigo, das instituições e valores ocidentais que denunciava.

Esses estudiosos se assemelham a teólogos que interpretam ditos de Jesus como: “ninguém pode vir ao Pai senão por mim” como significando “todas as religiões são igualmente válidas” e “aquele que se casa com uma mulher divorciada comete adultério” como significando “deixe seus divórcios serem criativos e razoáveis.”

Em segundo lugar, existem os nietzschianos “terríveis, terríveis”. Eles pelo menos fazem a Nietzsche o elogio de levá-lo a sério. Eles são tipificados pela nota de rodapé em um antigo livro católico sobre filosofia moderna, que dizia apenas que Nietzsche existiu, era ateu e morreu louco – um destino que pode muito bem aguardar qualquer um que olhe seus livros por muito tempo.

Uma terceira escola de pensamento vê Nietzsche como um lobo de fato e não uma ovelha, mas como um pensador muito importante porque ele mostra à civilização ocidental moderna seu próprio coração sombrio e seu futuro. É fácil usar um bode expiatório e apontar o dedo para “ovelhas negras” como Nietzsche e Hitler, mas não existe um “Hitler em nós mesmos” (para citar o título de Max Picard)? Nietzsche não deixou o gato sair da bolsa[1]? O gato demoníaco que estava escondido na bolsa respeitável do humanismo secular? Uma vez que “Deus está morto”, também está o homem, a moralidade, o amor, a liberdade, a esperança, a democracia, a alma e, em última instância, a sanidade. Ninguém mostra isso mais vividamente do que Nietzsche. Ele pode ter sido responsável (involuntariamente) por muitas conversões.

Os principais temas abordados por Nietzsche podem ser resumidos pelos títulos de suas principais obras. Cada um é, de uma maneira diferente, um ataque à fé. O centro da filosofia de Nietzsche é sempre o mesmo: ele está tão centrado em Cristo quanto Agostinho, só que centrado em Cristo como seu inimigo.

O primeiro livro de Nietzsche, “O Nascimento da Tragédia no Espírito da Música”, revolucionou sozinho a visão, tradicionalmente aceita, dos gregos clássicos como “doçura e luz”, razão e ordem. Para Nietzsche, os poetas trágicos eram os grandes gregos, e os filósofos, começando por Sócrates, eram os pequenos, pálidos e sem paixão. Todo o mundo ocidental seguiu Sócrates e seu racionalismo e moralismo, e negou o outro lado mais sombrio do homem, o lado trágico.

Em vez disso, Nietzsche exaltou a tragédia, o caos, a desordem e a irracionalidade, simbolizados pelo deus Dionísio, deus do crescimento e das orgias, da embriaguez. Ele alegou que Sócrates havia voltado o mundo para a adoração de Apolo, deus do sol, luz, ordem e razão. Mas o destino do deus de Nietzsche, Dioniso, logo alcançaria o próprio Nietzsche; como Dionísio foi literalmente dilacerado pelos Titãs, monstros sobrenaturais do submundo, a mente de Nietzsche seria dividida em pedaços por seus próprios Titãs internos.

“O Uso e o Abuso da História” continuou o tema Dionisíaco vs. Apolíneo. O “abuso da história” é (segundo Nietzsche) teoria, ciência, verdade objetiva. O uso correto da história é para melhorar a “vida”. Vida e verdade, fogo e luz, Dionísio e Apolo, vontade e intelecto, são colocados em oposição. Vemos Nietzsche sendo dilacerado aqui, pois essas são as duas partes do eu.

“Ecce Homo” era um egoísmo desavergonhado pseudo-autobiográfico. Embora tenha sido apenas um carregador de maca na guerra, Nietzsche se autodenomina um “velho artilheiro arrogante” adorado por todas as mulheres. Na verdade, ele era um velho solitário que não suportava ver sangue, um anão emocional empinando-se como Napoleão. O que é mais assustador é que ele aceita de bom grado sua falsidade e fantasia. É consistente com sua filosofia ou preferindo “tudo o que torna a vida melhor” à verdade. “Por que não viver uma mentira?” Ele pergunta.

“A Genealogia da Moral” afirmava que a moralidade era uma invenção dos fracos (especialmente os Judeus e depois os Cristãos) para enfraquecer os fortes. A ovelha convenceu o lobo a agir como uma ovelha. Isso não é natural, argumenta Nietzsche, e ver a origem não natural da moralidade no ressentimento pela inferioridade nos libertará de seu poder sobre nós.

“Além do Bem e do Mal” é a moralidade alternativa de Nietzsche, ou “nova moralidade”. “Moralidade do mestre” é totalmente diferente da “moralidade do escravo”, diz ele. Tudo o que um mestre comanda torna-se bom pelo simples fato de que o mestre o comanda. As ovelhas fracas têm uma moralidade de obediência e conformidade. Os mestres têm o direito natural de fazer o que quiserem, pois como Deus não existe, tudo é permitido.

“O Crepúsculo dos Ídolos” explora as consequências da “morte de Deus”. (Claro que Deus nunca viveu realmente, mas a fé Nele sim. Agora isso está morto, diz Nietzsche.) Com Deus morrem todas as verdades objetivas (pois não há mente sobre a nossa) e valores objetivos, leis e moralidade (pois não há vontade sobre a nossa). Alma, livre arbítrio, imortalidade, razão, ordem, amor – todos esses são “ídolos”, pequenos deuses que estão morrendo agora que o Grande Deus morreu.

O que vai substituir Deus? O mesmo ser que substituirá o homem; o Super-Homem. A obra-prima de Nietzsche, “Assim falava Zaratustra”, celebra esse novo deus.

Nietzsche chamou “Zaratustra” de a nova Bíblia e disse ao mundo para “jogar fora todos os outros livros; vocês têm meu “Zaratustra”. É uma retórica inebriante e cativou adolescentes por gerações. Foi escrito em apenas alguns dias, em um frenesi, talvez literalmente de “escrita automática” inspirada por demônios. Nenhum livro já escrito contém mais arquétipos junguianos, como uma exibição de fogos de artifício de imagens do inconsciente.

Sua mensagem essencial é a condenação do homem de hoje como um fraco e o anúncio da próxima espécie, o Super-Homem, que vive pela “moralidade do mestre” em vez da “moralidade escrava”. Deus está morto, viva o novo deus!

Mas em “O Eterno Retorno” Nietzsche descobre que todos os deuses morrem, até mesmo o Super-Homem. Ele acreditava que toda a história necessariamente se movia em um ciclo, repetindo infinitamente todos os eventos passados ​​- “Não há nada de novo sob o Sol”. Nietzsche deduziu essa rara conclusão das duas premissas de (1) uma quantidade finita de matéria e (2) uma quantidade infinita de tempo (já que não há criador e nem criação); assim, cada combinação possível de partículas elementares, cada mundo possível, ocorre um número infinito de vezes, dado um tempo infinito. Todos, até mesmo o Super-Homem, retornarão ao pó e evoluirão em vermes, macacos, o homem e o Super-Homem repetidas vezes.

Em vez de se desesperar, como fez o Eclesiastes, com essa nova história sem esperança, Nietzsche aproveitou a oportunidade para celebrar a irracionalidade da história e o triunfo da “vida” sobre a lógica. A virtude suprema era a coragem da vontade de afirmar essa vida sem sentido, além da razão, sem motivo.

Mas na última obra de Nietzsche, “A Vontade de Poder”, a falta de um fim ou objetivo aparece como demoníaca e reflete o caráter demoníaco da mente moderna. Sem um Deus, um céu, uma verdade ou uma Bondade absoluta para almejar, o significado da vida torna-se simplesmente “a vontade de poder”. O poder se torna seu próprio fim, não um meio. A vida é como uma bolha, vazia por dentro e por fora; mas seu significado é autoafirmação, egoísmo, expandir sua bolha, expandir o eu sem sentido no vazio sem sentido. “Somente deseje”, é o conselho de Nietzsche. Não importa o que você deseja ou por quê.

Agora estamos em posição de ver por que Nietzsche é um pensador tão crucialmente importante, não apesar, mas por causa de sua insanidade. Ninguém na história, exceto possivelmente o Marquês de Sade, formulou com clareza, franqueza e consistência a alternativa completa ao Cristianismo.

As sociedades e filosofias pré-cristãs (i.e., pagãs) eram como virgens. As sociedades e filosofias pós-cristãs (i.e., modernas) são como divorciadas. Nietzsche não é um pagão pré-cristão, mas o essencial, moderno pós-cristão e anticristão. Ele corretamente viu Cristo como seu principal inimigo e rival. O espírito do Anticristo nunca recebeu uma formulação tão completa. Nietzsche não era apenas o filósofo favorito da Alemanha nazista, ele é o filósofo favorito do inferno.

Podemos agradecer a própria tolice de Satanás em “explodir seu disfarce” com este homem. Assim como o nazismo, Nietzsche pode nos assustar e ajudar a salvar nossa civilização ou até mesmo nossas almas, afastando-nos aterrorizados antes que seja tarde demais.

Esta é a Parte 3 de uma série de 6 partes, The Pillars of Unbelief, do Dr. Kreeft.


[1] Let the cat out of the bag. Expressão usada quando alguém conta algo que deveria ser segredo. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.