Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Quem são os irmãos de Jesus

167

(por: Brand Pitre. Em: Jesus e as Raízes Judaicas de Maria) Como é bem sabido, o Novo Testamento contém várias referências aos “irmãos” e “irmãs” de Jesus. À primeira vista, essas passagens parecem ser o argumento mais forte contra a virgindade perpétua de Maria. Eles são certamente a razão mais popular para pensar que Maria teve outros filhos além de Jesus. Mais uma vez, no entanto, precisamos examinar essa evidência em seu antigo contexto judaico. Quando fazemos isso, algumas das passagens que mencionam os “irmãos” de Jesus na verdade apresentam evidências importantes de que Maria não teve outros filhos. Vamos examinar os dados por alguns instantes.

Os “irmãos” de Jesus = filhos de outra Maria

O primeiro e mais importante motivo para concluir que os “irmãos” de Jesus não são filhos de Maria é também o mais frequentemente esquecido. É o seguinte: os próprios Evangelhos afirmam explicitamente que os chamados irmãos de Jesus são, na verdade, filhos de outra mulher chamada Maria.

Para ver isso claramente, tudo o que precisamos fazer é comparar as identidades dos “irmãos” de Jesus no relato do ministério de Jesus em Nazaré com os relatos das pessoas presentes em sua crucificação e sepultamento. Por uma questão de conveniência, vou me concentrar nas evidências do Evangelho de Marcos, prestando muita atenção aos nomes dos“irmãos” de Jesus:

Ele saiu dali e veio para o seu próprio país … E no sábado ele começou a ensinar na sinagoga; e muitos que o ouviram ficaram surpresos, dizendo: “… Não é este o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago e José e Judas e Simão, e não estão suas irmãs aqui conosco?”

(Marcos 6: 1-3)

E Jesus deu um grande grito e deu seu último suspiro … Também haviam mulheres olhando de longe, entre as quais estavam Maria Madalena, e Maria, a mãe de Tiago o mais jovem e de José, e Salomé, o qual, quando ele estava na Galiléia, o seguiam e o serviam.

(Marcos 15:37, 40–41)

Por um lado, o Evangelho de Marcos indiscutivelmente identifica “Tiago” e “José” como dois dos “irmãos” (grego adelphoi) de Jesus (Marcos 6: 3). Como qualquer dicionário grego lhe dirá, o significado mais comum da palavra “irmão” é o mesmo que em português: “um homem do mesmo útero.”

Por outro lado – e isso é crucial – o Evangelho de Marcos também fornece evidências sólidas de que os mesmos dois homens, “Tiago” e “José”, são filhos de uma mulher diferente chamada Maria. Essa outra Maria é mencionada três vezes no relato da crucificação, sepultamento e ressurreição de Jesus. Na crucificação, ela é chamada de “Maria, a mãe de Tiago, o mais jovem, e de José” (Marcos 15:40). No enterro de Jesus, ela é chamada de “Maria, a mãe de José” (Marcos 15:47). Na manhã da ressurreição, ela é chamada de “Maria, a mãe de Tiago” (Marcos 16: 1). Quem é esta mulher? Obviamente, Marcos nunca se referiria à mãe de Jesus como “a mãe de Tiago e José”, ou “a mãe de Tiago” ou “a mãe de José”, especialmente quando ele já se referiu a Maria como a “mãe de Jesus.” Duas vezes em seu Evangelho (Marcos 3:31, 32). Embora os estudiosos façam algumas tentativas desesperadas de evitar o óbvio, a única explicação plausível é que a mãe de Tiago e José é uma Maria diferente e, portanto, Tiago e José não são filhos da virgem Maria.

Em apoio desta conclusão, é importante enfatizar que a mesma coisa é verdadeira para Tiago e José no Evangelho de Mateus (embora Mateus use a forma hebraica apropriada “Joset” em vez de “José”). Na verdade, Mateus até se refere a Maria, a mãe de Tiago e José, como “a outra Maria”!

Havia também muitas mulheres ali, olhando de longe, que haviam seguido Jesus desde a Galiléia, ministrando a ele; entre as quais estavam Maria Madalena, e Maria, a mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu … E José [de Arimatéia] tomou o corpo, envolveu-o em uma mortalha de linho limpo e colocou-o em sua própria nova tumba, que ele havia escavado na rocha; e rolou uma grande pedra até a porta da tumba e partiu. Maria Madalena e a outra Maria estavam lá, sentadas em frente ao sepulcro.

(Mateus 27: 55- 56, 59-61; cf. 13:55)

Não é crível que Mateus se refira à mãe de Jesus como “a outra Maria”. Por causa disso, os estudiosos protestantes WD Davies e Dale Allison admitem que esta evidência sugere que “os irmãos de Jesus” mencionados anteriormente no Evangelho (Mateus 13:55) “não eram filhos da mãe de Jesus, mas de outra Maria.” Eu concordo. Mas eu acrescentaria que os irmãos deJesus também não podemser filhos de José deum casamento anterior, como algumas pessoas sugerem. A razão é simples. Para José ficar viúvo, sua esposa deve ter morrido. Mas Maria, a mãe de Tiago e José, obviamente ainda estava viva na época da ressurreição!

Na verdade, quando Lucas se refere a ela simplesmente como “Maria, a mãe de Tiago” (Lucas 24:10), pode-se argumentar que ele deve estar se referindo ao famoso líder da igreja em Jerusalém, também conhecido como “Tiago irmão do Senhor” (Gálatas 1:19). A razão é simples. Nas palavras de Richard Bauckham:

“Normalmente na igreja primitiva apenas Tiago, o irmão do Senhor, podia ser chamado de Tiago, sem risco de ambiguidade”.

(ver Atos 12:17; 15:13; 21:18; 1 Coríntios 15: 7; Judas 1)

sso nos leva à importante questão. Se Tiago e José são filhos de outra Maria, por que são chamados de “irmãos” de Jesus? A resposta é bastante simples: em um contexto judaico antigo, a palavra grega para “irmãos” (adelphoi) poderia ser usada como sinônimo para parentes próximos, como primos. Muitos exemplos desse uso podem ser dados. Por enquanto, considere três:

Mas Jacó ficou com raiva e brigou com Labão [seu tio]; Jacó disse a Labão: “…
O que você achou de todos os vasos de sua casa? Defina aqui diante de meus irmãos e seus irmãos, que eles podem decidir entre nós dois.”

(Gênesis 31: 36–37 LXX)

Os filhos de Mali [eram] Eleazar e Quis. E Eleazar morreu, mas ele não tinha filhos, apenas filhas. E os filhos de Kish, seus irmãos, casaram-se com eles.

(1 Crônicas 23: 21–22 LXX)

No mesmo dia, os filhos e irmãos do rei Izates (…) suplicaram a César que lhes concedesse uma promessa de proteção. Por enquanto, ele os mantinha todos sob custódia; os filhos e parentes do rei ele subsequentemente trouxe acorrentados para Roma.

(Josefo, Guerra, 6,356-57)

Observe aqui que é o contexto que nos dá a pista de quando a palavra “irmãos” significa “parentes” ou “primos”. No contexto, Jacó está claramente usando “irmãos” (grego adelphoi) para se referir a seus primos, os filhos de seu tio Labão (Gênesis 31:37 LXX). Da mesma forma, na segunda passagem, os “irmãos” (do grego adelphoi) das filhas de Eleazar são explicitamente identificados como primos de primeiro grau, filhos do tio das meninas Kish. Por último, mas certamente não menos importante, Josefo prova que um judeu do primeiro século podia usar as palavras “irmãos” (grego adelphoi) e “parentes” (grego singeneis) como sinônimos no mesmo texto grego.

Da mesma forma, quando se trata dos “irmãos” de Jesus nos Evangelhos, temos que determinar o significado da palavra no contexto. Se tudo o que tivéssemos fosse a referência aos irmãos de Jesus durante seu ministério em Nazaré, seria razoável presumir que eles eram seus “irmãos” de sangue. No entanto, se mais tarde no mesmo Evangelho dois desses irmãos, “Tiago e José”, forem explicitamente identificados como filhos de outra mulher chamada Maria, então a explicação óbvia é que a palavra “irmãos” está sendo usada para se referir a “parentes” de Jesus. Se houver alguma dúvida sobre isso, é importante ressaltar que o próprio Jesus realmente usa a palavra para “primos” ou “parentes” para descrever seus supostos irmãos e irmãs.

Releia a evidência de Marcos, desta vez prestando atenção à declaração final de Jesus:

“Não é este o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago e José e Judas e Simão, e não estão suas irmãs aqui conosco?” E eles se ofenderam com ele. E Jesus disse-lhes: “Um profeta não fica sem honra, exceto em sua própria terra, e entre seus próprios primos (grego singeneusin), e em sua própria casa”.

(Marcos 6: 3-4)

A palavra que traduzi aqui como “primo” (grego syngeneus) vem da mesma raiz grega que a referência do anjo Gabriel a Isabel como “prima” de Maria (grego syngenis) (ver Lucas 1: 36 KJV, Douay-Rheims). Que possível razão pode ser dada para Jesus se referir a seus “irmãos” e “irmãs” como seus “parentes” ou “primos”? Talvez porque, de acordo com oEvangelho de Marcos, eles sejam seus primos.

Agora, poderíamos simplesmente parar por aqui. Se tudo o que tivéssemos fossem as evidências dos Evangelhos de Mateus e Marcos, seria suficiente concluir que os chamados irmãos de Jesus são de fato seus parentes próximos. Eles são filhos de outra mulher chamada Maria da Galiléia. Mas esta não é a única evidência que possuímos.

A Outra Maria = Maria, a Esposa de Clopas

Quando se trata da identidade dos irmãos de Jesus, o Evangelho de João também fornece uma pista importante para a identidade da “outra Maria” que estava presente na crucificação:

Estavam ao lado da cruz de Jesus sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria, a esposa de Clopas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e o discípulo que ele amava perto, disse a sua mãe: “Mulher, eis o teu filho!” Depois disse ao discípulo: “Eis aí a tua mãe!” E a partir daquela hora o discípulo a levou para sua casa.

(João 19: 25-27)

Este relato da morte de Jesus nos fornece três percepções mais significativas sobre o relacionamento entre Jesus, Maria e seus “irmãos”.

Primeiro, observe que João identifica a segunda mulher na cruz como “a irmã de sua mãe, Maria” (João 19:25). Embora seja fácil perder o ponto principal, este versículo fornece suporte importante para a palavra “irmã” (do grego adelphē) sendo usada para se referir a alguém que não seja uma irmã de sangue. Parece extremamente improvável que os pais de Maria tivessem dado a ela e a sua irmã o nome de Maria.

No entanto, o texto faz todo o sentido se João estiver usando a palavra “irmã” para se referir a um parente próximo da mãe de Jesus.

Em segundo lugar, e ainda mais importante, quando João se refere a essa mulher como “Maria, a esposa de Clopas” (João 19:25), ele nos dá uma pista importante para a identidade da “outra Maria” referida por Mateus e Marcos. Se João está se referindo à mesma Maria que Mateus e Marcos dizem que estava presente na crucificação e sepultamento de Jesus – Maria, a mãe de Tiago e José – então temos mais evidências de que Tiago e José não são filhos da mãe de Jesus.

Nem são filhos de José de um casamento anterior. Em vez disso, seriam filhos de outro homem – um homem chamado Clopas.

Terceiro e último, mas não menos importante, no relato de João, Jesus dá sua mãe, Maria, ao discípulo amado para ter como “sua” mãe (João 19: 26–27). Não consigo enfatizar o suficiente: se Maria tivesse tido outros filhos no momento da crucificação, seria inédito Jesus dar sua mãe a um de seus discípulos. Em um antigo contexto judaico, deixar de cuidar dos pais idosos era um pecado grave – que o próprio Jesus descreve como uma ofensa capital (ver Marcos 7: 9–13). Assim, a explicação mais plausível de por que Jesus se esforça tanto em meio à morte para garantir que sua mãe seja cuidada pelo discípulo amado é que Maria não tem outros filhos. Ele é seu único filho.

Mais uma vez, poderíamos simplesmente parar por aqui. Se tivéssemos apenas as evidências do Novo Testamento que acabamos de examinar, seria suficiente concluir com segurança que os chamados irmãos de Jesus são na verdade seus parentes próximos, os filhos de Maria e Clopas, parentes da família de Jesus. No entanto, o Novo Testamento não é a única evidência histórica relevante que possuímos. Também temos evidências da identidade dos irmãos de Jesus na história da igreja antiga – evidências que muitas vezes são misteriosamente ignoradas.

Os “Irmãos” de Jesus = Os Primeiros Bispos de Jerusalém

De acordo com o antigo historiador cristão Hegesipo – que aparentemente foi a primeira pessoa a escrever uma “história” da Igreja – dois dos chamados irmãos de Jesus (Tiago e Simão) também aconteceu de ser os dois primeiros bispos de Jerusalém. Além disso, eles eram amplamente conhecidos como “primos” de Jesus!

Considere o seguinte testemunho de Hegesipo, que é citado por Eusébio em sua história da Igreja do quarto século:

O mesmo escritor [Hegesipo] também [escreve] … como segue: “Depois de Tiago, o Justo sofreu o martírio pelo mesmo motivo que o Senhor, Simão, seu primo, filho de Clopas, foi nomeado bispo, a quem todos eles propuseram porque ele era outro primo (grego, anepsion) do Senhor.

(Hegesipo [século 2 dC], citado em Eusébio, História da Igreja, 4.22)

Após o martírio de Tiago e a conquista de Jerusalém que se seguiu imediatamente, é dito que os apóstolos e discípulos do Senhor que ainda estavam vivos vieram Juntos de todas as direções com aqueles que eram relacionados ao Senhor segundo a carne (pois a maioria deles também ainda estava viva) para aconselhar-se sobre quem era digno de suceder a Tiago. Todos eles com um consentimento pronunciaram Simão, o filho de Clopas, de quem o Evangelho também faz menção; ser digno do trono episcopal daquela paróquia. Ele era um primo (grego, anepsion), como se costuma dizer, do Salvador. Pois Hegesipo registra que Clopas era irmão de José (do grego adelphon tou Iōsēph).

(Hegesipo [século 2 DC], citado em Eusébio, História da Igreja 3.11.1–2)

Surpreendentemente, o testemunho de Hegesipo de que os chamados irmãos de Jesus eram de fato seus “primos” (grego anepsioi) é frequentemente simplesmente ignorado por estudiosos que afirmam que Maria teve outros filhos. Mas, em face de tais evidências históricas, isso é inaceitável. Tiago e Simão, dois doschamados irmãos de Jesus, não eram figuras obscuras na Igreja primitiva. Na verdade, eles foram os primeiros dois bispos de Jerusalém e alguns dos primeiros mártires. Mais importante, eles eram conhecidos como “primos” de Jesus. Observe aqui que a identificação de Hegesipo de Tiago e Simão como primos de Jesus é declarada simplesmente como uma questão de fato histórico. Não há evidências de que ele esteja tentando defender a virgindade perpétua de Maria. Ao contrário, Hegesipo está simplesmente relatando a história dos bispos em Jerusalém.

Agora, se Hegesipo está certo, então a evidência histórica mais antiga que possuímos combina perfeitamente com a evidência do Novo Testamento, vimos que os chamados irmão s de Jesus – Tiago, José, Simão e Judas – eram na verdade filhos de outra mulher chamada Maria (Marcos 6: 1-3 15:37, 40-41; cf. Lucas 24:10). Também faz todo o sentido se esta “outra Maria” é a mesma mulher que é chamada de “esposa de Clopas” (João 19:25):

Esta, eu sugeriria, é a solução mais simples e historicamente plausível para o mistério dos “irmãos” de Jesus. Novamente, a melhor explicação para a antiga afirmação cristã de que os “irmãos” de Jesus eram seus primos é que os irmãos de Jesus eram na verdade seus primos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.