Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Sempre Virgem Maria

169

(Por: Brand Pitre. Em: Jesus e as Raízes Judaicas de Maria) Se voltarmos aos escritos dos antigos cristãos fora do Novo Testamento, não apenas descobrimos que eles estavam bem cientes da virgindade perpétua de Maria, mas também descobrimos por que pensavam que isso era importante. Tomaremos apenas alguns momentos para mostrar o que os antigos cristãos tinham a dizer sobre o mistério da virgindade perpétua de Maria.

A virgindade perpétua de Maria no Cristianismo Antigo

Hoje em dia, a virgindade perpétua de Maria é amplamente rejeitada por cristãos de muitas denominações, especialmente aqueles que remontam suas origens à Reforma Protestante. Na verdade, tornou-se tão universalmente aceito que Maria teve outros filhos depois de Jesus que os escritores de hoje nem mesmo sentem que devem defender ou explicar a suposição de que Maria teve outros filhos.

No entanto, nem sempre foi assim. Mesmo um estudo superficial do Cristianismo antigo mostra que, desde os primeiros tempos, a crença de que Maria permaneceu virgem foi sustentada por cristãos em todo o mundo conhecido. Considere, por exemplo, as seguintes citações, observando as bases bíblicas para suas crenças:

Se ela se tivesse outros filhos, o Salvador não os teria ignorado e confiado sua Mãe a outra pessoa (João 19: 26–27); nem ela teria se tornado a mãe de outra pessoa.

Atanásio, Sobre a Virgindade [século 4 DC]

A expressão “até” (Mateus 1:25) não precisa levar você a acreditar que José a conheceu posteriormente; antes, é usado para informar que a Virgem não foi tocada pelo homem até o nascimento de Jesus.

João Crisóstomo, Homilia sobre Mateus 5,2 [século IV dC]

Já antes de ser concebido, desejava escolher para si, para nascer, uma virgem consagrada a Deus, como indicam as palavras de Maria respondeu ao anjo, que anunciava a sua maternidade iminente: “Como se fará isso, porque não conheço homem?” (Lucas 1:34). E ela certamente não teria respondido dessa forma se já não tivesse feito o voto de virgindade.

Agostinho, Sobre a virgindade perpétua 4.4 [início do século V DC]

Observe que este testemunho da virgindade perpétua de Maria vem de cristãos que vivem no Oriente e no Ocidente, escrevendo em latim e grego. De fato, a crença na virgindade perpétua era tão difundida que desde os primeiros tempos foi considerada como uma pedra de toque do autêntico ensino cristão:

Não há nenhum filho de Maria exceto Jesus, segundo a opinião de quem pensa corretamente sobre ela.

Orígenes, Comentário sobre João, 1.4 [século III dC]

Aqueles que amam a Cristo se recusam a ouvir que a Mãe de Deus deixou de ser virgem em um determinado momento.

Basílio de Cesaréia, Homilia sobre a Santa Natividade de Cristo, 5 [século IV DC]

De fato, no final do século IV DC, quando um escritor romano chamado Helvídio publicou um livro afirmando que os “irmãos” e “irmãs” de Jesus eram os filhos de Maria, ele trouxe sobre sua cabeça a ira do grande estudioso bíblico Jerônimo. Em seu tratado A virgindade perpétua de Maria, Jerônimo enraizou sua crença na virgindade perpétua de Maria na Bíblia: “Acreditamos que Deus nasceu de uma virgem, porque lemos isso. Que Maria se casou [= teve relações sexuais] depois do parto, não acreditamos, porque não lemos” (Contra Helvídio 21). Eventualmente, a crença na virgindade perpétua de Maria era tão universal que quando os líderes cristãos de todo o mundo se reuniram no segundo Concílio Ecumênico de Constantinopla, em 553 DC, deram a Maria o título oficial de “Sempre Virgem” (grego: Aeiparthenos).

A perpétua virgindade de Maria: por que isso importa?

Claro, isso ainda nos deixa com a pergunta E daí? Por que a virgindade perpétua de Maria é importante? Apresentarei três reflexões finais.

Em primeiro lugar, a virgindade de Maria é importante pela mesma razão que a virgindade de Jesus é importante: porque a verdade é importante. Assim como não é certo que os escritores de ficção afirmem que é um “fato” que Jesus foi casado com Maria Madalena, é irresponsável que os estudiosos ignorem a evidência de que Maria pretendia permanecer, e de fato permaneceu, uma virgem toda a sua vida. Como vimos, a virgindade perpétua de Maria dá o melhor sentido à maioria das evidências do Novo Testamento. Todas as outras teorias têm lacunas. Eles falham completamente em explicar por que os mesmos Evangelhos que se referem a Tiago e José como os “irmãos” de Jesus também os identificam como filhos de outra mulher chamada Maria. Eles também não explicam como dois desses mesmos irmãos, Tiago e Simão, tornaram-se os primeiros bispos de Jerusalém e eram amplamente conhecidos como primos de Jesus, filhos de seu tio Clopas.

Em segundo lugar, a virgindade perpétua de Maria é importante porque aponta além dela para a ressurreição final dos mortos e a vinda da nova criação. Uma das razões pelas quais Jesus era celibatário e chamava outros à abstinência sexual era “por amor do reino dos céus” (Mateus 19:12), para que, por sua virgindade, eles apontassem para a vida do “século vindouro” (Lucas 20: 34-36) – o novo mundo em que todos serão celibatários. Agora, se Maria é a nova Eva da nova criação, então faz sentido que ela também escolha viver, de uma maneira única, a vida virginal da ressurreição. A virgindade perpétua de Maria aponta-nos, portanto, para a vida eterna no mundo vindouro, a ressurreição e a nova criação, na qual as relações matrimoniais normais acabarão porque a morte não existirá mais.

Finalmente, a virgindade perpétua de Maria é importante porque Maria, como Jesus, não é uma pessoa comum. De acordo com o Novo Testamento, Maria é a nova Eva, a nova Arca, a nova rainha-mãe. Como uma virgem perpétua, Maria é ainda mais do que isso; ela também se torna um símbolo da Igreja, que é ao mesmo tempo a noiva virgem de Cristo e a mãe fecundade todosos cristãos. Nas palavras deAmbrósio de Milão:

Adequadamente é [Maria] desposada, mas Virgem porque ela prefigura a Igreja imaculada, mas casada. Uma Virgem nos concebeu do Espírito, uma Virgem nos dá à luz sem dores de parto.

Ambrósio, Sobre Lucas, 2,6-7 [século 4 DC]

Observe a última linha: Maria deu à luz “sem dores de parto”. O que Ambrósio quer dizer? Para responder a essa pergunta, precisaremos considerar a próxima crença cristã antiga sobre Maria — uma que é menos conhecida atualmente, mas ainda mais misteriosa do que sua virgindade perpétua. Estou falando aqui da crença de que não apenas a concepção de Jesus foi milagrosa, mas também o seu nascimento.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.