Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Uma rápida refutação da Sola Scriptura em dez passos

335

(Por Dave Armstrong, Catholic Answers. Tradução: Petter Martins)

1. Sola Scriptura não é ensinada na Bíblia

Os católicos concordam com os protestantes que a Escritura é um “padrão de verdade” – mesmo o mais proeminente – mas não no sentido que exclui a autoridade obrigatória da autêntica Tradição apostólica e da Igreja. A Bíblia não ensina isso. Os católicos concordam que a Escritura é materialmente suficiente. Em outras palavras, nessa visão, toda doutrina verdadeira pode ser encontrada na Bíblia, mesmo que apenas implicitamente e indiretamente por dedução. Mas nenhuma passagem bíblica ensina que a Escritura é a autoridade formal ou regra de fé isolada da Igreja e da Tradição. Sola scriptura não pode ser deduzida de passagens implícitas.

2. A “Palavra de Deus” também se refere ao ensino oral

“Palavra” na Sagrada Escritura muitas vezes se refere a um ensino oral proclamado de profetas ou apóstolos. O que os profetas falaram foi a palavra de Deus, independentemente de suas declarações terem sido registradas mais tarde como Escritura escrita. Assim, por exemplo, lemos em Jeremias:

[…] eis que vinte e três anos são decorridos desde que a palavra do Senhor me foi dirigida e que vo-la transmiti com assiduidade, sem a terdes, entretanto, escutado […] Mas não me escutastes – oráculo do Senhor –, o que provocou minha cólera, para a vossa desgraça, por causa dos ídolos feitos por vossas mãos. Por isso, assim disse o Senhor dos exércitos: Porque não me escutastes as palavras […].

Jeremias 25, 3

Esta era a palavra de Deus, embora parte dela não tenha sido registrada por escrito. Tinha autoridade igual à escrita ou proclamação-nunca-reduzida-a-escrita. Isso também era verdade para a pregação apostólica. Quando as frases “palavra de Deus” ou “palavra do Senhor” aparecem em Atos e nas epístolas, quase sempre se referem à pregação oral, não às Escrituras. Por exemplo:

Por isso é que também nós não cessamos de dar graças a Deus, porque recebestes a Palavra de Deus, que de nós ouvistes, e a acolhestes, não como palavra de homens, mas como aquilo que realmente é, como Palavra de Deus, que age eficazmente em vós, os fiéis.

I Tessalonicenses 2, 13

Se compararmos esta passagem com outra, escrita para a mesma igreja, Paulo parece considerar o ensino oral e a palavra de Deus como sinônimos:

Intimamo-vos, irmãos, em no­me de nosso Senhor Jesus Cristo, que eviteis a convivência de todo irmão que leve vida ociosa e contrária à tradição que de nós tendes recebido.

II Tessalonicenses 3, 6

3. Tradição não é uma palavra suja

Os protestantes costumam citar os versículos da Bíblia onde as tradições corruptas dos homens são condenadas (por exemplo, Mat. 15, 2-6; Marcos 7, 8-13; Colossenses 2, 8). É claro que os católicos concordam com isso. Mas não é toda a verdade. É verdade que a Tradição apostólica também é endossada positivamente. Esta Tradição está em total harmonia e consistente com as Escrituras.

4. Jesus e Paulo Aceitaram Tradições Orais e Escritas Não Bíblicas

Os protestantes que defendem a sola scriptura alegarão que Jesus e Paulo aceitaram a autoridade do Antigo Testamento. Isso é verdade, mas eles também apelaram para outra autoridade fora da revelação escrita. Por exemplo:

  1. A referência a “Ele será chamado Nazareno” não pode ser encontrada no Antigo Testamento, mas foi “falada pelos profetas” (Mt 2, 23). Portanto, esta profecia, que é considerada a “palavra de Deus”, foi transmitida oralmente e não pelas Escrituras.
  2. Em Mateus 23, 2–3, Jesus ensina que os escribas e fariseus têm uma autoridade legítima e obrigatória baseada “no trono de Moisés”, mas essa frase ou ideia não pode ser encontrada em nenhum lugar do Antigo Testamento. Encontra-se na Mishná (originalmente oral), que ensina uma espécie de “sucessão de ensino” de Moisés em diante.
  3. Em 1 Coríntios 10, 4, Paulo se refere a uma rocha que “seguiu” os judeus pelo deserto do Sinai. O Antigo Testamento não diz nada sobre esse movimento milagroso. Mas a tradição rabínica sim.
  4. “Como Janes e Jambres se opuseram a Moisés” (2 Tm 3, 8). Esses dois homens não podem ser encontrados na passagem relacionada do Antigo Testamento (Ex. 7, 8ss.) ou em qualquer outro lugar do Antigo Testamento.

5. Os Apóstolos Exerceram Autoridade no Concílio de Jerusalém


No Concílio de Jerusalém (Atos 15, 6–30), vemos Pedro e Tiago falando com autoridade. Este Concílio faz um pronunciamento de autoridade (citando o Espírito Santo) que era obrigatório para todos os cristãos:

Com efeito, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor outro peso além do seguinte indispensável: que vos abstenhais das carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da impureza. Dessas coisas fareis bem de vos guardar conscienciosamente. Adeus!.

Atos dos Apóstolos, 15, 28-29

No capítulo seguinte, lemos que Paulo, Timóteo e Silas estavam viajando “pelas cidades”, e as Escrituras dizem que “eles lhes entregaram para que fossem observadas as decisões tomadas pelos apóstolos e anciãos que estavam em Jerusalém”. (Atos 16:4).

6. Fariseus, Saduceus e Tradição Oral Extra-Bíblica

O cristianismo foi derivado de muitas maneiras da tradição farisaica do judaísmo. Os saduceus, por outro lado, rejeitaram a futura ressurreição da alma, a vida após a morte, recompensas e retribuições, demônios e anjos e predestinacionismo. Os saduceus também rejeitavam todos os ensinamentos orais autorizados e acreditavam essencialmente na sola scriptura. Eles eram os liberais teológicos da época. Os fariseus cristãos são mencionados em Atos 15, 5 e Filipenses 3, 5 mas a Bíblia nunca menciona os saduceus cristãos.

Os fariseus, apesar de suas corrupções e excessos, eram a tradição judaica dominante, e tanto Jesus quanto Paulo reconhecem isso. Assim, nem os judeus ortodoxos do Antigo Testamento nem a Igreja primitiva eram guiados pelo princípio da sola scriptura.

7. Os judeus do Antigo Testamento não acreditavam na Sola Scriptura

Para dar dois exemplos do próprio Antigo Testamento:

  1. Esdras, sacerdote e escriba, estudou a lei judaica e a ensinou a Israel, e sua autoridade era obrigatória sob pena de prisão, banimento, perda de bens e até morte (cf. Esdras 7, 26).
  2. Em Neemias 8, 3, Esdras lê a Lei de Moisés para o povo em Jerusalém. No versículo 7 encontramos treze levitas que auxiliaram Esdras e ajudaram o povo a entender a lei. Muito antes, encontramos levitas exercendo a mesma função (cf. 2 Crônicas 17, 8-9).

Assim, o povo de fato entendeu a lei (cf. Ne 8, 8 e 12), mas não sem muita ajuda – não apenas ao ouvir. Da mesma forma, a Bíblia não é totalmente clara em si mesma, mas requer a ajuda de professores que estão mais familiarizados com estilos bíblicos e idioma hebraico, antecedentes, contexto, exegese e referência cruzada, princípios hermenêuticos, idiomas originais, etc. O Antigo Testamento , então, ensina sobre uma Tradição obrigatória e a necessidade de intérpretes autorizados, assim como o Novo Testamento (cf. Marcos 4, 33-34; Atos 8, 30-31; 2 Pe 1, 20; 3, 16).

8. Efésios 4 refuta o “texto de prova” protestante

Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça.

II Timóteo 3, 16

Esta passagem não ensina suficiência formal, o que exclui um papel obrigatório e autoritário para a Tradição e a Igreja. Os protestantes extrapolam para o texto o que não está lá. Se olharmos para o contexto geral desta passagem, podemos ver que Paulo faz referência à Tradição oral três vezes (cf. 2 Tm 1, 13-14; 2, 2; 3, 14). E para usar uma analogia, vamos examinar uma passagem semelhante:

E seus dons eram que alguns fossem apóstolos, outros profetas, alguns evangelistas, alguns pastores e mestres, “A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo, até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo.* Para que não continuemos crianças ao sabor das ondas, agitados por qualquer sopro de doutrina, ao capricho da malignidade dos homens e de seus artifícios enganadores. Mas, pela prática sincera da caridade, cresçamos em todos os sentidos, naquele que é a Cabeça, Cristo.

Efésios 4, 11-15

Se 2 Timóteo 3 prova a suficiência única das Escrituras, então, por analogia, Efésios 4 também provaria a suficiência de pastores e mestres para alcançar a perfeição cristã. Em Efésios 4, o crente cristão é equipado, edificado, trazido à unidade e à maturidade, e até mesmo preservado da confusão doutrinária por meio da função de ensino da Igreja. Esta é uma declaração muito mais forte do aperfeiçoamento dos santos do que 2 Timóteo 3, mas nem mesmo menciona as Escrituras.

Portanto, se todos os elementos não bíblicos são excluídos em 2 Timóteo, então, por analogia, as Escrituras logicamente teriam que ser excluídas em Efésios. É muito mais razoável reconhecer que a ausência de um ou mais elementos em uma passagem não significa que eles não existam. A Igreja e as Escrituras são igualmente necessárias e importantes para o ensino.

9. Paulo casualmente assume que sua tradição passada é infalível e obrigatória

Se Paulo não estivesse assumindo isso, ele estaria ordenando a seus seguidores que aderissem a uma doutrina equivocada. Ele escreve:

Se alguém não obedecer ao que ordenamos por esta carta, notai-o e, para que ele se envergonhe, deixai de ter familiaridade com ele.

II Tessalonicenses 3, 14

Rogo-vos, irmãos, que desconfieis daqueles que causam divisões e escândalos, apartando-se da doutrina que recebestes. Evitai-os!

Romanos 16, 17

Ele não escreveu sobre “a doutrina basicamente verdadeira, mas não infalível, que lhe foi ensinada”.

10. Sola Scriptura é uma posição circular

Quando tudo está dito e feito, os protestantes que aceitam a sola scriptura como sua regra de fé apelam para a Bíblia. Se lhes for perguntado por que alguém deve acreditar em seu ensino denominacional específico e não em outro, cada um apelará para “o ensino claro da Bíblia”. Muitas vezes agem como se não tivessem uma tradição que orientasse sua própria interpretação.

Isso é semelhante a pessoas em dois lados de um debate constitucional dizendo: “Bem, nós seguimos o que a Constituição diz, enquanto vocês não”. A Constituição dos EUA, como a Bíblia, não é suficiente por si só para resolver diferentes interpretações. Juízes e tribunais são necessários, e seus decretos são juridicamente vinculantes. As decisões da Suprema Corte não podem ser revogadas, exceto por uma decisão futura ou emenda constitucional. Em qualquer caso, há sempre um recurso final que resolve a questão.

Mas o protestantismo carece disso porque apela a um princípio logicamente autodestrutivo e a um livro que deve ser interpretado por seres humanos. Obviamente, dadas as divisões no protestantismo, simplesmente “ir à Bíblia” não funcionou. No final, uma pessoa não tem segurança ou certeza no sistema protestante. Eles podem apenas “ir à Bíblia” e talvez apresentar outra versão doutrinária de alguma doutrina contestada para adicionar à lista. Ou acredita que há uma verdade em qualquer disputa teológica (seja ela qual for) ou adota uma posição relativista ou indiferentista, onde as contradições são boas ou a doutrina é tão “menor” que as diferenças “não importam”.

Mas a Bíblia não ensina que categorias inteiras de doutrinas são “menores” e que os cristãos livre e alegremente podem discordar dessa maneira. O denominacionalismo e as divisões são vigorosamente condenados. A única conclusão a que podemos chegar da Bíblia é o que chamamos de “banquinho de três pernas”: Bíblia, Igreja e Tradição são todos necessários para chegar à verdade. Se você derrubar qualquer perna de um banquinho de três pernas, ele desmorona.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.