Conheça, ame, viva e defenda a Fé Católica

Os judeus precisam de Jesus para a salvação?

143

(Por pe. William Most, com o título original: “Do We Need Jesus?”. Traduzido por Petter Martins.) Alguns judeus hoje, e alguns católicos os apoiam, querem dizer que os judeus não têm necessidade ou obrigação de aceitar Jesus. Isso é bastante lamentável, na verdade, é ser infiel à plenitude da tradição judaica.

As profecias do Antigo Testamento, especialmente se as lermos com a ajuda dos antigos Targums judaicos, nos dão uma imagem notável do Messias vindouro. O mais gráfico entre eles é a profecia de Jacó, morrendo no Egito, que o cetro não seria tirado de Judá até que o Messias viesse (Gn 49:10). Jacob Neusner, um dos melhores eruditos judeus da atualidade, escreveu que na época de Cristo, havia intensa expectativa pelo Messias. E não admira. Os judeus sempre tiveram algum tipo de líder da tribo de Judá, até que os romanos lhes impuseram Herodes, que por nascimento era meio árabe, meio idumeu. Sim, Herodes afirmou seguir a religião judaica, mas tão mal que o imperador pagão Augusto fez o trocadilho que era mais seguro ser o porco de Herodes do que o filho de Herodes. E com certeza, ninguém poderia afirmar que Herodes era da tribo de Judá. Mas quando os magos do Oriente chegaram a Herodes querendo saber onde o novo Rei deveria nascer. Herodes, com a ajuda dos eruditos judeus, disse sem hesitar que nasceria em Belém. E assim aconteceu.

O rabino Israel Zolli, rabino-chefe de Roma, famoso como estudioso judeu, na época de Pio XII, tornou-se católico aos 65 anos, embora isso significasse pobreza financeira. Quando perguntado se ainda se considerava judeu, ele disse: “Uma vez judeu, sempre judeu. Pedro, Tiago, João, Mateus e centenas de hebreus como eles deixaram de ser judeus só porque seguiram Jesus, o Messias? Enfaticamente não.” Alguns convertidos modernos, como o padre A. Klyber (de cujo livro Once a Jew, nas pp. 144-5, reunimos essas informações sobre o rabino Zolli) se autodenominam “judeus completos”. E com toda a razão, pois sem Cristo, seu Messias, os judeus não são realizados.

De fato, para continuar a ser membro do Povo de Deus, esta conversão é necessária. Sim, sabemos que São Paulo em Romanos 11, 1 e 28 escreveu: “Deus rejeitou Seu povo? Claro que não!… Os dons de Deus e Seu chamado são irrevogáveis.” Como poderia então o mesmo São Paulo, no meio do mesmo capítulo, dar a imagem das duas oliveiras, a árvore mansa representando o Povo de Deus, a oliveira brava representando os gentios – como Paulo poderia dar essa imagem o que claramente implica que os judeus que rejeitam a Cristo caíram do Povo de Deus, como os ramos quebrados da oliveira mansa? O problema não é difícil: o chamado de Deus para que eles sejam Seu povo ainda permanece, sempre permanecerá. Mas uma coisa é Ele chamar – outra é eles aceitarem. Se não aceitarem, estão fora da oliveira mansa, o Povo de Deus. Os fariseus compreenderam isso para seu horror quando Jesus acabou de contar a parábola dos lavradores infiéis da vinha que era Israel, quando disse: (Mt 21, 43): “O reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que produzirá uma rica colheita.”

Em Romanos 9, 25s São Paulo cita seu profeta Oséias: “Aqueles que não eram meu povo, chamarei meu povo” No cenário original. Oséias estava dizendo que os judeus, por causa de seus pecados, trouxeram o exílio babilônico e caíram do povo de Deus. Mas depois de seu arrependimento, Deus os aceitaria de volta com prazer: “Aqueles que não eram meu povo, chamarei meu povo. Nas palavras originais de Oséias 2, 23: “Eu direi a lo ammi [não meu povo]“: ” Você é meu povo.” Pois eles deixaram de ser o povo de Deus, e permaneceram muitos dias (Oséias 3, 4) “sem rei ou príncipe, sem sacrifício ou coluna, sem éfode ou terafins“, mas quando se arrependeram, Ele de bom grado diga-lhes as palavras que acabamos de citar: “Agora você é meu povo novamente“.

Assim, São Paulo aguarda com expectativa o dia em que as mesmas palavras serão aplicadas aos judeus que rejeitaram seu Messias (Rm 11, 25): “Uma cegueira em parte caiu sobre Israel até que a plenitude dos gentios entre” o povo de Deus. Então, Paulo acrescenta “todo o Israel será salvo” – entrará no reino de seu Messias.

Nós nos perguntamos se este tempo não está se aproximando? Em Lucas 21, 24 nosso Senhor disse: “Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se cumpram“. Mas agora Jerusalém tornou-se novamente uma cidade judaica, não apenas pisoteada por gentios. Pensamos em Daniel 12, 7. Daniel perguntou ao anjo intérprete quando todas essas coisas aconteceriam, e ouviu a resposta: “Quando a destruição do poder do povo santo chegar ao fim, todas essas coisas serão cumpridas“. A quebra do poder parece ter chegado ao fim agora. Portanto, esperamos que o tempo para o restante das profecias esteja próximo.

No anúncio original da aliança em Êxodo 19, 5, Deus disse: “Se você realmente ouvir a minha voz e guardar a minha aliança, você será meu povo especial.” Notamos a palavra-chave “se“. Eles tiveram que obedecer para ser Seu povo. Após a dedicação do grande Templo, Deus havia dito a Salomão (1 Reis 9, 6-9): “Mas se você e sua descendência se afastarem de mim e não guardarem os mandamentos e estatutos… da terra… e rejeitar o templo… Israel se tornará um provérbio… e este templo se tornará um monte de ruínas…. Todo transeunte suspirará e perguntará: Por que o Senhor fez isso com o terra e para este templo?” E ele responde: “Eles abandonaram o Senhor… por isso o Senhor fez descer sobre eles todo esse mal“. Deus repetiu a mesma ameaça através de Jeremias 22, 5-9. E assim o véu do templo se rasgou quando mataram seu Messias. E eles realmente permaneceram muitos dias sem rei ou príncipe ou sacrifício, “até que finalmente reconheceram aquele a quem traspassaram” – Zacarias 12, 10, repetido quando o mesmo Jesus apareceu a João no exílio em Patmos (Ap 1, 7).

Os judeus costumavam ter o sangue de bodes aspergido no antigo propiciatório no dia da expiação, Yom Kippur. Agora, como disse Oséias, eles estão sentados há muitos dias sem sacrifício ou príncipe. Nem poderia o sangue de bodes aspergido realmente tirar os pecados cometidos por yad ramah, com mão alta. No máximo, só redimiria os pecados da ignorância, sheggagah. Mas agora em Jesus temos o novo propiciatório, cujo sangue realmente pode e tira os pecados, como nos diz Romanos 3, 24-26. Então, todos precisam de Jesus. Certamente, eles não podem perdoar seus próprios pecados, ou fazer expiação por seu próprio poder.

Alguns dizem: Podemos falar diretamente com Deus nosso Pai, não precisamos de nenhum intercessor como Jesus. Mas o Antigo Testamento está repleto de mediadores, antes de tudo o grande Moisés. Foi por meio dele que Deus falou ao povo no Sinai. Deus havia ordenado que o povo não subisse a montanha, nem mesmo a tocasse. Se alguém o fez, ele deve morrer: Êxodo 19, 12. Depois de receber os mandamentos, Moisés encontrou o povo adorando um ídolo. Ele quebrou as tábuas com raiva, e Deus queria destruir o povo: Ex. 32-10. Mas Moisés intercedeu junto a Deus, e Ele não os destruiu: Ex 32 ,11-14. Deus costumava falar com Moisés face a face: Ex 33, 11. Mais tarde, Aarão foi ordenado sumo sacerdote, e então pensou que poderia ir livremente à presença de Deus no Santo dos Santos. Mas Deus o advertiu através de Moisés que ele não deveria fazer isso livremente, mas apenas no Yom Kippur, com as cerimônias apropriadas. Caso contrário, ele morreria: Lev. 16, 1-28. Podemos imaginar qualquer pessoa indo diante de Deus para falar com Deus por conta própria? Ainda mais tarde, Aarão e Miriã, irmão e irmã de Moisés, disseram: “É somente por meio de Moisés que Deus fala? Ele não fala também por meio de nós?” Nm 12, 1-2. Deus ficou irado com Miriã e a feriu com lepra: Nm 12, 9. Mas a pedido de Moisés, Deus a curou em sete dias.

Corá e Datã e Abirão ainda mais tarde também se tornaram muito ousados ​​e disseram: “Chega de vocês! Toda a comunidade, todos eles, são santos… Por que então vocês deveriam se exaltar sobre a congregação do Senhor?” Números 16, 1-3. Moisés então disse aos rebeldes que no dia seguinte eles deveriam comparecer perante o Senhor e oferecer seu incenso e ver quem Deus aceitaria. Eles fizeram isso. A terra se abriu e os engoliu e todos os seus bens vivos: Números, 16, 4-35.

Ao longo dos séculos seguintes, Deus muitas vezes falou ao povo por meio de Seus vários profetas. Ao povo diretamente Ele não falou. Mesmo com o grande Rei Davi, Deus falou através do profeta Natã. Quando Davi mandou trazer a arca do território filisteu para Jerusalém, ela estava numa carroça. Chegou a um lugar inclinado na estrada, e Uzá temeu que tombasse. Ele colocou a mão sobre ele para estabilizá-lo. No entanto, Deus feriu Uzá com raiva porque ele, não um sacerdote, ousou tocar na arca: 2 Sam 6, 1-7.

Josefo (Antiguidades 9, 22) relata que o rei Uzias ficou tão orgulhoso que tentou oferecer sacrifícios no templo, embora o sumo sacerdote o advertisse. Deus então o feriu com lepra, e ele viveu em uma casa separada pelo resto de sua vida, e um terremoto ocorreu no mesmo momento. 2 Reis 15, 5 relata que ele foi acometido de lepra e viveu separado depois disso, não dá os outros detalhes.

No livro de Jó, depois que os três amigos de Jó falaram de maneira imprópria, Deus ficou irado. E ele lhes disse para que Jó oferecesse um sacrifício e orasse por eles: então Ele os perdoaria: Jó 42, 8.

Antes de morrer, Moisés predisse (Dt. 18, 15-19) que Deus enviaria outro profeta como ele, a quem Deus falaria face a face – uma coisa que Deus não fez para profetas comuns. Moisés disse que Deus disse a Moisés: “Se alguém não ouvir as minhas palavras que ele fala em meu nome, eu mesmo o farei responder por isso.” Nos Evangelhos, tanto as pessoas comuns (Jo 6, 14) quanto os Apóstolos (Atos 3, 22-23 e 7, 37) viram que Jesus era aquele profeta. Assim, o que Moisés ouviu do próprio Deus se torna realidade: se alguém não O ouvir, o próprio Deus punirá esse tal e o eliminará do povo de Deus.

No Batismo de Seu Filho, Deus falou do céu e disse: “Ouvi-O“. Assim, nem mesmo os judeus estão isentos deste mandamento de Deus. A menos que uma pessoa seja desculpada pela ignorância, se ela não falar com o Pai por meio de Jesus, Deus irá, como disse a Moisés, separá-la de Seu povo.

Como vimos acima, Jesus é aquele que Deus prometeu de muitas maneiras ao longo de tantos séculos. Sem Ele, um judeu permanece incompleto, não realizado.

Objeção: Jesus não pretendia fundar uma igreja, Ele apenas pretendia cumprir o Judaísmo.

Resposta: Ele realmente cumpriu todas as profecias judaicas do Messias. Mas Ele fez muito mais. Ele estabeleceu uma Igreja: Mt 16, 17-20: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado também no céu; tudo o que desligares na terra será desligado também no céu.” A palavra chaves na linguagem da época significava autoridade para abrir e fechar. As palavras amarrar e soltar foram bem estabelecidas entre os rabinos, elas representam uma decisão de alguém com autoridade sobre o que é certo e errado. Jesus deu a mesma autoridade para ligar e desligar a todos os Apóstolos, em Mt 18, 18. Ao falar daqueles que erram moralmente, ele lhes disse que primeiro corrigissem o pecador em particular, depois com a ajuda de duas ou três testemunhas. Se ele ignorar até mesmo eles, diga à igreja, e se ele ignorar a igreja: “Seja ele para você como um pagão e um publicano“. Logo após Sua ressurreição, em João 20, 21-23: “Como o Pai enviou mim, então eu te envio. Receba o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, lhes serão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, lhes serão retidos” Ao final, em Mt 28, 18-20: “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”. Em Marcos 16, 15-16: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. 16. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.”

Nenhum profeta do Antigo Testamento recebeu autoridade para ligar e desligar, ou para perdoar pecados, ou para dar um batismo tal que aquele que recusar será condenado.

Ele também insistiu, em João 6, 54: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia“. Para obter esta carne e este sangue, precisamos da Igreja. O judaísmo certamente não o tem, não afirma tê-lo.

Alguns judeus por Cristo, vendo que Ele é o Messias, dizem que tudo que eles precisam é tomar Cristo como seu Salvador pessoal, e então eles têm a salvação infalível. Mas isso é passar do judaísmo incompleto para o trágico erro de Lutero. Ele pensou que encontrou justificação pela fé em São Paulo, principalmente gálatas e romanos. Ele fez. Mas – ele nunca tentou descobrir o que São Paulo quis dizer com as palavras justificação ou fé. Lutero pensou que não temos livre arbítrio. Encontramos isso explicitamente em sua obra principal The Bondage of the Will (trad. J. Packer e O. Johnston, Revell Co, Old Tappan, NJ, 1957, pp. 273). Ele também disse (ibid. pp. 103-04) que um humano é como um cavalo. Ou Deus ou Satanás cavalgará e, consequentemente, fará o bem ou o mal. Ele não tem nada a dizer sobre qual deles monta (lembre-se: não há livre-arbítrio) e, portanto, vai para o céu ou para o inferno. Ele pensava que por fé Paulo queria dizer confiança de que os méritos de Cristo se aplicam a mim, e assim se pode pecar tanto quanto possível. Em sua carta a Melanchthon de 1º de agosto de 1521 (Luther’s Works, American edition, vol 48. p. 282): “Seja um pecador e peque fortemente… nenhum pecado nos separará do Cordeiro, ainda que cometamos fornicação e assassinato mil vezes por dia.” Mas São Paulo disse que aqueles que fazem tais coisas “não herdarão o reino de Deus” (1 Coríntios 6, 10). Uma obra de referência protestante padrão, Interpreter’s Dictionary of the Bible, Suplemento, p. 333 descreve a fé corretamente: “Paulo usa pistis/pisteuein [palavras gregas para fé e crer] para significar, acima de tudo, crença no Cristo kerygma [proclamação ou pregação], conhecimento, obediência, confiança no Senhor Jesus. com fé a mensagem do evangelho… respondendo com uma confissão de Cristo… e pela ‘obediência da fé’ (Romanos 1, 5…) ‘a obediência que é a fé’“. Fé inclui obediência – Lutero disse que se tivermos fé podemos desobedecer mil vezes por dia. A fé que inclui obediência não pode justificar a desobediência. Em outras palavras, as idéias de Lutero são intelectualmente falidas e grosseiramente imorais, encorajando o pecado mil vezes por dia e dizendo não temos livre arbítrio.

Jesus prometeu que o inferno não prevaleceria contra Sua Igreja, que Ele estaria com eles até o fim do mundo. Lutero achava que a promessa de Cristo era um fracasso tão grande que, durante a maior parte dos 15 séculos, a Igreja ensinou o caminho errado para a salvação. Então as promessas de Cristo seriam falsas, e Cristo também seria falso. E supor que Deus enviaria um homem tão grosseiramente imoral – incitando o pecado mil vezes por dia – para restaurá-la!

1 comentário
  1. Juliana Maria Diz

    Excelente conteúdo sobre a Fé Católica

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.