Calvino e a Virgindade Perpétua de Maria (Tim Staples vs. James Swan)

114

(Dave Armstrong. Traduzido por Gabriel Gomes. Revisado por Andressa Muniz) O apologista e amigo católico Tim Staples escreveu um novo livro sobre Mariologia, intitulado Eis Aqui Sua Mãe: Uma Defesa Histórica e Bíblica das Doutrinas Marianas. Em 10 de outubro de 2014, no blog Catholic Answers, ele fez um post relacionado, intitulado “Os apologistas também cometem erros!” Bem, é claro que sim (na medida do possível)! Não questiono isso. Estou questionando, no entanto, se estamos (imensamente) equivocados nesse ponto em particular. 

Primeiro de tudo: eu não estou tentando fazer disso uma grande batalha entre Tim e mim. De maneira alguma! É uma disputa amigável sobre uma pergunta fascinante. Tim é um cara legal. Eu gosto das coisas dele; ele também gosta do que escrevo. Nós nos conhecemos em 2011 no escritório do Catholic Answers, na Califórnia. Eu acho que é importante responder a este artigo, em particular, porque ele já está (o que era bem previsível) sendo explorado pelo apologista reformado católico James Swan. Escrevi no tópico do Catholic Answers sobre isso:

É de grande importância que resolvamos esse problema, já que protestantes anticatólicos vitriólicos como James Swan já estão tentando se utilizar de seu post, para fazer apologistas católicos parecerem estúpidos. Ele imediatamente tomou posse de seu post, datado de 11-11-14:

Essa é outra questão que está neste blog há muitos anos…  Estou ansioso para utilizar o Staples aqui na próxima vez que um dos apologistas de Roma apresentar isso… Eu acusei os defensores de Roma por anos de trabalho histórico desleixado e impreciso sobre a Reforma Protestante, especialmente a Mariologia dos Reformadores. Às vezes, é como tirar doce da boca de uma criança…  Para mim, basta que um dos defensores populares de Roma esteja dizendo algumas das mesmas coisas que venho dizendo há anos.

Assim, ele está usando a velha tática cansada de colocar um apologista católico (a quem ele considera relativamente mais inteligente) contra o resto da enorme quantidade de idiotas que ele acha que somos como classe, a fim de zombar dos apologistas católicos e a fé que eles defendem. Ele despreza todos nós. Ele está apenas tentando “usar” sua publicação para mostrar que os apologistas católicos em massa são pesquisadores desleixados e que não são confiáveis (exceto, é claro, quando chegam à mesma conclusão que ele).

É importante, então, que determinemos onde a verdade está aqui… Acredito que eu e outros (e você, anteriormente) estivemos corretos ao afirmar que Calvino aceitou o a Virgindade Perpétua de Maria. Este não é um faux pas (ou pior) que devemos corrigir, em público ou em privado.

Então, qual é exatamente a disputa em consideração? Aqui estão as principais passagens de Calvino que são usadas para demonstrar (embora não com absoluta conclusividade; eu concordo) que ele acreditava na virgindade perpétua de Maria:

Helvídio demonstrou excessiva ignorância ao concluir que Maria deve ter tido muitos filhos, porque os “irmãos” de Cristo são mencionados às vezes. (Harmony of Matthew, Mark and Luke, sec. 39 [Geneva, 1562], vol. 2 / From Calvin’s Commentaries, translated by William Pringle, Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 1949, p.215; on Matthew 13:55)

[Em Mateus 1,25] A inferência que ele [Helvídio] extraiu disso foi que Maria permaneceu virgem não mais que até seu primeiro parto, e que depois teve outros filhos pelo marido…  Nenhuma inferência justa e bem fundamentada pode ser extraída dessas palavras… sobre o que aconteceu após o nascimento de Cristo. Ele é chamado de “primogênito”; mas é com o único objetivo de nos informar que ele nasceu de uma virgem… O que aconteceu depois, o historiador não nos informa… Ninguém continuará obstinadamente com a discussão, exceto por uma extrema afeição por disputas. (Pringle, ibid., Vol. I, p. 107)

Sob a palavra “irmãos”, os hebreus incluem todos os primos e outras relações, qualquer que seja o grau de afinidade. (Pringle, ibid., vol. I, p. 283 / Commentary on John, [7:3])

Alguns protestantes argumentaram que esses textos são insuficientes para determinar o que Calvino acreditava, ou que ele próprio era agnóstico e não tomou posição sobre esse assunto, ou de fato se opôs à noção de que ela foi perpetuamente virgem. Tim escreveu em seu post recente:

Também aponto alguns erros que vão na outra direção. Católicos bem-intencionados – até mesmo alguns apologistas católicos – apresentaram coisas a respeito das crenças protestantes que estão completamente erradas.

E erro é erro, não importa a fonte.

… Calvino não acreditava na virgindade perpétua de Maria

Este segundo mito é ainda mais difundido…

O erro parece ter decorrido do mal-entendido de alguns poucos comentários do conjunto de três volumes de João Calvino, Commentary on a Harmony of the Evangelists, Matthew, Mark e Luke, traduzido pelo Rev. William Pringle (Biblioteca Etérea dos Clássicos Cristãos, 2009). Nos seus comentários sobre Mt 13, 55 e Mt 1, 25, no volume 1, ele diz que Helvídio assumiu que Maria teve outros filhos por causa da menção dos “irmãos do Senhor”, em Mateus 13, 55, e que assumiu que “José não a conhecia até …” significava Dizia-se que José conheceu Maria conjugalmente depois que Cristo nasceu.

Calvino correta e severamente (no bom estilo de Calvino) ensina que os “irmãos” do Senhor podem muito bem ser um idioma hebraico representando “primos” ou algum outro parente estendido. E ele também aponta que o “até” de Mt 1, 25 realmente não diz nada sobre o que aconteceu depois que Maria deu à luz. Foi usado lá para enfatizar a virgindade de Maria “até” aquele ponto.

[…]infelizmente, muitos católicos tomaram essas duas seções do comentário de Calvino fora de contexto e afirmam que isso significa que ele concordou com a Virgindade Perpétua de Maria. Mas, na verdade, ele nunca diz isso. Ele simplesmente conclui essas passagens das Escrituras se calam sobre o assunto. Elas não provam nem que sim nem que não quando se trata da virgindade perpétua de Maria.

Tim produz como prova de sua alegação, o comentário de Calvino sobre Lucas 1,34:

A conjectura que alguns extraíram dessas palavras, de que ela havia feito voto de virgindade perpétua, é infundada e completamente absurda. Nesse caso, ela teria cometido traição, deixando-se unir ao marido e despejando a santa aliança do casamento…

Ele adiciona: 

Observe aqui que ele não apenas nega que este texto possa ser usado para provar a Virgindade Perpétua de Maria, mas também nega a própria doutrina como uma possível consideração.

Agora, à primeira vista, essa evidência parecia bastante convincente para a posição de Tim. Mas eu sabia (porque já havia documentado isso anteriormente) que muitos estudiosos calvinistas e outros especialistas protestantes em Calvino, concordam que ele aceitou a virgindade perpétua, e então me perguntei o porquê, se Tim está correto, e comecei a procurar mais informações. Encontrei outra citação relacionada, que acho que afirma o que eu e outros temos discutido nesses muitos anos.

Mas Thuria, no seu Mother of All Christians (traduzido por Nevill B. Cryer, New York: Herder & Herder, 1963, pp. 39-40) – do qual eu tenho uma cópia em minha biblioteca – destaca um sermão de Calvino sobre Mt 1, 22-25, publicado em 1562 nas notas abreviadas de Denis Ragueneau. Aqui está a citação dele: 

Houve pessoas estranhas que desejaram sugerir nesta passagem [Mateus 1, 25] que a Virgem Maria teve outros filhos além do Filho de Deus, e que José então morou com ela mais tarde; mas que loucura é essa! Pois o escritor do evangelho não quis registrar o que aconteceu depois; ele simplesmente queria deixar clara a obediência de José e mostrar também que José tinha sido bem e verdadeiramente seguro de que foi Deus quem enviou seu anjo a Maria. Portanto, ele nunca morou com ela nem compartilhou sua companhia. Aí vemos que ele nunca conheceu a pessoa dela, pois estava separado da esposa. Ele podia se casar com outra ainda mais porque não podia desfrutar da mulher a quem estava noivo; mas ele preferiu perder seus direitos e abster-se do casamento, sendo ainda sempre casado: ele preferiu, digo, permanecer assim a serviço de Deus, em vez de considerar o que ele ainda achava que poderia encontrar. Ele havia abandonado tudo para poder se sujeitar totalmente à vontade de Deus.

Além disso, nosso Senhor Jesus Cristo é chamado de primogênito. Isso não ocorre porque houve um segundo ou um terceiro, mas porque o escritor do evangelho está prestando atenção à precedência. As Escrituras falam assim de nomear o primogênito, havendo ou não uma questão do segundo. Assim, vemos a intenção do Espírito Santo. É por isso que prestar-nos a sutilezas tolas seria abusar das Escrituras Sagradas, que, como diz São Paulo, “devem ser usadas para nossa edificação”.

Disso aprendemos muitas coisas: 

1. Serve como uma interpretação ou esclarecimento adicional de seu comentário supostamente “agnóstico” sobre Mateus 1, 25, afirmando a virgindade perpétua.

2. Mostra que a negação dele de um voto de virgindade perpétua por Maria não é necessariamente e nem de fato o mesmo que negar sua virgindade perpétua.

3. Calvino realmente acredita na doutrina tradicional, como vemos em sua declaração: “não porque havia um segundo ou um terceiro” e sua afirmação de que José nunca morou com Maria. Maria não teve mais filhos. É por isso que ele costuma se referir a ela como “a virgem” em seus escritos, assim como os católicos ao longo dos séculos. Implica virgindade perpétua.

4. Como eles nunca viveram juntos, de acordo com Calvino, obviamente eles não tiveram filhos juntos. Assim, Maria foi perpetuamente virgem.

5. Além disso, não se tratava de corromper o casamento, de acordo com seu comentário em Lc 1, 34, pois, para ele, eles nunca viveram juntos e, portanto, não estavam “unidos”. Assim, a dificuldade da crença que ele mantinha na virgindade perpétua de Maria, sugerida prima facie pelo seu comentário sobre Lucas 1, 34, desaparece. Para Calvino, as duas coisas são verdadeiras: Maria não fez tal promessa e não morou junto de uma maneira casta, pois ele acha que eles não moravam juntos.

Este sermão de 1562 pode ser uma das razões pelas quais muitos estudiosos protestantes (incluindo calvinistas) concordam que Calvino aderiu à virgindade perpétua de Maria, como observei no meu artigo há mais de quatro anos:

David F. Wright, em seu livro, Chosen by God: Mary in Evangelical Perspective (London: Marshall Pickering, 1989, pp. 173, 175), afirmou: 

Seu biblicismo mais cuidadoso poderia insistir apenas que Maria se absteve de ter relações sexuais antes do nascimento de Jesus (ou seja, sua virgindade ante partum). Por outro lado, ele nunca excluiu como insustentáveis os outros elementos em sua perpétua virgindade, e pode-se dizer que ele próprio acreditou sem afirmar que as Escrituras o ensinaram… [Calvino] geralmente fala de Maria como “a santa Virgem” (e raramente tão simplesmente quanto “Maria” preferindo “a Virgem” etc.).

Thomas Henry Louis Parker, no seu Calvin: an Introduction to his Thought (Westminster John Knox Press, 1995), concorda:

[…] o parto virginal, o qual Calvino defende, juntamente com a virgindade perpétua de Maria. (p. 66)

Ele é o autor de vários livros sobre Calvino, como: John Calvin: A Biography (Westminster John Knox Press, 2007), e Oracles Of God: An Introduction To The Preaching Of John Calvin (Lutterworth Press, 2002), Calvin’s New Testament Commentaries (S.C.M. Press, 1971), Calvin’s Preaching (Westminster John Knox Press, 1992), Calvin’s Old Testament Commentaries (Westminster John Knox Press, 1993), e muitos volumes relacionados a Calvino, além de seu o tradutor do Harmony of the Gospels de Calvino em sua Eerdmans edition de 1995. 

Presumidamente, ele sabe o bastante sobre Calvino par ter uma base para sua posição nesta questão e sobre a posição do próprio Calvino. 

O artigo Mary (Por Davi F. Wright) na Encyclopedia of the Reformed Faith (editada by Donald K. McKim, Westminster John Knox Press,1992, p. 237), proclama: 

Calvino era igualmente menos claro do que Lutero na virgindade perpétua de Maria, mas, sem dúvida, era a favor. Notas na Bíblia de Genebra (Mt 1,18-25; “irmãos” de Jesus) a defendem, assim como Zwinglio e os reformadores ingleses.

Donald G. Bloesch, no seu Jesus Christ: Savior and Lord (Downers Grove, Illinois: InterVarsity Press, 2006, p. 87), junta-se ao coro:

O Protestantismo… permaneceu notoriamente aberto à ideia da virgindade perpétua de Maria. Entre outros, Lutero, Calvino Zwinglio, Wolleb, Bullinger e Wesley afirmavam que Maria foi sempre virgem (semper virgo). A Segunda Confissão Helvética e a Bíblia de Genebra da fé Reformada e os artigos do Schamalkald das igrejas luteranas afirmam isso. 

Goeffrey W. Bromiley no seu artigo, Mary the Mother of Jesus na International Standard Bible Encyclopedia: K-P (editada por Bromiley, edição revisada de 1994 publicada pela Eerdmans [Grand Rapids, Michigan], p. 269), escreveu:

O conceito de post partum ou virgindade perpétua é defendido por alguns protestantes e foi defendido por muitos reformadores (e.g., Calvino no seu sermão sobre Mt 1, 22-25) […]

Note que ele se refere ao sermão que eu citei acima, não somente aos Comentários de Calvino. E isso é da edição revisada da International Standard Bible Encyclopedia: não é uma fonte que alguém possa desprezar facilmente. 

Darek W. H. Thomas, escrevendo em A Theological Guide to Calvin’s Institutes: Essays and Analysis (editado por David W. Hall & Peter A. Lillback; Presbyterian & Reformed Publishing [Calvin 500 series]: 2008, p. 212), faz uma referência casual: “uma virgindade perpétua na visão de Calvino”.

Ele é um professor de teologia sistemática e pastoral no Reformed Theological Seminary. Sua dissertação de doutorado foi devotada à pregação de Calvino sobre o livro de Jó. 

Timothy George concorda, com breve qualificação: 

“Pode se afirmar com certeza, não há nada teologicamente problemático em afirmar a virgindade perpétua de Maria. Essa venerável tradição, que teve seu primeiro reconhecimento dogmático em 553, no Quinto Concílio Ecumênico, foi afirmada por Lutero, Zwinglio, e Calvino durante a Reforma, apesar de Calvino ter sido mais agnóstico sobre essa crença do que os outros dois reformadores.” (em Mary, Mother of God, editado por Carl E. Braaten and Robert W. Jenson, Grand Rapids, Michigan: Eerdmans Pub. Co.: 2004; p. 109) 

Dr. George é o reitor da Beeson Divinity School na Samford University, onde ensina história da Igreja e serve como editor-executivo da Christianity Today. 

Ele serviu no Conselho de Administração da Convenção Batista do Sul, escreveu mais de vinte livros e contribui regularmente para revistas acadêmicas. Seu livro Theology of the Reformers é usado como livro-texto em muitas escolas e seminários.

J. A. Ross MacKenzie escreveu: “Calvino, assim como Lutero e Zwingli, ensinou a virgindade perpétua de Maria”(em Alberic Stacpoole, editor, Mary’s Place in Christian Dialogue, Wilton, Connecticut: Morehouse-Barlow, 1982, 35-36). O Dr. Mackenzie foi professor de história da igreja no Union Theological Seminary, na Virgínia, e traduziu ou escreveu mais de vinte livros de teologia.

Robert H. Stein, professor de interpretação do Novo Testamento no The Southern Baptist Theological Seminary, também concorda:

“Se alguém acredita na virgindade perpétua de Maria, um ensinamento mantido não apenas pelo catolicismo romano, mas também pela ortodoxia grega, Martin Luther e John Calvin, então a visão helvidiana deve ser rejeitada. (Mark [Commentary], Grand Rapids, Michigan: Baker Academic: 2008, p. 187)”.

O sucessor de Calvino, Theodore Beza, argumentou que católicos e protestantes concordam com a virgindade perpétua de Maria, no Colóquio de Poissy em 1561 (ver William A. Dyrness, Reformed Theology and Visual Culture: the Protestant Imagination from Calvin to Edwards, [Cambridge University Press, 2004], pp. 86-87).


Tim Staples deu uma longa resposta nos comentários que eu não acho que (com todo o respeito) refutou o cerne da minha objeção: o que Calvino declarou claramente em seu sermão. Ele também não explicou por que tantos estudiosos protestantes e / ou calvinistas sustentam que ele aceitou a virgindade perpétua de Maria. Uma coisa para nós, católicos, é ver alguns textos e expressar nossas opiniões. O estudioso calvinista ou protestante de Calvino, que tem uma opinião sobre esse assunto, será muito mais informado, como especialista e defensor do calvinismo, conforme o caso, do que nós seriamos (em geral). Também conheceria muito mais do que um polemista reformado charlatão, como James Swan, que faz pronunciamentos regularmente sobre assuntos como se ele fosse algum tipo de especialista acadêmico em quem se confia tanto quanto acadêmicos reais. Eu apoio minhas alegações com estudiosos, tanto quanto possível. Swan faz suas alegações (muitas vezes bastante dogmáticas) (repletas da zombaria onipresente dos católicos e do catolicismo que é modus operandi), quer os estudiosos concordem com ele ou não.

Tais estudiosos protestantes também geralmente desacreditavam em muitas das doutrinas marianas; portanto, se eles afirmam que Calvino acreditava nisso, é provável que sim, pois o viés deles seria uma posição que ele não acreditava. Nesse sentido, eles são uma espécie de “testemunhas hostis”.

James Swan então entrou na conversa com sua melodia habitual de uma nota, primeiro escrevendo em seu blog sobre o meu comentário no tópico:

Foi deixado um comentário pelo Sr. Staples dando (entre outras coisas) uma citação de Calvino de uma fonte secundária (isto é, nenhum contexto original ou completo) documentando um sermão de Calvino (uma citação de Calvino em inglês que foi traduzida do francês, originalmente de notas abreviadas), extraídas de um diário francês, não do sermão original (ou seja, a fonte secundária utilizou uma citação de Calvino de um diário).

Depois, no mesmo tópico, ele respondeu: 

Se bem me lembro, Max Thurian escreveu seu livro em francês. Foi então traduzido para o inglês. Se alguém checa a documentação de Thurian para obter sua citação de Calvino, não me parece que ele tenha realmente utilizado uma fonte primária, mas tirou sua citação de La Revue réformée 1956/4, pp. 63-64. Em outras palavras, a citação de Calvino em questão, apresentada em inglês, veio do francês e foi tirada de um diário francês. Onde o jornal francês conseguiu isso? O artigo da revista usou a fonte primária? Estas são as perguntas que eu faria imediatamente. Sem ler algo no contexto, fazer pronunciamentos sobre o que Calvino acreditava ou não pode não ser a melhor coisa a fazer.

[…] Essas são as coisas básicas que pergunto ao analisar os textos. De fato, pode ser que não tenha havido distorção do que Calvino originalmente disse na apresentação de Thurian. Uma pessoa cuidadosa, porém, deve se certificar de examinar a trilha de evidências antes de tirar conclusões dogmáticas.

Mais uma vez, para aqueles que não estão familiarizados com o modus operandi de Swan (com o qual eu observei e interagi por mais de doze anos), ele parece objetivo e sem um machado para moer. Agir com suas costumeiras bravatas não seria o seu propósito, então ele “se comporta”. Sua insinuação é que Tim Staples é “cuidadoso”, enquanto a grande maioria dos apologistas católicos não é. E é isso que Swan tem contestado há anos, com particular ânimo contra meus pontos de vista sobre a mariologia de Martinho Lutero. É a rotina do “dividir e conquistar”. Ele está simplesmente usando cinicamente as visões de Tim Staples como um meio de apresentar o mesmo apologista anticatólico e o ponto anticatólico que ele sempre tenta fazer.

O fato é que Swan pode falar sobre o “contexto” o quanto ele quiser e entender que mesmo os não acadêmicos devem sempre ler o contexto original no idioma original (o que ele não faz) para decidir qualquer coisa. Ele não é um estudioso. Os homens que cito são eruditos e, por alguma estranha razão, concluem (contra o mero blogueiro Swan) que Calvino acreditava na virgindade perpétua de Maria.

É por isso que os estudiosos existem em primeiro lugar: se especializar em coisas que a maioria de nós não tem a capacidade nem o desejo de se especializar. Nós os consultamos para obter respostas para essas coisas. Geoffrey W. Bromiley (ao contrário de Swan) é um estudioso e, na International Standard Bible Encyclopedia (editada por ele mesmo: edição revisada de 1994), ele declarou:

“O conceito de post partum ou virgindade perpétua é defendido por alguns protestantes e foi defendido por muitos reformadores (e.g., Calvino no seu sermão sobre Mt 1, 22-25) […].”

De alguma forma, ele acha que esse sermão é uma evidência sólida de que Calvino acreditava na virgindade perpétua de Maria. De alguma forma, outro estudioso como Thomas Henry Louis Parker, o próprio editor dos Comentários de Calvino e autor de cerca de dez obras sobre ele, concorda com Bromiley. Por quê? Eles também tiraram as coisas do contexto ou carecem de “cuidado” com as fontes primárias? Eles pularam para conclusões dogmáticas, quando não se inclinariam pela predisposição? Eu acho que não.

Em tais disputas sobre fatos históricos, deve-se consultar os estudiosos mais familiarizados com a pessoa cujas opiniões estão sendo discutidas. Tim Staples não é um estudioso de Calvino e nem um historiador. Nem James Swan. Nem eu. Mas eu consulto os estudiosos que estão em posição de decidir essas coisas, enquanto Tim e Swan (em relação a essa questão) até agora ignoraram essa evidência relevante, por algum motivo inexplicável.

Outro argumento interno baseado nos próprios comentários de Calvino pode ser produzido. Eu mencionei isso na página 60 do meu livro de 2010, The Catholic Mary: Quite contrary the bible? Em seu (Vol. II, p. 65; “traduzido do latim original e colado com a versão francesa do autor, por William Pringle), Calvino está comentando Lucas 8,19 (“E sua mãe e seus irmãos vieram a ele”), e menciona casualmente que as passagens paralelas dos “outros dois evangelistas. . . representam a mãe e os primos de Cristo como tendo chegado… ”. As outras duas passagens são as seguintes:

Mateus 12, 46: Enquanto Jesus ainda falava às multidões, sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar com ele. 

Marcos 3, 31: Chegaram então a mãe e os irmãos de Jesus. Ficando do lado de fora, mandaram chamá-lo. 

Isso é fascinante. Calvino não está sendo neutro ou agnóstico aqui, quanto ao significado específico de adelphos nesses casos. Ele assumiu uma posição definida: significa “primos”. Ele acredita que Jesus não tem irmãos e que esses casos de adelphos / adelphe / “irmãos” / “parentes” não provam o contrário (como inúmeros argumentos contrários contra a virgindade perpétua assumem falsamente o caso). Calvino adotou a teoria clássica dos “primos” quanto ao significado dos “irmãos de Jesus” nas Escrituras (que é a visão usual que os comentaristas católicos adotam). 

Isso contradiz diretamente o que Tim Staples afirmou (acima) sobre as opiniões de Calvino. Ele escreveu:

Calvino correta e severamente (no bom estilo de Calvino) ensina que os “irmãos” do Senhor podem muito bem ser um idioma hebraico representando “primos” ou algum outro parente estendido… Infelizmente, porém, muitos católicos tomaram essas duas seções do comentário de Calvino fora de contexto e afirmam que isso significa que ele concordou com a Virgindade Perpétua de Maria. Mas, na verdade, ele nunca diz isso. Ele simplesmente conclui que essas passagens das Escrituras se calam sobre o assunto. Elas não provam nem que sim nem que não quando se trata da virgindade perpétua de Maria.

Agora, isso se mostrou falso, tanto no sermão de 1562 quanto na Harmonia dos Evangelhos, em Lucas 8, 19, onde Calvino definitivamente opta pelo significado de “primos”. Portanto, ele realmente “diz isso” neste outro lugar em seu corpus de comentários bíblicos. Ele está assumindo a posição de virgindade perpétua ou, pelo menos, uma visão perfeitamente consistente com ela (Jesus descreveu que “irmãos” eram primos / Ele não tinha irmãos). Mas o que claramente não é, é uma posição agnóstica ou neutra (pelo menos em relação a esses usos de adelphos / adelphe), como Tim afirma que é. Mais tarde, ele escreveu nos comentários (respondendo a mim):

Acredito que Calvino rejeitou a Virgindade Perpétua de Maria em seus comentários sobre Mateus, Marcos e Lucas, e acho que muitos de nós tomamos esse trabalho fora de contexto ao longo dos anos[…]. Uso de seu comentário sobre Mateus, Marcos e Lucas, específico para seus comentários sobre Mt, 13, 55 e especialmente Mt 1, 25 está errado, na minha opinião.

Quando você considera que Calvino explicitamente se posiciona entre Helvidio e Jerônimo em seu comentário sobre Mt 1, 25, ele diz que o texto não termina de qualquer maneira e, em seguida, ele coloca em nota seu próprio trabalho em Mt 1, 25 quando ele comenta sobre Mt 13, 55 que os “irmãos do Senhor” poderiam ser um termo hebraico para outra relação prolongada, que me parece mais agnóstico do que declarativo da Virgindade Perpétua de Maria.

Não é mais agnóstico, quando Calvino interpreta as passagens de Mateus e Marcos (e por forte implicação, também em Lucas) como significando “primos”. Novamente, tenho certeza de que esses dados fazem parte do raciocínio do porquê tantos estudiosos protestantes e especificamente calvinistas acreditam que Calvino sustentou a virgindade perpétua de Maria.

Tampouco há qualquer sugestão de que Calvino tenha tergiversado, tanto quanto posso dizer, em todas essas informações, reunidas. Minha opinião é uma explicação perfeitamente plausível e autoconsistente para tudo isso, de acordo com o que os estudiosos de Calvino também dizem: ele acreditava na perpétua virgindade de Maria. Ele não tergiversa nele; ele não parecia mudar de opinião ao longo do tempo, simplesmente não era tão explícito quanto Lutero e outros sobre essa questão. É necessário um pouco de escavação para verificar sua posição (o que fizemos).

Também não acho que Calvino fosse “neutro” ou “agnóstico” em relação a Mateus 1, 25 e o notório argumento “até” daqueles que negam a virgindade perpétua. Aquele texto não afirma nem nega a virgindade perpétua em si mesma. Até agora, todos concordamos, eu acho. O que os detratores da doutrina fazem é insinuar que “até” implica atividade sexual da parte de Maria após o nascimento de Jesus. Calvino responde firmemente que não faz isso. Ele abate este argumento muito comum, feito pelos protestantes o tempo todo hoje. Ele responde precisamente como faria um apologista católico: argumentando que o texto não prova o que se clama que ele supostamente prova.

Para mim, essa não é uma posição agnóstica ou descomprometida. É a favor da virgindade perpétua (ou se queremos procurar defeitos) totalmente consistente com ela, e inconsistente com um dos argumentos bíblicos mais comuns feitos contra ela. O argumento dos “irmãos” é o outro argumento mais comum (e completamente falacioso) apresentado. Calvino ressalta que a palavra nem sempre significa “irmãos”. Ele está exatamente certo.

Mas se isso soa neutro ou agnóstico em seu comentário sobre Mateus 13, 55, não é quando ele comenta Lucas 8, 19 (e também sobre Mateus e Marcos) e diz que o significado de “irmãos” nas passagens paralelas é “primos”. Ele não é mais neutro, indeciso, comprometido ou agnóstico. Ele tomou uma posição. E é exatamente o que esperaríamos que ele argumentasse, se é que ele se apega à virgindade perpétua de Maria, como acredito que ele fez.

Acho que o argumento de Tim entra em colapso em todos os aspectos (desculpe, Tim!). O sermão de 1562 foi um golpe decisivo. Explicou que a objeção de Calvino a um voto de virgindade não significava que ele negava a virgindade perpétua de Maria, como explicado acima. Ele disse que os comentários de Calvino são muito mais confiáveis do que o sermão. Muito bem, então: se (com ou sem razão) queremos dar alguma “prioridade” aos Comentários, agora o comentário sobre Lucas 8, 19 deve ser tratado, e isso não favorece a posição de Tim. Ele minou a própria essência (repetida várias vezes por Tim): que Calvino supostamente não se posicionou e apenas discutiu uma gama de possibilidades.

Em outro exemplo de Calvino interpretando um “irmão de Jesus” como primo, temos seu comentário em Gálatas 1, 19 (“Mas eu não vi nenhum dos outros apóstolos, exceto o irmão de Tiago, o Senhor”.):

Exceto Tiago. Quem era esse Tiago merece uma investigação. Quase todos os antigos concordam que ele era um dos discípulos, cujo sobrenome era “Oblias” e “O Justo”, e que presidia a igreja em Jerusalém. (33) Ainda outros pensam que ele era filho de José por outra esposa, e outros (o que é mais provável) que ele era primo de Cristo pelo lado da mãe: (34) mas como ele é mencionado aqui entre os apóstolos, eu não tenho essa opinião. Também não há força na defesa oferecida por Jerônimo, de que a palavra apóstolo às vezes é aplicada a outros além dos doze; pois o assunto em consideração é o mais alto posto de apostolado, e veremos atualmente que ele foi considerado um dos principais pilares. (Gálatas 2, 9.) Parece-me, portanto, muito mais provável, que a pessoa de quem ele está falando é filho de Alfeu. (35)

A nota de rodapé 35 elabora mais o assunto: 

Isso é totalmente consistente com a opinião comum, de que Alfeu ou Cléofas era o marido da irmã de Maria, mãe de nosso Senhor, e, consequentemente, que Tiago, filho de Alfeu, era primo de sangue de nosso Senhor.

Tudo isso é perfeitamente consistente com, senão por evidência direta, a crença de Calvino na virgindade perpétua de Maria.

Tim fez outra resposta no tópico, consistindo principalmente em reiterações do que ele já disse (o que nunca é um bom sinal do vigor e da força de um argumento: ele deveria ser capaz de se defender contra críticas). Ele respondeu:

De fato, se você quiser corroborar com sua posição, eu recomendaria o comentário de Calvino sobre Gal. 1,19,

Eu já havia feito argumento no comentário # 26 [logo acima do comentário dele, onde ele afirmou isso]. Mas fico feliz em ver que você encontrou isso também.

Tudo isso é ótimo para a apologética católica, mas não acredito que sejam provas definitivas de que Calvino acreditava na virgindade perpétua da Santíssima Virgem Maria. 

Novamente, você ignora completamente as opiniões dos estudiosos de Calvino: que ele acreditava nisso. Por quê? Por que eles acham isso? Por que você tem tanta certeza de que eles estão errados? Então você realmente acha que um cara como Thomas Henry Lewis Parker está completamente no mar quando afirma isso; que ele não está familiarizado com todos os textos relevantes em Calvino, e que o entendimento dele de tudo isso é inferior ao seu? Ele é o autor de: 

Calvin: an Introduction to his Thought (Westminster John Knox Press, 1995).

John Calvin: A Biography (Westminster John Knox Press, 2007).

Oracles Of God: An Introduction To The Preaching Of John Calvin (Lutterworth Press, 2002).

Calvin’s Preaching (Westminster John Knox Press, 1992).

Editor de Calvin’s New Testament Commentaries (S.C.M. Press, 1971),

Editor de Calvin’s Old Testament Commentaries (Westminster John Knox Press, 1993)

Tradutor de Calvin’s Harmony of the Gospels (1995 Eerdmans edition).

Ele traduziu os comentários de Calvino sobre Gálatas, Efésios, Filipenses, e Colossenses em 1965 em seu Commentary on John (1959-61).

Segundo você, a The Encyclopedia of the Reformed Faith está completamente errada. Donald G. Bloesch está errado. Geoffrey W. Bromiley na International Standard Bible Encyclopedia está errado.

Darek W. H. Thomas, escrevendo em A Theological Guide to Calvin’s Institutes: Essays and Analysis (editado por David W. Hall & Peter A. Lillback; Presbyterian & Reformed Publishing [Calvin 500 series]: 2008, p. 212), faz uma referência casual: “uma virgindade perpétua na visão de Calvino!” Ele é um professor de teologia sistemática e pastoral no Reformed Theological Seminary. Sua dissertação de doutorado foi devotada à pregação de Calvino sobre o livro de Jó. Mas ele também está errado.

Timothy George, reitor da Beeson Divinity School da Samford University e editor- executivo do Christianity Today está errado. Robert H. Stein, professor de interpretação do Novo Testamento no The Southern Baptist Theological Seminary, está absolutamente errado. Theodore Beza, sucessor de Calvino, estava errado ao afirmar que os calvinistas aceitavam a doutrina, em uma tentativa de concílio ecumênico em 1561, durante a vida de Calvino.

Você ignora tudo isso. Todos esses estudiosos são incompetentes em seu próprio campo de especialização. Eu acho que você pensa que eles também citaram Calvino fora de contexto, assim como (se você estiver certo) dezenas de apologistas católicos (como Jimmy Akin, Scott Hahn, Pe. Stravinskas, vários artigos da EWTN, etc.). O Catholic Answers em seu tratado Mary: Ever Virgin concorda com a minha opinião:

“Hoje, a maioria dos protestantes não têm conhecimento dessas crenças antigas sobre a virgindade de Maria e a interpretação adequada dos ”irmãos do Senhor”. E, no entanto, os próprios reformadores protestantes – Martinho Lutero, João Calvino e Ulrich Zwinglio – honraram a virgindade perpétua de Maria e a reconheceram como ensinamento da Bíblia, assim como outros protestantes mais modernos.”

Então agora isso também precisa ser revisto?

Seu argumento (que você simplesmente repete aqui; nada de novo) do comentário de Calvino sobre Lucas 1, 34 foi refutado pelo sermão de 1562. Calvino pensou que Maria e José nem sequer moravam juntos. Assim, a “dificuldade” que você acha atraente desaparece.

Você dispensa o sermão por motivos inadequados (portanto, você não tenta responder a essa consideração adicional relevante). Como é, então, que Geoffrey Bromiley, na International Standard Bible Encyclopedia, parece pensar que são fortes evidências? “O conceito de post partum ou virgindade perpétua é defendido por alguns protestantes e foi defendido por muitos reformadores (e.g., Calvino no seu sermão sobre Mt 1, 22-25)”.

Você pode ignorar esses dados relevantes dos estudiosos da Calvino pela terceira ou quarta vez, se desejar, mas isso não ajudará no seu caso. Toda dissertação de doutorado revisa a literatura, para ver qual é o consenso dos estudiosos sobre uma questão específica. Não é considerada a falácia de “apelo à autoridade” quando eles fazem isso. E não é, porque não é só isso que eles produzem. Eles também argumentam em suas dissertações, assim como eu estou apresentando vários argumentos a partir de textos primários de Calvino, mas também observando o consenso dos estudiosos de Calvino e professores de história etc. que examinaram o assunto. Isso não é nada insignificante. No entanto, quando se trata do que dizem os especialistas acadêmicos, você deseja ignorá-los e descartá-los completamente.

Você certamente não tem um consenso acadêmico neste assunto.

Eu sou o único nesta discussão que realmente citou estudiosos! Eu não acho que você tenha citado uma única (eu posso ter esquecido, e pode estar no seu livro; mas não aqui). Na melhor das hipóteses, alguns que dizem que Calvino era menos explícito que Lutero (com o qual concordo em primeiro lugar). Assim, David F. Wright diz: “Calvino era igualmente menos claro do que Lutero na virgindade perpétua de Maria, mas sem dúvida a favoreceu”.

Isso não quer dizer que a opinião seja provisória, ou que ele tenha tergiversado, ou seja agnóstico, ou apenas aberto à possibilidade, ou tenha mudado de ideia nos últimos anos etc. Diz o que diz: “sem dúvida a favoreceu”. Timothy George escreveu: “afirmado por Lutero, Zwinglio e Calvino durante a Reforma, embora Calvino fosse mais agnóstico sobre essa crença do que os outros dois reformadores”. Sim; Concordo. Ele era menos direto do que Lutero (a maioria das pessoas é!), mas ainda assim, segundo o Dr. George, “afirmou”.

Todos estão olhando para a mesma evidência que você e eu vimos. Esta é a conclusão a que eles chegam. Eu acho que eles estão certos, e que os apologistas católicos estão certos sobre isso, e polemistas anticatólicos como James Swan estão errados.

Não tenho problema em dizer quando os “reformadores” protestantes entendem errado, ou quando mudam de ideia mais tarde. Por isso, modifiquei minha visão da visão de Lutero sobre a Imaculada Conceição, que ele mudou mais tarde na vida. Eu chamo sua posição de “purificação imaculada”, porque ele não a colocou mais na concepção dela. Mudei de ideia em parte por causa de alguns argumentos produzidos por anticatólicos. Verdade é verdade, onde quer que seja encontrada.

Mas mudei de ideia e escrevi sobre isso há, quase exatamente, quatro anos atrás. Portanto, você não é o único apologista católico que pode mudar de ideia se os fatos o justificarem (para que inimigos da fé como James Swan comecem a dizer que você é uma “voz solitária” a esse respeito). Eu já fiz isso muitas vezes.

Mas, como mencionei no início, anticatólicos como Swan só vão explorar o seu artigo (ele já o fez), uma vez que diz que quase todos os apologistas católicos estão errados sobre isso há anos, e você se torna o “denunciante” por integridade e verdade.

Isso é uma vergonha; especialmente quando não vejo que seu argumento foi bem-sucedido.

Tim respondeu longamente novamente no tópico. Aqui está a nosso debate:

Eu adoraria concordar com esses estudiosos protestantes que você citou. Isso tornaria minha vida mais fácil. Mas como posso, quando li o texto acima, que lhe dei?

Ao aceitar o sermão de 1562 como a palavra mais “definitiva” sobre o assunto que temos (até onde eu sei)!

Um apelo à autoridade dos estudiosos calvinistas é bom e interessante, mas você pode pelo menos entender por que isso não seria suficiente para mim?

Tecnicamente, não apelo apenas à autoridade deles ou dizendo: “acredite porque esses especialistas acreditam nisso, e ninguém pode fazer o contrário”. Entendo muito bem as falácias lógicas, como o veterano de mais de 700 debates on-line e argumentos apologéticos há 33 anos.

Meu desafio para você foi uma forma mais sutil de argumento: “Por que você acha que todos esses caras parecem concordar que Calvino defendeu a virgindade perpétua, se, de fato (e em sua mente), é tão obscuro, confuso e indefinido?” O viés não explica isso, porque o viés natural deles seria se opor a ela, pois eles provavelmente não a defendem  (a maioria deles; embora eu tenha lido que até o Kuyper acreditava nisso). Você questiona a validade do sermão de 1562, mas Bromiley não o fez e fez dele sua prova declarada.

Para mim, é uma curiosidade: como um cara eminente na academia concluiu que Calvino acreditava na virgindade perpétua, com base em algo que você quase nem considera? A razão mais plausível para mim seria que ele acha que é genuíno e realmente reflete o pensamento de Calvino, dois anos antes de sua morte. O estudioso tem que defender o que afirma aos colegas e será deixado às moscas se não puder. As apostas são muito maiores para eles, em tudo o que argumentam.

Devo dizer isso também. Eu estou gostando bastante disso. Felizmente, todos que estiverem lendo isso farão a pesquisa e se decidirão.

Sim, é divertido, e essa é a utilidade do diálogo. Encontrei novos argumentos que, em minha opinião, ajudam meu lado, ao serem desafiados a fazer um backup mais completo. E parece que você fez o mesmo do seu lado.

Eu realmente aprecio a atenção de Dave nos detalhes neste assunto. Queria que todos os envolvidos no trabalho de apologética fossem tão intensos.

Obrigado, igualmente. 

E ainda tenho que ouvir uma resposta para minhas dúvidas em relação a essas outras declarações.

Já disse pelo menos duas vezes agora que o que Calvino disse em seu sermão pode explicar isso, acredito. Ele não vê isso como uma situação “regular”. Ele supõe que José e Maria nem moravam juntos. Portanto, não há “monstruosidade” de um homem e uma mulher estarem sob o mesmo teto, e sendo castos. Eles não estão juntos em primeiro lugar! Se ele quer morrer na praia ao dizer que sem consumação não pode haver casamento, José e Maria não eram casados aos seus olhos, embora a Bíblia diga que eram, e me parece que ele coloca sua opinião acima mesmo da Bíblia naquele ponto.

Mas é assim que respondo a toda sua linha de argumentação sobre Calvino e a absoluta necessidade de relações sexuais para um casamento, na mente dele. Você obviamente discorda, mas é algum tipo de resposta, concorde ou não. Portanto, é incorreto dizer que não respondi a isso. Incorporei o sermão no que considero uma interpretação consistente que leva todos os dados em consideração, enquanto seu método é descartar o sermão como inautêntico ou de relevância geral dúbia.

Eu diria: “utilize todos os recursos e conexões disponíveis no Catholic Answers e descubra mais sobre esse sermão; pegue o original e encontre um cara que saiba latim ou francês (qualquer que seja o original), para que tudo possa ser resolvido.” Vocês têm o dinheiro e 40 ou mais pessoas. Eu tenho muito pouco dinheiro e sou apenas eu. 

Pesquisei e pesquisei on-line e não consigo encontrar mais informações sobre isso. Se tudo der certo, eu concordaria que o seu caso é relativamente mais plausível, embora eu ainda acredite que ele defendeu a virgindade perpétua, com todas as evidências, mesmo sem a participação do sermão. Se for determinado que é absolutamente autêntico, acho que você precisa lidar diretamente com isso e explicar como isso não prova que ele defendeu o dogma.

E especialmente no caso de Mt 1, 25, Calvino diz explicitamente que o texto não pode ser usado para concluir qualquer posição.

Eu lidei com isso antes. Os defensores dos “irmãos” seguem Helvídio e argumentam que o famoso “até” aqui prova as relações sexuais. Calvino afirma firmemente que não o faz de maneira alguma. Para mim, isso é mais uma defesa da tradição, mesmo que ele também diga ou implique em dizer que ninguém possa concluir de qualquer maneira com base nisso. Mas ele afirma que o argumento “pró” falha nesse momento – ele o abate e insulta virtualmente aqueles que o fazem – e isso é bastante significativo, já que esse é um dos pontos centrais de seu argumento.

Eu acho que tudo vai junto. Este argumento; o fato de ele afirmar duas vezes que adelphos significava “primos” e não irmão – “irmão”; o sermão, o uso da “santa virgem”, o testemunho de Beza, o aparente consenso dos acadêmicos reformados. É um argumento cumulativo, com o sermão como argumento decisivo, na minha opinião, mas ainda forte e plausível, mesmo sem ele.

Mas (aqui está a sua força) sem o que ele diz no sermão, seu argumento das opiniões dele sobre o casamento seria muito mais convincente, pois eles não seriam combatidos e superados pelo que ele declarou no sermão. Portanto, o sermão parece estar no centro de todo o debate, e precisamos aprender mais sobre ele: senão por outro motivo, a não ser a satisfação da curiosidade!

Reconheço que seu argumento (no final) é mais convincente se o sermão for irrelevante. Mas o que você diz se é apoiado pela academia e se mostra absolutamente autêntico e tardio em sua vida também?

Obrigado pela discussão amigável!


Então fui procurar o sermão em questão. Eu tinha uma ideia de onde ele poderia ser encontrado e escrevi no tópico:

Eu acho que o sermão provavelmente faria parte do Corpus Reformatorum, uma vez que os volumes 29-87 são dedicados a suas obras. Está em latim (a menos que algumas coisas sejam francesas). Só precisamos descobrir em que volume está. Muitos volumes estão disponíveis no Google Livros.

Comecei a pesquisar volumes online; fui para o volume do índice e encontrei “Sermões na Natividade” no Volume 46. Então escrevi:

Tenho quase certeza de que o encontrei. Acesse este link e faça o download do pdf do vol. 46 (“Tomo 46”) do Corpus Reformatorum. É chamado de “Sermão 22” na Harmonia dos Evangelhos, que trata de Mateus 1, 22-25, e vai das páginas 259-272. É em francês.

Fiz isso e recortei e colei o sermão inteiro. As páginas de tradução do Google e do Babylon revelaram que era realmente o sermão em questão, com base em uma comparação com a versão da Thurian (acima). Depois publiquei em uma página separada e perguntei no Facebook se alguém poderia traduzir a última parte. Gregory Fast fez isso.

Felizmente, somos incrivelmente abençoados por James Swan, um blogueiro anticatólico, que não sabe francês, tanto quanto eu sei, anunciar (no tópico da CA) que ele também passou pelo sermão e que “A tradução do livro de Thurian é precisa.” Uau! Isso resolve! Agora todos podemos descansar à noite, sabendo que alguém que não fala francês, um blogueiro sem credenciais com uma propensão a classificar apologistas católicos profissionais como “psicóticos” – proclamou com autoridade que a parte de um sermão de Calvino transmitida pelo falante nativo francês Max Thurian, nascido em Genebra, cidade de Calvino, é “precisa”. A citação de Thurian não era boa o suficiente para Swan. Ele teve que fazer um julgamento, ele mesmo, com toda a sua sabedoria, antes de confiar nele. Agora ele faz, e assim todos nós podemos passar o dia com uma primavera em nossos passos, sabendo que Swan confirmou uma citação como autêntica.

Swan é o que sempre fala com seu tom uníssono sobre ir às fontes originais e fazer pesquisas “ad fontes”, zombando incessantemente de apologistas católicos (ou daqueles que se fazem passar por isso). Ele fala um bom jogo (cara, ele com certeza fala!), mas ele não segue seus próprios conselhos. Ele o aplica seletivamente apenas a apologistas católicos, a quem ele despreza e detesta. Ele escreveu no tópico:

Eu localizei o sermão, bem como o lugar no texto da citação de Thurian. A tradução do livro de Thurian é precisa[…] O sermão em si não era tão difícil de localizar, e é fácil identificar o local no texto em francês.

Uau. É assim mesmo? Acabei de descobrir o sermão há alguns dias e, ontem à noite, o localizei em sua fonte principal, sem a ajuda de Swan, que aludiu a encontrá-lo no tópico, mas não postou a referência, como eu fiz. Swan, no entanto, conhece pelo menos uma parte deste sermão há mais de sete anos. Por que, então, ele não desenterrou isso até agora, já que, como ele disse na noite passada, “não era tão difícil de localizar”? Ele continua falando sobre as fontes originais e leva quase oito anos para encontrar essa, entre seus oito ou mais artigos sobre a Mariologia de Calvino?

Em 17 de janeiro de 2007, Swan escreveu um artigo em seu blog intitulado “Tédio bibliográfico sobre os reformadores e a virgindade perpétua”. Nele ele discute (como ele o fez 39.584 vezes) sobre o quão estúpidos apologistas católicos são. Ele citou uma parte deste sermão que um deles postou no quadro de discussão anticatólico da CARM:

Calvino: “Houve pessoas que desejaram sugerir nesta passagem [Mt 1, 25] que a Virgem Maria teve outros filhos além do Filho de Deus, e que José então morou com ela mais tarde; mas que tolice é essa! [Sermão sobre Mateus 1, 22-25, publicado em 1562]

Paralelamente, havia citações ostensivas de Lutero e Zwinglio. Swan entra em detalhes profundos sobre as fontes daquelas, mas ignora a citação de Calvino. Ele, então, condescendentemente dá palestras e insultos da maneira costumeira e grosseira:

Normalmente, quando interajo com alguém sobre esse tópico, a pessoa que cita essas coisas fica em silêncio quando solicita um pouco mais de informação bibliográfica. Faço isso para descobrir se a pessoa que divulgou as informações realmente leu Lutero, Calvino ou Zwinglio, ou se as informações são um trabalho simples e retirado de sites apologéticos católicos[…] é a Internet, e vale tudo. Duvido muito que receba o material bibliográfico que solicitei. Apenas aponto tédio assim para mostrar que muitas vezes as pessoas estão divulgando informações como se realmente estudassem um assunto e tomaram uma decisão informada. Para a maioria das pessoas, porém, parece que chegam a uma conclusão e depois procuram informações para apoiá-la. Essa é a loucura normal dos defensores de Roma.

Por que, então, Swan não seguiu seus próprios conselhos e mostrou que a citação do sermão de Calvino não era autêntica? Levou mais de sete anos para fazê-lo, no contexto de Tim Staples escrevendo sobre o assunto e minha discordância com ele (e sua tentativa de exploração do mesmo para propósitos puramente polêmicos e difamatórios). De repente, agora Swan pode descobrir como encontrar a fonte primária original. Se “não era tão difícil de localizar“, por que demorou quase oito anos? Levei dois dias. Eu acho que essa é uma das muitas diferenças profundas entre o Sr. Inimitável Swan e mim.

Em seu artigo, ele zomba do católico que produziu essas citações, porque disse que pode demorar algumas semanas para encontrar outras fontes, porque ele estava se mudando e seus materiais estavam em caixas (“Vai demorar algumas semanas. Agora isso exige coragem, […]”). Quase oito anos depois, Swan procura a mesma fonte e pronuncia a porção da Thurian (que o católico que ele censurou, citou) como “precisa”.

Como poderíamos todos passar o dia sem um irmão tão profundamente inteligente, sábio, matizado, sempre atencioso, sempre eminentemente justo, caridoso e “erudito” em Cristo, que pensa que estamos todos na escuridão espiritual e a uma polegada do inferno, sendo humildes “romanistas?”

* * *

Depois de postar a tradução de uma parte do sermão no thread do CA, escrevi:

Então, onde isso deixa a discussão e o debate amigáveis agora, Tim? Você concorda (antes de tudo) que é uma fonte “autêntica”, a ser devidamente considerada no mix geral? Isso muda alguma coisa? Isso torna mais plausível para aqueles de nós que acham que Calvino aceitou a virgindade perpétua a ponto de acreditar nisso, mesmo que você permaneça sem persuasão? Podemos agora passar de um status de ser classificado como aqueles que citam Calvino “fora de contexto”, a fim de promulgar um “mito” para aqueles que mantêm uma posição respeitável que pode ser firmemente acreditada em boa fé (pessoas igualmente razoáveis e atenciosas, honestamente discordar), dadas as evidências que produzimos?

Tim respondeu:

Eu acho que deixa a discussão amigável, mas talvez torne o título do meu blog ainda mais apropriado, mas por um motivo diferente. Eu estou corrigido. Penso que isso não deixa dúvidas de que Calvino, pelo menos no momento de escrever este sermão, acredita(va) na Virgindade Perpétua de Maria. Agora posso dizer, definitivamente, que Calvino discutiu isso. E isso é razoável. O dogma foi acreditado universalmente por 1.500 anos na Igreja. Acreditavam nele homens como Santo Agostinho, São Jerônimo e São Bernardo, todos os quais Calvino respeitava. Modificarei minha postagem para incluir a parte tergiversada. Eu aprecio o debate e todos os envolvidos. Vivemos e aprendemos.

Anotarei as modificações de Tim em sua postagem quando ele mudar isso. Foi uma ótima discussão. Parabéns a Tim Staples, diretor de apologética e evangelização do Catholic Answers, por ser capaz de ser parcialmente persuadido de uma visão diferente. Ele agora pensa que Calvino tergiversou na virgindade perpétua de Maria e acreditou nisso pelo menos nos últimos anos de sua vida. Penso que Calvin acreditava nisso de maneira consistente o tempo todo, e que nada nas declarações dele que encontramos é inconsistente com essa interpretação. Ele apenas se tornou mais explícito, para não deixar margem para dúvidas no final do sermão.

E por essas razões (afirmo), os numerosos estudiosos protestantes e estudiosos de Calvino que citei assumem a posição de que ele realmente acreditava na perpétua virgindade de Maria. Aqueles que pensam que ele não acredita são pessoas como, bem… o polemista anticatólico não-credenciado e blogueiro James Swan… Não é muito impressionante…


Tim revisou seu post inicial da seguinte maneira:

Esse segundo mito é ainda mais difundido, mas devo qualificá-lo. Não há dúvida de que João Calvino, pelo menos em algum momento de sua carreira, acreditava na Virgindade Perpétua de Maria. Mas colocá-lo no mesmo nível de Lutero, Zwinglio e Wesley é equivocado. Não é para pintar a imagem inteira com precisão. E é por isso[…].

Meus agradecimentos a Dave Armstrong por apontar para mim algo que eu não sabia. Há um sermão que João Calvino pregou na Harmonia dos Evangelhos (sermão 22) onde defende explicitamente o dogma, mas isso ocorreu no início de sua carreira [Meu entendimento é que é de 1562: dois anos antes de sua morte]. Então, novamente, não há dúvida de que Calvino, pelo menos no início de sua carreira, acredita(va) nesse dogma católico.

Swan continuou a comentar no tópico. Eu debati uma afirmação dele:

Se alguém realmente quis dar a opinião de Calvino sobre esse assunto, é simplesmente dizer que Calvino não achou correto especular. Esta não é a resposta que os polemistas querem ouvir, mas é deixar Calvino ser Calvino.

Tampouco é a resposta que numerosos estudiosos de Calvino (incluindo T. H. L. Parker, mencionados acima [pelo próprio Swan], que parece ser o principal acadêmico de Calvino do mundo, a julgar por seus livros), querem ouvir. Eles estão deixando Calvino ser Calvino e eles acham que ele defendeu o dogma. Ponto. Alguns o moderam um pouco em termos de ênfase e explicitação (e eu concordo, como já disse; Calvino não é Lutero), mas ainda dizem que ele o defendeu. Eu mal consegui encontrar alguém que disse o que Tim acredita sobre ele. Estou aberto a ouvir sobre isso. Eu não os encontrei em algumas pesquisas muito intensas e trabalhosas.

Isso não é prova, é claro, mas prova que se pode sustentar que Calvino acreditava no dogma para fins não “polêmicos”. Esses caras acham que ele fez porque eles acham que ele fez. DÂH! Não há outros motivos além de chegar a fatos históricos: assim como meus motivos e os de Tim (apesar de serem ignorantes, humildes, pelagianos, meio pagãos, papistas não regenerados que não sabem o que é o evangelho), as pessoas podem discordar honestamente de algumas coisas.

Calvino já “especulou” sobre o assunto em questão, afirmando que não havia segundo e terceiro filhos além de Jesus, e interpretando adelphos / adelphe como “primos” em, pelo menos, dois casos. Isso é um tomar um lado (de alguma forma), enquanto a maioria dos que hoje se opõem à virgindade perpétua quase automaticamente usam o argumento cansado e burro dos “irmãos” e também o argumento “até” de Mateus 1, 25, que Calvino também diz que não é nenhum pouco, do que eles assumem casualmente, prova.

Para mim, isso é uma posição. Não acho que seja neutro ou descomprometido. Tecnicamente, Jesus sendo filho único e Maria sendo virgem perpétua são diferentes, mas funciona basicamente o mesmo, em termos (especificamente) dos argumentos comumente usados. Uma parte diz que esses “irmãos” são irmãos e a outra nega. Calvino está no último campo. Parece-me, pelo menos. E todos esses estudiosos que citei de alguma maneira chegaram à mesma conclusão.

Continuo sendo a única pessoa que citou estudiosos que sustentam qual é minha posição como não-estudioso e não-historiador. Se alguém pensa de outra forma, por favor, indique os acadêmicos que concordam e diga que Calvino negou ou tergiversou no dogma. Eu sou a favor disso. Isso tornaria o caso “agnóstico” mais forte e respeitável. Atualmente, acredito realmente que minha posição é a mais plausível de interpretar de maneira harmoniosa todos os dados de que tenho conhecimento.

“Por que trazer as visões marianas dos primeiros líderes protestantes? Qual a relevância disso?”

Essa é uma pergunta frequentemente levantada pelos apologistas protestantes, que não entendem o motivo pelo qual os católicos observam esses fatos históricos sobre as crenças dos fundadores do protestantismo e os aspectos do “catolicismo distintivo” que eles mantêm.

Principalmente, é uma questão de fato histórico ou ausência de evidência para ele. Por isso, escrevi no tópico da CA:

Nesse caso, nenhum dogma está envolvido. É puramente uma questão de fato histórico: Calvino acreditou no dogma ou não? Se ele o fez ou não, nada tem a ver com a crença católica. Nós nos apegamos a ele em qualquer caso, como dogma.

Se alguém está interessado na história da teologia, no desenvolvimento da doutrina e na história das ideias (como eu estou, muito mesmo), esse tipo de pergunta é interessante, por si só, e totalmente à parte da apologética ou da adesão pessoal de uma maneira ou de outra. Nesse sentido, é fascinante ver como os primeiros protestantes diferem dos atuais, o que é uma questão de desenvolvimento protestante interno (ou distanciamento, conforme o caso). Essas abordagens são tão sociológicas quanto históricas, mas não diretamente relacionadas à apologética ou ao “partidarismo”.

Penso também, no entanto, que essas questões são tangencialmente ou potencialmente apologéticas em alguns aspectos. Se um fundador protestante como Lutero ou Calvino acredita no dogma e, ao mesmo tempo, na Sola Scriptura, então (assumindo autoconsistência), obviamente, eles pensam que têm lógica bíblica para acreditar, em vez de apenas autoridade católica ou um argumento de uma tradição extrabíblica.

Isso então se torna uma questão na apologética, na medida em que um protestante tenta afirmar que os católicos acreditam nela (como costumam afirmar) apenas devido à tradição extrabíblica. Nesse ponto, dizemos que é inteiramente possível aceitá-lo dentro de uma regra de fé Sola Scriptura, já que Lutero, Calvino, Zwinglio ou quem quer que tenha feito o mesmo. Isso enfraquece o argumento contra tais doutrinas católicas detestadas, com base no pensamento de que são “tradições de homens” ou corrupções. E isso é, sem dúvida, apologética e / ou “polêmica”. O polemista anticatólico James Swan entende isso, pois escreveu em seu blog Boors All, em 15/10/14:

O que eu descobri é que a suposta Mariologia dos Reformadores foi usada pelos defensores de Roma para mostrar que os reformadores praticavam sola scriptura e mantinham doutrinas romanas distintas.

Tendo acertado esse método (é parcialmente isso que estamos tentando fazer, pelas explicações acima), ele então tira conclusões a partir disso, que não usamos em nossos argumentos a esse respeito. Mas parabéns a Swan por parte de sua análise estar correta. Ele sempre demonstrou ser igualmente ignorante sobre o catolicismo e a apologética católica ao longo de doze anos em que observei suas palhaçadas patéticas.

O polemista anticatólico Steve Hays, escrevendo em seu site do Tribalblog em 13-10-14, demonstra, por outro lado, que ele não entende tudo (o que não é uma ocorrência pouco frequente para ele), por escrito (depois de se referir à discussão com Tim Staples no blog da CA):

Suponha que os reformadores protestantes concordem com Roma sobre esse assunto. Se esse é um argumento de autoridade em apoio a Roma, então, por lógica inversa, quando eles discordam de Roma, esse é um argumento de autoridade em oposição a Roma. O argumento de autoridade segue nos dois sentidos.

Ele está completamente no mar aqui e prestes a se afogar. Nunca foi um argumento de “autoridade”, em primeiro lugar (o que os não-católicos acreditam não tem nenhuma relação com o que a Igreja Católica ensina como doutrina vinculativa: zero, zip, nada, zilch). Ele só pensa assim porque não analisa profundamente o pensamento e a apologética católica: nem tão profundamente quanto James Swan (e olha que  parâmetro não é muito alto!).

E ele não faz isso porque é uma regra geral que o que alguém menospreza, não concede respeito suficiente para estudar e pesquisar e apresentar com precisão. Portanto, quando essa pessoa decide lutar contra a temida Besta que detesta tão profundamente,  inevitavelmente acaba lutando contra um espantalho. Hays praticamente fez uma “carreira” (na medida em que se pode dizer isso sobre um mero blogueiro, como ele é) com essas atividades tolas.

Os apologistas protestantes geralmente afirmam que essas crenças entre seus fundadores são meros restos infelizes de sua antiga afiliação católica, das quais eles ainda não conseguiram se livrar porque ainda estavam no início da história protestante, e isso é “compreensível” etc., etc. Essa é a “rotação” que indica, eu acho, um sentimento definitivo de vergonha: a de que os heróis e fundadores da Revolta Protestante continuaram a acreditar em uma quantidade razoável de “coisas católicas” que o protestante médio de agora “Silas, Iago, ou Marcos” imediatamente sabe que “tratam-se de doutrinas abomináveis, a partir da Sagrada Escritura”. Lutero e Calvino ainda não haviam chegado àquele estado básico de “conhecimento da Bíblia” (uma afirmação ridícula, se é que alguma vez existiu, uma vez que se observe como os homens foram instruídos e “encharcados na Bíblia”).

A explicação “remanescente” é possível; no entanto, trata-se de um argumento inteiramente subjetivo, muito difícil de comprovar. É uma distinção sem diferença. Como alguém poderia provar que o chamado “reformador X” acreditava no dogma por causa da continuação da tradição católica arbitrária, ou porque ele realmente pensava que isso era justificado pela Bíblia? Não vejo como fazê-lo. Portanto, a alegação é arbitrária e feita com base em desejos, em vez de um fato sólido e determinável. É uma interpretação sobreposta aos fatos que podem ser determinados, para “explicar” o que se pensa ser anômalo, embaraçoso ou inconveniente no curso de apologética e polêmica anticatólica e / ou pró-protestante.

De qualquer forma, todas as partes são responsáveis por tentar determinar os fatos históricos de qualquer questão, da maneira que elas entenderem. Acho que mostrei que estou tentando o meu melhor para ser objetivo quanto a esse tipo de fato, mudando de ideia sobre alguns aspectos da opinião de Lutero sobre a Imaculada Conceição. Posteriormente, ele colocou esse ato de graça na época da concepção de Jesus, em vez da de Maria; portanto, renomeei sua crença de “Imaculada Purificação”.

Isso mostrou que estou perfeitamente disposto a ir aonde os fatos levam, mesmo que as evidências persuasivas tenham sido parcialmente fornecidas por fontes anticatólicas, como foi, também, nesse caso, porque a verdade é a verdade onde quer que esteja. Tim Staples também mostrou que está disposto a retratar algumas coisas e modificar sua posição, à medida que mais fatos se tornam evidentes. É disso que se trata: devemos ir aonde a verdade nos leve, sendo melhor determinado por um estudo diligente. Foi essa busca pela verdade que levou Tim e eu à Igreja Católica, o que implicou mudar nossas mentes em uma série de questões.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.