Onde está a Assunção de Maria na Escritura?

52

(St. Paul Center. Traduzido por Petter Martins) O dogma da Assunção ensina que, finalizando o curso da sua vida na terra, Maria foi elevada — de corpo e alma — ao céu. Lá, ela está sentada à direita de seu Filho, como Rainha do Céu e da Terra. O fundamento para este ensino está enraizado na Escritura, especificamente na visão misteriosa e apocalíptica de João registrada em Apocalipse 12.

Em primeiro lugar, a mulher de Apocalipse 12 é identificada como Maria, aquela “deu à luz um Filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono.” (Ap 12, 5). Apocalipse 12, no entanto, também usa imagens que revelam que a mulher é a Filha de Sião, a Rainha-Noiva de Israel e a Mãe da Igreja.

Ao comparar a mulher à Rainha Noiva de Israel, a descrição que faz dela ecoa Isaías, que disse que Israel seria vestido como uma radiante Rainha Noiva ( Is 60, 19–20; 62, 3-5 ). A noiva de Salomão no Cântico de Salomão é descrita de forma semelhante (Cânticos 6, 10). João enfatiza esse ponto ao nos dizer que a mulher usa uma coroa de doze estrelas, um símbolo óbvio das doze tribos de Israel.

Mas, ao longo do Apocalipse, as doze tribos também são contadas como sinais dos doze apóstolos, os representantes do novo Israel, a Igreja (Apocalipse 7, 4-8; 21, 12-14 ). Portanto, assim como a filha de Sião era um símbolo do povo escolhido de Deus — Israel — a mulher no Apocalipse também é um símbolo do novo povo de Deus, a Igreja. Paulo, em linguagem semelhante à do Apocalipse, chamou a Igreja de “a Jerusalém lá do alto […] nossa mãe.” Ele também falou da Igreja como a Noiva de Cristo (Gl 4, 26; Ef 5, 31-32). Da mesma forma, João se referiu à Igreja como uma “Senhora” (II Jo 1, 5). A mulher do Apocalipse, porém, é mais do que um símbolo para a Igreja. Ela também é sua mãe com “descendência“, além de um filho homem a quem ela deu à luz. E essas crianças são descritas no Apocalipse como aquelas que acreditam em Jesus.

Em Apocalipse 12 , vemos uma grande batalha que é um retrato dramático do cumprimento da promessa de Deus no Jardim do Éden. A serpente está à espreita sob a mulher, preparando-se para devorá-la na primavera. O nascimento de seu filho se torna a ocasião para um combate mortal. Durante a batalha, a mulher foge para o deserto — para um lugar especialmente preparado para ela por Deus. Mais tarde, após a derrota do diabo, João vê a mulher recebendo asas de águia para voar para um lugar no deserto onde ela seria nutrida por Deus. A linguagem de João lembra as palavras de Jesus aos seus apóstolos em João 14, 1-3. A linguagem de preparação de um lugar também é frequentemente usada no Novo Testamento para descrever o destino que Deus planejou para seus filhos ( Mt 20, 23 e 25, 34; I Ped 1, 5; I Cor 2, 9). As palavras de João também evocam o cuidado de Deus por Israel no deserto (Êx 19, 4; Deuteronômio 1, 31–33; 32, 10–12; 8, 2–3 ).

O quadro que o Apocalipse pinta serve de esboço bíblico para o dogma da Igreja sobre a Assunção de Maria. Maria é a Filha de Sião, a mulher que deu à luz o Salvador do mundo. Por ser a Nova Eva, ela está livre da sombra do pecado e de suas consequências. Isso inclui a separação de longo prazo da alma e do corpo que existe para o resto de nós enquanto esperamos pela ressurreição do corpo no final dos tempos. Maria foi elevada ao céu por Deus para se juntar a seu Filho no lugar que Ele preparou para ela. E naquele lugar, como a mãe do Cristo Rei, ela está sentada à Sua direita, usando a coroa da Rainha-Mãe. A evidência bíblica adicional para a Assunção de Maria reside no fato de que há pelo menos dois prenúncios dela no Antigo Testamento como visto com Enoque e Elias.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.